Pressão sobre a Previdência

Em cinco meses, as desonerações liberadas pela equipe econômica somam R$ 9,134 bilhões. Desse total, 48,5% (R$ 4,43 bilhões) têm origem na redução de encargos sobre a folha de pagamento, que já é quase duas vezes maior do que a renúncia fiscal oriunda da Cide (R$ 2,23 bilhões). Isso significa que, sem contar o último mês do primeiro semestre, vem da drenagem de recursos da Previdência Social a principal fonte de irrigação da economia. Se o rombo não for coberto por recursos do Tesouro Nacional, a presidente Dilma corre o risco de entrar para a história como a responsável por aquilo que nem os neoliberais mais furibundos conseguiram: desmontar a Previdência.

Dilma e seu labirinto
Como, ainda que lentamente, começam a perceber os demofóbicos e seus porta-vozes midiáticos, uma filtragem da miríade de reivindicações que brotam das ruas aponta que, para as principais delas serem implementadas, é preciso forte aumento dos gastos públicos. Afinal, ao menos até agora, entre as dezenas de cartazes exibidos por manifestantes nenhum bradou por “Aumento da austeridade” ou “Alta dos juros já”.
Ou seja, a turba quer mais gastos públicos. Apesar disso, a presidente Dilma apontou o compromisso com o aperto fiscal como o primeiro ponto do pacto que propôs ao país, ao mesmo tempo em que acenava  como o aumento de recursos públicos para o setor de transportes – ainda que sem citar qualquer fonte de financiamento. Em algum momento, terá de decidir entre as ruas e os financiadores de campanha.
Já a “oposição”, na pele do novato (em opinar sobre os grandes temas do país) Aécio Neves, listou uma série de medidas para acalmar a voz das ruas, mas não tocou na redução dos juros para obter os recursos necessários para implementá-las.

Cofrinho
Os moradores de São Caetano, no ABC, são os que têm, em termos per capita, mais dinheiro na poupança. Na média, são R$ 11.525,56 guardados nessa aplicação. Alguns fatores colaboram para a marca. Entre eles, a facilidade para efetuar depósitos. A segunda colocada é a gaúcha Garibaldi, com R$ 11.520,75; em terceiro está Águas de São Pedro, no Interior de São Paulo, com R$11.338,37, revela o Diário do Grande ABC.

Precipitado
Para o economista Leonardo Carvalho, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a desaceleração do emprego no país é natural e acompanha a trajetória do comércio. Mas em relação à indústria, ele considera ser cedo para comemorar uma recuperação, baseado apenas no avanço de 2,2%, em maio, sobre o mesmo mês do ano passado, como divulgado pelo IBGE: “Há uma série de fatores, alguns conjunturais, e outros, como o efeito-base, que podem explicar o bom desempenho recente do setor. Ainda existem alguns pontos de risco e indicadores que sugerem cautela”, adverte.

Pelo olfato
A propósito de nota publicada na coluna passada sobre a inutilidade da vistoria feita pelo Detran do Rio de Janeiro, leitor escreve contando que seu carro passou pela vistoria e recebeu o documento que dá o veículo como aprovado no quesito de emissão de gases poluentes. Só que o examinador deve ter emitido o laudo baseado na experiência: não foi feito o teste de detecção de gases.

Corpo diplomático
O arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, o multi-artista Luiz Carlos Miele e a chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha, são alguns dos mais novos Embaixadores do Rio, título que orgulhosamente já ostenta um dos titulares desta coluna. A cerimônia de entrega será dia 3 próximo, na Casa Julieta de Serpa (Flamengo, Zona Sul da Capital). O prêmio, em sua 12ª edição, foi criado pelo professor Bayard Boiteux, presidente do site Consultoria em Turismo, e homenageia moradores do Rio que ajudam na divulgação da cidade.

Fora da área de cobertura
Novo movimento nas redes sociais lançará, nesta sexta-feira, o manifesto do Dia Sem Celular. O protesto convoca a população a reivindicar melhores serviços oferecidos pelas operadoras telefônicas. A concentração será às 16h, em frente às sedes das empresas telefônicas de todo o Brasil. O movimento propõe a Lei do Silêncio, por todo o dia.
 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInsaciáveis
Próximo artigoAdiós

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso