Privada assume serviço de água e esgoto em 1º de novembro no Rio

Águas do Rio assume serviços de água e esgoto em 124 bairros da capital e em outros 26 municípios.

A partir de 1º de novembro, a concessionária Águas do Rio assume os serviços de água e esgoto em 124 bairros da capital e em outros 26 municípios. O anúncio da data de início da operação foi feito pelo governador Cláudio Castro, nesta quinta-feira, em visita à sede da empresa no Porto Maravilha, no Rio. A decisão garante a antecipação de investimentos diretos no estado: segunda parcela da outorga de R$ 2,3 bilhões, além dos R$ 10 bilhões já pagos na assinatura do contrato e início das obras de infraestrutura que beneficiarão cerca de 10 milhões de pessoas.

– Visitar a sede da Águas do Rio é ter a certeza de que a empresa está preparada para assumir a operação plena dos serviços de água e esgoto em 27 cidades fluminenses. Não tenho dúvidas que essa antecipação é benéfica para todos. São novos empregos e investimentos importantes nesse momento de retomada econômica do estado do Rio, que irá receber um total de outorga de R$ 15,4 bilhões, valores imprescindíveis para podermos destravar projetos de governo que vão mudar a vida da população – afirmou Cláudio Castro.

As contratações de funcionários já estão em andamento, priorizando a mão de obra local, e até o fim do mês serão mais de 1.500 novos colaboradores, com previsão de chegar a 5 mil empregos diretos em dezembro e outros 15 mil indiretos ao longo da operação.

Desde maio, a Águas do Rio se prepara para assumir a operação plena. A empresa investiu R$ 10 milhões no Centro de Operações Integradas (COI), que é um dos mais modernos no segmento de saneamento básico no país.

O presidente da Águas do Rio, Alexandre Bianchini, apresentou ao governador o COI e explicou a tecnologia utilizada como a aplicação de inteligência artificial e IoT (Internet das Coisas), que permitem a análise preditiva e a tomada de decisão cada vez mais assertiva.

O COI já monitora, em tempo real, mais de mil pontos de distribuição de água e a previsão é de que outros 2 mil sejam instalados em locais estratégicos dos sistemas. Ele dispõe de softwares e equipamentos automatizados capazes de analisar inúmeras variáveis, como pressão, vazão, temperatura, energia, produtos químicos e outros, otimizando a gestão dos sistemas de água e esgoto.

– Essa tecnologia vai impactar na eficiência operacional, na transparência das informações, na regularidade dos serviços prestados para os fluminenses, transmitindo confiabilidade na operação e credibilidade aos clientes – afirma Bianchini.

A Águas do Rio vai realizar obras de infraestrutura para recuperar e ampliar os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, com o objetivo de cumprir as metas que atendem ao Marco Legal do Saneamento, alcançando 99% da população com acesso à água potável e 90% à coleta e tratamento de esgoto. E junto com o saneamento, a concessionária chega também com os programas de valorização e capacitação profissional e outras ações sociais como a ampliação da tarifa social acima do percentual estipulado em contrato.

A Águas do Rio é a mais nova empresa do grupo Aegea, criado em 2010 e líder no setor privado de saneamento brasileiro, com 56% desse segmento. Por meio de suas concessionárias, a Aegea opera em 153 cidades de 12 estados e atende 21 milhões de pessoas, contando com a concessão no Rio.

A concessionária estará presente em 124 bairros da capital do estado (Zona Sul, Norte e Centro), além de outros 26 municípios. São eles: Aperibé, Cachoeiras de Macacu, Cambuci, Cantagalo, Cordeiro, Casimiro de Abreu, Duas Barras, Itaboraí, Itaocara, Magé, Maricá, Miracema, Rio Bonito, Saquarema (3° Distrito), São Gonçalo, São Francisco de Itabapoana, São Sebastião do Alto, Tanguá, Belford Roxo, Duque de Caxias, Japeri, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, Queimados, São João de Meriti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lucros das corporações na pandemia crescem 51% e batem recorde

Dívida global das empresas cai pela primeira vez em 8 anos.

Cesta básica aumentou em nove capitais

São Paulo foi a capital em que os alimentos básicos apresentaram o maior custo: R$ 777,01

Número de pessoas afetadas pela fome subiu para 828 milhões em 2021

Quase 3,1 bilhões de pessoas não conseguiram pagar por uma alimentação saudável em 2020, um aumento de 112 milhões ante 2019.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução