Primeiro Mundo

Segundo o especialista regional em educação para o trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Eduardo Rodrigues Calderón, as Américas estão longe de ser o paraíso para os trabalhadores. A região concentrou, na última década, 55% das queixas de violação dos direitos trabalhistas. Surpreendente para alguns, o Canadá lidera a lista, seguido de Peru, Argentina, Colômbia e Venezuela.

Sem beleza
Com relação aos setores da economia, o campeão do desrespeito é o setor público, seguido das maquiladoras mexicanas. “Temos avançado na democracia política, porém a estrutura social não tem sido alterada. É indispensável que a tributação seja vista sob a ótica do estado forte, que garanta direitos básicos e não sob o estado mínimo, este o primeiro a desrespeitar a lei”, avalia Eduardo Calderón, da OIT.

Dogma
No último ano do real anabolizado, a balança comercial do país fechou 1998 com déficit de US$ 6 bilhões, fruto de importações de cerca de US$ 57 bilhões e exportações de US$ 51 bilhões. Em 2002, com a desvalorização da moeda, as exportações subiram para US$ 60 bilhões e as importações recuaram US$ 47 bilhões, gerando superávit de US$ 13 bilhões. Esses números dão o que pensar sobre o significado de um banco central “independente” com diretores “imexíveis”. Tivesse o país herdado um Gustavo Franco com mandato fixo, a crise cambial do ano passado pareceria um piquenique.

Para todos
“O novo modelo do Banco Central não pode servir apenas como instrumento de política monetária, mas deve também voltar-se para a defesa dos interesses da população.” O alerta é do presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Sérgio Belsito. Em artigo na última edição da revista da entidade, lançada esta semana, Belsito revela que o Sinal encaminhou propostas ao presidente do BC, Henrique Meirelles, com o objetivo de aprofundar o debate sobre o modelo mais adequado para o país, para que, da nova regulamentação do sistema financeiro, resulte um BC que atenda a toda sociedade e não apenas “ao grande capital”.

Passado
Paulo Nogueira Batista Jr. criticou o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto, que hoje defende mandato fixo para a diretoria do Banco Central: “Quando era ministro da ditadura ele acabou com o mandato fixo que existia no Banco Central.” Apesar da crítica, Nogueira considera Delfim “hoje um progressista, perto dos economistas neoliberais”. Nogueira, radicalmente contrário a qualquer acordo para criação da Alca ou Mercosul-UE, “mesmo equilibrado”, destacou também que a retumbante vitória do partido de Bush (Republicano) nas últimas eleições para o Legislativo norte-americano é fruto de medidas protecionistas “calibradas” para agradar determinados setores. “O protecionismo nos EUA é um sucesso político”, ironizou.

Fome de mídia
A polêmica sobre o valor do cachê que a modelo Gisele Bündchen teria doado ao Fome Zero – as estimativas variaram de R$ 100 mil a US$ 150 mil – deixaram uma dúvida no distinto público: afinal tratou-se de caridade ou performance? Se a modelo e o governo não optaram pelo anonimato, o que seria um direito mais que legítimo, principalmente dela, por que se anunciou uma doação cujo valor não pode ser revelado?

Dogma II
Apesar de todo contorcionismo verbal e da habilidade política a que recorreu, o governador de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves, deixou claro, em entrevista ao programa Roda Viva, segunda-feira à noite, ser favorável à “flexibilização” da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Por enquanto, Aécio pede a mudança do índice usado para corrigir as dívidas dos estados – o IGP-DI. Como este incide sobre um estoque inflado pelos pornográficos juros praticados pelo tucanato, Aécio, em breve, juntamente com os outros ex-governistas, terá de, implícita ou escancaradamente, renegar a defesa entusiasmada da LRF que fez quando presidia a Câmara de Deputados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCentralização
Próximo artigoPós-industrial

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução