Prioridades

O Orçamento da União para 2012 destina R$ 1,014 trilhão para gastos com juros e amortizações da dívida pública, somando 47,19% do total. O número faz parte de levantamento do PSOL, que mostra, ainda, que o Orçamento destina apenas 18,22% para a Previdência Social; 3,98% para a Saúde; 3,18% para a Educação, e 0,25% para a reforma agrária.

Quatro décadas
O PSOL observa, ainda, que, embora os aposentados que recebem um salário mínimo tenham tido aumento real (descontada a inflação) de 7,53%, o ganho médio dos dois primeiros anos do governo da presidente Dilma, de 3,4%, é inferior à média dos intermináveis oito anos da administração FH: “Continuando-se nessa média anual, serão necessários 37 anos para se chegar aos R$ 2.349,26 exigidos pelo art.7º do Capítulo IV da Constituição, que garante um salário que garanta “moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social””, contabiliza o PSOL.

Alvo errado
A redução dos gastos com encargos sobre folha de pagamento, prevista pela Lei 12.546, de 14 de dezembro de 2011, só beneficiará empresas que pagam, entre salários e encargos sociais, mais de 10% da receita total. Percentual menor surtirá efeito contrário: aumento dos custos, afirma José Chapina Alcazar, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-SP).
A Lei, que vigora até dezembro de 2014, desonera a folha de pagamento de setores da indústria, tecnologia da informação e call center. Consiste em substituir a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha pela tributação sobre o faturamento. Para Alcazar, a lei privilegia organizações que têm uma extensa folha de pagamentos e não necessitam de mão-de-obra especializada.

Instável
Questionado sobre a distância entre a previsão da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) e o resultado efetivo da balança comercial em 2011 – a AEB não descartou a possibilidade de déficit e o ano fechou com superávit de US$ 24 bilhões – o vice-presidente da entidade, José Augusto de Castro, argumentou que o cenário de grande instabilidade econômica mundial dificulta qualquer previsão, da AEB ou de qualquer outro setor.

Sem garantias
Apesar disso, Castro reafirmou a projeção da AEB para a balança comercial deste ano, saldo positivo de US$ 3 bilhões, não descartando, novamente, a possibilidade de déficit. Mas ressalva que tudo dependerá de um cenário externo com muita volatilidade: “Previsões são muito difíceis em momentos como este”, admitiu.

Casa de ferreiro
Um dos maiores países produtores de petróleo, a Nigéria enfrentou o segundo dia de protestos contra o aumento da gasolina, após a retirada do que o governo chama de subsídios sobre o produto, refinado fora do país. O preço do combustível aumentou para o equivalente a R$ 1,70 – valor que levaria os brasileiros a fazerem fila nos postos.

Artigo anteriorGangorra
Próximo artigoPerda?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...