Presente grego

Embora os bancos franceses (US$ 55,7 bilhões) e alemães (US$ 21,4 bilhões) sejam os mais expostos à anunciada moratória da Grécia, chama a atenção o volume de papéis gregos em mãos do sistema financeiro de Portugal. Com um Produto Interno Bruto (PIB) de pouco menos de US$ 230 bilhões, o país segura um “mico” de US$ 10 bilhões em papéis da impagável dívida pública grega. Isso significa que 4,3% do PIB lusitano está pendurado no futuro da Grécia.

Petrobrasfobia
O recorte escolhido pela imprensa tupiniquim para tratar da investida da Argentina contra o cartel das petrolíferas naquele país é um caso exemplar do jornalismo aqui praticado. Naquele país, uma única empresa, a RepsolYFP – beneficiada pela privataria do anos Menem – detém 65% do mercado. Somada à Shell (20%) – conhecida por suas ações contra o governo local – concentram 85% do setor de atacado. A Petrobras tem apenas 6%, mesma fatia de Esso e Oil. Ou a imprensa tupiniquim quer galgar a estatal brasileira ao cartel das ex-sete irmãs ou é mais uma demonstração da sua recorrente Petrobrasfobia.

CPI
Amaury Ribeiro Jr. lança o livro A Privataria Tucana no Rio de Janeiro nesta quarta-feira. A obra, apesar do boicote da imprensa de grande circulação, é uma das mais vendidas desde o final do ano passado. O jornalista revela que o Governo Federal administrado pelo PSDB assumiu dívidas de empresas privadas e que o programa foi um desastre para os cofres públicos. O lançamento, no Sindicato dos Bancários (Presidente Vargas, 502/21º andar), a partir das 18h30, será também um ato de apoio à criação da CPI das Privatizações, proposta do deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), que deve estar presente.

Feliz ano novo
Nos dois primeiros meses do ano deve aumentar em 30% o número de acessos ao portal de relacionamentos evangélico www.AmorEmCristo.com. O movimento, observado nos anos anteriores, mostra que, entre as resoluções de ano novo, está a de conseguir um par romântico.
Pensando em atender à expectativa, o portal lançou novo layout. Com pouco mais de 1,5 milhão de cadastrados e mais de 400 mil acessos únicos mensalmente, o site permite uma busca segmentada por amizades, namoro e experiências cristãs. Internautas com idade entre 20 e 35 anos, 60% mulheres, compõem o perfil dos que mais acessam. São Paulo concentra o maior número de cadastros, seguido pelo Rio de Janeiro.

Para não afundar
Independentemente de a culpa pelo acidente com o Costa Concórdia ficar exclusivamente na conta do capitão Francesco Schettino, já passou da hora de as autoridades brasileiras  monitorarem esse tipo de navegação no país. Sob o álibi de que muitas das companhias são estrangeiras e deveriam obedecer apenas à legislação internacional, o país se omite da fiscalização, de condições de higiene às condições de trabalho, que, devido à sobrecarga excessiva, pode ter implicações, também, na segurança.

Relações carnais
“Durante a crise global, em 2008-2009, cerca de 352 bilhões de narcodólares foram injetados em grandes bancos mundiais, para evitar problemas críticos de escassez de liquidez; depois, esse dinheiro foi usado para empréstimos interbancários. (…)” A declaração, reproduzida pelo boletim eletrônico Resenha Estratégica, foi feita por Antonio Costa, ex-subsecretário-geral das Nações Unidas e diretor-executivo do Gabinete de Drogas e Crime da ONU (ODC).
Ele denuncia que não é um problema de bancos individuais, mas de todo o arranjo geral do sistema financeiro mundial. Não se trata de uma pessoa curiosa no assunto: Costa é um experiente banqueiro internacional e foi, durante dez anos, secretário-geral do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento.

Drogas
O relatório do Gabinete de Drogas e Crime da ONU estima os fluxos totais de dinheiro sujo do crime organizado em mais de US$ 1 trilhão, e nada menos que 70% desse dinheiro é lavado por meio de instituições financeiras. O setor mais destacado dessa economia do crime é o tráfico de drogas, que representa pelo menos a metade de todos os fluxos criminosos globais.

Artigo anteriorFábrica da AAA
Próximo artigoSocialismo de mercado
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.