Pressão

     
          O presidente da Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet), Fernando Siqueira, também vice-presidente do Clube de Engenharia, alerta que, passadas as eleições, na qual a forma de exploração do pré-sal foi um dos principais temas das campanha, é hora de se retomar a discussão sobre o tema. E adverte para as fortes pressões contra a mudança da Lei 9.578/97, que acabou com o monopólio estatal do petróleo, e que conseguiram adiar a aprovação do projeto de partilha para depois das eleições.
“Que pressão é essa e de onde vem? Ela vem dos países desenvolvidos que não têm petróleo e calcaram suas economias nesse produto, cada vez mais escasso e mais estratégico. Estados Unidos, Europa e Ásia estão numa enorme insegurança energética. O cartel internacional está na mesma situação. Já dominou 90% das reservas mundiais e hoje tem menos de 5%. O pré-sal é uma questão de sobrevivência para todos eles”, alerta Siqueira.

Meu pirão primeiro
O presidente da Aepet alerta que analistas do setor sustentam que o mundo vive o terceiro e irreversível choque mundial do petróleo: “Atingimos o pico de produção mundial e daqui para frente a oferta irá cair de forma drástica e irreversível. Isso significa o recrudescimento da luta por petróleo, gerando preocupante aumento do preço do barril. Há possibilidade, inclusive, de mais um conflito mundial”, adverte.

Pechincha
Ele observa ainda que o pré-sal dá ao Brasil a possibilidade de “ficar numa posição confortável”, devido à perspectiva de as reservas se estenderem por cerca de 40 anos e  proporcionarem a auto-suficiência para o país. Siqueira, no entanto, adverte que, para essa riqueza ser convertida para os brasileiro, urge mudar a Lei 9478/97, que entrega 100% do petróleo a quem o produzir. Para isso, o produtor precisa pagar uma taxa à União somente a partir da produção diária de 90 mil barris/dia. Esse percentual, porém, salienta, equivale a, no máximo, 20% da produção, em dinheiro, ficando o produtor com todo o petróleo.

Estupro
Ele elogia o Governo Lula por, após a descoberta do pré-sal, ter retirado 41 blocos do nono leilão e criar um grupo de trabalho, que sugeriu mudar a Lei do Petróleo, com a criação do Fundo Social; a capitalização da Petrobras; a criação da estatal Pré-sal Petróleo e a mudança do regime de concessão para o de partilha.
Siqueira, no entanto, alerta que emenda introduzida no substitutivo do relator, deputado Henrique Alves (PMDB-RN), elevou os royalties para 15%, repassando-os para o consórcio produtor: “Ela transformaria o Brasil num imenso paraíso fiscal tornando o nosso contrato de partilha o pior do mundo. Mais grave: a participação da União na produção cai de 60% para 29%. Ou seja, o relator estuprou o projeto do governo”, destaca o vice-presidente do Clube de Engenharia.

Prêmio
A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) votará, em discussão única, nesta terça-feira o que pode ser mais um pacote de bondades para as concessionárias SuperVia (trens) e Metrô. O Projeto de Lei 3.303/10, enviada pelo Poder Executivo, inclui os elevadores e teleféricos que estão sendo construídos com dinheiro público (PAC) entre os serviços das duas concessões. Teremos duas situações: ou os serviços são deficitários, e as empresas vão querer uma compensação; ou são lucrativos, e os ganhos ficarão com a concessionária. O pior é que são duas empresas que prestam serviços de baixa qualidade.

Velhos métodos
“A cidade que dita o ritmo financeiro do país segue o mau caminho do imediatismo e do improviso. A abertura está garantida, mas o fechamento das principais questões está bem longe”, lamenta a consultora da Trevisan Gestão do Esporte Andressa Rufino. Nesta segunda-feira foi definido entre o governador de São Paulo, Alberto Goldman, o prefeito da capital, Gilberto Kassab, e o presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local), Ricardo Teixeira, que o futuro estádio do Corinthians será a sede paulista da Copa de 2014. Para isso, o local tem que oferecer, no mínimo, 65 mil lugares, de acordo com a Fifa, mas, até o momento, o clube e os investidores estão dispostos a construir um estádio para 48 mil pessoas. “O BNDES deverá liberar R$ 200 milhões adicionais para ampliação do estádio. O empréstimo é verba pública, ou seja, vem do contribuinte”, comenta Andressa, autora do livro Arena multiuso: um novo campo de negócios”.
     
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMaquiagem?
Próximo artigoJá é Natal

Artigos Relacionados

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Últimas Notícias

Ovo aumentou 202,13% acima da inflação oficial

Pesquisa do IBPT analisou o preço de 40 produtos, entre março de 2020 e maio de 2022.

Exterior misto deve acrescentar volatilidade nos negócios locais

Nesta quarta, dólar também ganha força ante moedas emergentes e ligadas a commodities, o que deve pressionar o real.

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)