Prioridades

O Orçamento da União para 2012 destina R$ 1,014 trilhão para gastos com juros e amortizações da dívida pública, somando 47,19% do total. O número faz parte de levantamento do PSOL, que mostra, ainda, que o Orçamento destina apenas 18,22% para a Previdência Social; 3,98% para a Saúde; 3,18% para a Educação, e 0,25% para a reforma agrária.

Quatro décadas
O PSOL observa, ainda, que, embora os aposentados que recebem um salário mínimo tenham tido aumento real (descontada a inflação) de 7,53%, o ganho médio dos dois primeiros anos do governo da presidente Dilma, de 3,4%, é inferior à média dos intermináveis oito anos da administração FH: “Continuando-se nessa média anual, serão necessários 37 anos para se chegar aos R$ 2.349,26 exigidos pelo art.7º do Capítulo IV da Constituição, que garante um salário que garanta “moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social””, contabiliza o PSOL.

Alvo errado
A redução dos gastos com encargos sobre folha de pagamento, prevista pela Lei 12.546, de 14 de dezembro de 2011, só beneficiará empresas que pagam, entre salários e encargos sociais, mais de 10% da receita total. Percentual menor surtirá efeito contrário: aumento dos custos, afirma José Chapina Alcazar, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-SP).
A Lei, que vigora até dezembro de 2014, desonera a folha de pagamento de setores da indústria, tecnologia da informação e call center. Consiste em substituir a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha pela tributação sobre o faturamento. Para Alcazar, a lei privilegia organizações que têm uma extensa folha de pagamentos e não necessitam de mão-de-obra especializada.

Instável
Questionado sobre a distância entre a previsão da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) e o resultado efetivo da balança comercial em 2011 – a AEB não descartou a possibilidade de déficit e o ano fechou com superávit de US$ 24 bilhões – o vice-presidente da entidade, José Augusto de Castro, argumentou que o cenário de grande instabilidade econômica mundial dificulta qualquer previsão, da AEB ou de qualquer outro setor.

Sem garantias
Apesar disso, Castro reafirmou a projeção da AEB para a balança comercial deste ano, saldo positivo de US$ 3 bilhões, não descartando, novamente, a possibilidade de déficit. Mas ressalva que tudo dependerá de um cenário externo com muita volatilidade: “Previsões são muito difíceis em momentos como este”, admitiu.

Casa de ferreiro
Um dos maiores países produtores de petróleo, a Nigéria enfrentou o segundo dia de protestos contra o aumento da gasolina, após a retirada do que o governo chama de subsídios sobre o produto, refinado fora do país. O preço do combustível aumentou para o equivalente a R$ 1,70 – valor que levaria os brasileiros a fazerem fila nos postos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGangorra
Próximo artigoPerda?

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.