33.1 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Prisioneiro

Para o economista da Universidade de Campinas (Unicamp) Plinio de Arruda Sampaio Júnior, que trocou o PT pelo PSOL, nem o crescimento da senadora Heloísa Helena nas pesquisas fará o governo Lula fazer concessões na política econômica. “O crescimento de Heloísa pode levar a campanha de Lula a uma guinada para a esquerda. Mas não acredito que irá prometer mudanças na economia num eventual segundo mandato porque é prisioneiro de uma correlação de forças que, em vez de perder, está ganhando forças”.

Prejuízo ao SUS
O que o TCU chamou de “falhas administrativas” na Agência Nacional de Saúde (ANS) podem ter causado um prejuízo perto de R$ 1 bilhão aos cofre públicos. Segundo o Tribunal, os ressarcimentos que os planos de saúde deveriam ter feito aos cofres do Sistema Único de Saúde (SUS), no período entre janeiro de 2000 e julho de 2004, somariam R$ 1 bilhão, mas somente pouco mais de R$ 51 milhões foram cobrados.
O TCU analisou as normas e os procedimentos adotados pela ANS para ressarcir gastos com atendimento a pacientes de planos privados. Segundo o ministro Augusto Nardes, relator do processo, resolução da agência restringe as hipóteses previstas na legislação ordinária. “Ora, é notório que resoluções devem ater-se aos limites impostos nas leis e não contemplar assuntos distintos ou, pior, enfrentar os próprios dispositivos ordinários que as prevêem”, observou.
Nardes destacou, ainda, que os controles e estudos da ANS devem ser aprimorados, pois não foi demonstrada a utilização de bases atuariais para a composição dos custos das operadoras de planos de saúde. O TCU determinou à ANS uma revisão da resolução.

Sol acolhedor
O brasileiro que visita o Rio volta: pesquisa feita com 800 turistas que viajaram à cidade em julho revela que 92% pretendem voltar; apenas 8% não pretendem. Os principais pontos positivos citados foram temperatura agradável (30%), população anfitriã (22%), qualidade na prestação de serviços (17%), gastronomia (14%), atrativos culturais (11%) e o metrô (7%).

Insegurança
Os pontos negativos foram segurança urbana (44%), mendicância (22%), vendedores ambulantes (16%), prostituição (8%), informação turística deficiente (6%) e favelização (4%). A pesquisa foi feita pela Prefeitura e pelo curso de Turismo da UniverCidade, com coordenação dos professores Bayard Boiteux e Mauricio Werner. Foram entrevistados turistas nos bairros de Copacabana, Flamengo, Centro, Glória, Barra e São Conrado. Detalhes em www.bayardboiteux.pro.br.

Agenda
Médico e autor de mais de 70 livros, o gaúcho Moacyr Scliar é o convidado da próxima edição do projeto Sempre um Papo, que acontecerá no 24, segunda-feira, às 19h, no Teatro Nelson Rodrigues, da Caixa Cultural Rio de Janeiro. Durante o bate-papo com a platéia, Scliar lançará seu livro Vendilhões do Tempo. A entrada é franca.

Artigo anteriorLeilão da insensatez
Próximo artigoVerde do dólar
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.