Prioridades

O Orçamento da União para 2012 destina R$ 1,014 trilhão para gastos com juros e amortizações da dívida pública, somando 47,19% do total. O número faz parte de levantamento do PSOL, que mostra, ainda, que o Orçamento destina apenas 18,22% para a Previdência Social; 3,98% para a Saúde; 3,18% para a Educação, e 0,25% para a reforma agrária.

Quatro décadas
O PSOL observa, ainda, que, embora os aposentados que recebem um salário mínimo tenham tido aumento real (descontada a inflação) de 7,53%, o ganho médio dos dois primeiros anos do governo da presidente Dilma, de 3,4%, é inferior à média dos intermináveis oito anos da administração FH: “Continuando-se nessa média anual, serão necessários 37 anos para se chegar aos R$ 2.349,26 exigidos pelo art.7º do Capítulo IV da Constituição, que garante um salário que garanta “moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social””, contabiliza o PSOL.

Alvo errado
A redução dos gastos com encargos sobre folha de pagamento, prevista pela Lei 12.546, de 14 de dezembro de 2011, só beneficiará empresas que pagam, entre salários e encargos sociais, mais de 10% da receita total. Percentual menor surtirá efeito contrário: aumento dos custos, afirma José Chapina Alcazar, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-SP).
A Lei, que vigora até dezembro de 2014, desonera a folha de pagamento de setores da indústria, tecnologia da informação e call center. Consiste em substituir a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha pela tributação sobre o faturamento. Para Alcazar, a lei privilegia organizações que têm uma extensa folha de pagamentos e não necessitam de mão-de-obra especializada.

Instável
Questionado sobre a distância entre a previsão da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) e o resultado efetivo da balança comercial em 2011 – a AEB não descartou a possibilidade de déficit e o ano fechou com superávit de US$ 24 bilhões – o vice-presidente da entidade, José Augusto de Castro, argumentou que o cenário de grande instabilidade econômica mundial dificulta qualquer previsão, da AEB ou de qualquer outro setor.

Sem garantias
Apesar disso, Castro reafirmou a projeção da AEB para a balança comercial deste ano, saldo positivo de US$ 3 bilhões, não descartando, novamente, a possibilidade de déficit. Mas ressalva que tudo dependerá de um cenário externo com muita volatilidade: “Previsões são muito difíceis em momentos como este”, admitiu.

Casa de ferreiro
Um dos maiores países produtores de petróleo, a Nigéria enfrentou o segundo dia de protestos contra o aumento da gasolina, após a retirada do que o governo chama de subsídios sobre o produto, refinado fora do país. O preço do combustível aumentou para o equivalente a R$ 1,70 – valor que levaria os brasileiros a fazerem fila nos postos.

Artigo anteriorGangorra
Próximo artigoPerda?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.

Levantamento revela mudanças no setor de saúde pós-Covid

Estudo fala em mudança no perfil de consumo da saúde por pacientes, consolidação da telemedicina, aumento da utilização de dados e automação de serviços.