Primeiro exame de Bolsonaro dá positivo para coronavírus

Contraprova do HFA/Sabin, entetanto, deu negativo: presidente, em rede social, publica foto dando uma banana.

Política / 11:04 - 13 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Deu positivo o primeiro teste para detectar coronavírus no presidente Jair Bolsonaro. As informações são do jornal "O Dia".
Segundo a publicação, "ele espera o resultado da contraprova nesta sexta para confirmar ou não. (...) A despeito de passar tranquilidade na TV, e pedir ao povo para evitar as ruas (um claro cancelamento da convocação das manifestações pró-governo de domingo), Bolsonaro não esconde as evidências dos cuidados com a saúde. Apareceu de máscara hoje de manhã e não saiu do Palácio da Alvorada, a residência oficial. Se Bolsonaro vai divulgar o resultado - seja positivo ou não - é uma questão pessoal, mas que envolve também uma situação de soberania nacional. Passar à população uma imagem de um presidente infectado pode causar medo geral e até mexer com os índices da Bolsa de Valores, que já oscilam fortemente há uma semana, com circuit-break como rotina."

Entretanto, às 12h41, em sua página no Twitter, foi publicada a postagem que "HFA/Sabin atestam negativo para o Covid-19 o Sr. Pres. da República Jair Bolsonaro" e uma foto sua dando uma banana numa entrevista.

Idosos como Bolsonaro (que tem 64 anos) e pacientes de doenças crônicas representam o público que causa maior preocupação com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Isso porque a baixa imunidade faz dessas pessoas mais vulneráveis à ação do vírus e a complicações decorrentes dele, como síndromes respiratórias agudas graves.
Estudo do Centro para a Prevenção e Combate a Doenças da China analisou casos no país, tomando exemplos do mês de fevereiro, e identificou que a taxa de mortalidade avança conforme a idade.
Enquanto entre 0 e 49 anos ela não passa de 1%, entre 50 e 59 fica em 1,3%, entre 60 e 69 vai para 3,6%, entre 70 e 79 anos sobe para 8% e acima dos 80 chega a 14,8%.
Ao falar na Comissão Geral da Câmara dos Deputados na última quarta-feira (11), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, destacou a atenção necessária a esse público. "O maior grupo de risco é formado pelos idosos e doentes crônicos. Estes é o grupo que queremos superproteger. Quando jovens ganham imunidade, o vírus cai. Quanto menos pessoas idosas e com doenças crônicas tivermos, menos usaremos os sistemas hospitalares", destacou.
No Brasil, ainda não houve mortes em razão da epidemia. De acordo com números divulgados ontem pelo Ministério da Saúde, a maioria dos casos (40%) é de pessoas abaixo de 40 anos, enquanto os acima de 60 anos representam 14% das pessoas infectadas. A média geral é de 42 anos.
No mesmo evento na Câmara, o ministro alertou, no entanto, que os números são "enganosos". "A maioria dos casos confirmados veio de viagens de fora. São pessoas de poder aquisitivo elevado e com faixa etária mais baixa. É o pessoal que viaja. Acima de 69 são os que menos viajam", explicou.
Já as doenças crônicas também devem ser objeto de cuidado pela vulnerabilidade que confere ao portador. De acordo com o Ministério da Saúde, entre os pacientes de doenças crônicas que precisam de maior atenção estão aqueles com diabetes, hipertensão, doenças renais, cardíacas e respiratórias, por exemplo.

Com informações d'O Dia, da Agência Brasil e do Planalto

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor