Pressa suspeita

A autorização para que estrangeiros participem do controle das TVs por assinatura no Brasil, sem qualquer contrapartida dos países de origem dos novos proprietários – nos Estados Unidos, por exemplo, estrangeiros podem deter apenas 25% do capital das TVs – é assunto grave e complexo demais para ser ressuscitado e aprovado a toque de caixa no Congresso Nacional.

Integração
A proposta defendida, no Chile, pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, de eleição direta para o Parlamento Latino-Americano (Parlatino), foi apoiada pela mesa diretora do Parlatino. “A integração da região transcende às questões políticas e atinge outras dimensões da cidadania necessárias para o fortalecimento de todo o continente em esfera internacional. Por isso apoiamos a consolidação dos organismos interparlamentares e o início de votações diretas para os representantes em tais instituições. Aprovamos esta resolução para que a luta do Parlatino por eleições diretas de parlamentares latino-americanos se torne realidade”, declarou o presidente do Parlatino, deputado federal Ney Lopes (PFL-RN).

Sexagenária
Com 22 ganhadores do Prêmio Nobel em seu acervo e a obra de escritores do porte de Carlos Drummond de Andrade, Jorge Amado, Graciliano Ramos, Rubem Braga e Fernando Sabino, a Editora Record está completando 60 anos. Maior editora não didática da América Latina, possui cerca de 3 mil títulos em catálogo, com média de 220 obras lançadas por ano. A tiragem anual ultrapassa 6 milhões de livros, gerando 225 empregos.
Para o economista Sérgio Machado, diretor-presidente do Grupo Record, a crise que o país atravessa é menor que outras já superadas pelo grupo, como a da II Guerra Mundial. Ele destaca que, com a reciclagem do papel e o manejo sustentável das florestas, sua empresa é “totalmente do bem” agora. “Somando todas as empresas do grupo, é como se tivéssemos, na verdade, 250 anos: 60 da Editora Record, 70 da Civilização Brasileira, 70 da José Olympio e 50 da Bertrand”, contabiliza.

No sertão
A instalação da Ford na Bahia parece ter feito bem às vendas da montadora na região. O Nordeste responde por 23% das vendas de carros da montadora pela Internet, à frente de São Paulo, que vem no vácuo, com 22%. As vendas da Ford pela grande rede já respondem por 39% do volume total comercializado, somando cerca de 28.500 veículos até outubro. O crescimento maior ocorreu a partir de junho, com o lançamento do Novo Ford Fiesta, comercializado basicamente via Web.
Na Internet o cliente pode escolher o carro do modelo e da cor que desejar, sem ficar limitado às unidades disponíveis no estoque dos distribuidores. Mas a principal vantagem mesmo é o preço menor e com frete já incluso para todas as regiões do país.

Boi na sombra
Os números das vendas, no entanto, não escondem o fato de que a fábrica na Bahia é mais um excelente negócio financeiro do que produtivo. Com subsídios oficiais de cerca de R$ 3 bilhões por 15 anos, entre incentivos, renúncias fiscais, investimento e empréstimos dos governos estadual e federal, segundo levantamento do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari e de especialistas, a montadora norte-americana poderia se dar ao luxo de não vender um pneu sequer e ainda embolsar um belo lucro.

Sorte
Time mais popular de São Paulo, o Corinthians pode ganhar seu segundo título nacional este ano sem ter do que se queixar da arbitragem. No primeiro semestre, faturou a Copa do Brasil em cima do Brasiliense, auxiliado por duas falhas na arbitragem no jogo em São Paulo, que possibilitaram abrir tranqüila margem de gols e ir para o jogo de volta, em Brasília, com a taça nas mãos. Como o time da capital federal é novo e ainda sem grande torcida e pertence ao ex-senador Luiz Estevão – collorido e que teve seu mandato cassado após acusações de envolvimento com o juiz Nicolau no TRT-SP – as denúncias morreram.
Na semifinal do Campeonato Nacional, o Corinthians venceu o Fluminense na última quarta-feira, no Morumbi, novamente com falhas da arbitragem: marcou gol num lance em que seu atacante fez falta no jogador de defesa do tricolor carioca e ainda contou com a marcação de um impedimento no momento em que um atacante do Fluminense entrava na área livre diante do goleiro (o tira-teima mostrou que não havia irregularidade na posição do jogador).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBlecaute virtual
Próximo artigoLivre pensar

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Protestos contra a venda da Reman

O Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), filiado à Federação Única dos Petroleiros (FUP), entrou com ação na Justiça contra a venda da Refinaria...

Vale e empresa chinesa buscam descarbonização para a siderurgia

A Vale assinou um Memorando de Entendimento ("Memorandum of Understanding”, ou “MoU”, em inglês) com a chinesa Jiangsu Shagang Group Co., Ltd em que...

Semana começa morna na B3, que fecha em queda

A bolsa de valores de São Paulo, a B3, operou nesta segunda-feira com bastante volatilidade e acabou encerrando no negativo. “Estamos no início da...

FIDCs: Anbima calcula e divulga preços diariamente

Os FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório) são os novos produtos a fazer parte da precificação feita pela Associação Brasileira das Entidades dos...

Ainda que lentamente, cresce número de mulheres em cargo de liderança

o Brasil, das 508 empresas listadas no banco de dados da BM&F Bovespa, 197 têm pelo menos uma mulher no conselho de administração (38,78%)...