Privatização da Cedae: valor de R$ 40 bi é ‘realidade virtual’

Governador anuncia que edital de venda da estatal deve sair dia 18.

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, disse nesta sexta-feira que o governo fluminense e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) sanaram as últimas divergências em relação ao edital de concessão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Castro afirmou ter participado de uma reunião com o presidente do banco, Gustavo Montezano, e disse que o governo trabalhará para que o edital seja publicado em 18 de dezembro.

Segundo o governador, cada parte abriu mão de alguns pontos e foi possível manter o valor mínimo de outorga em R$ 10,6 bilhões. Os últimos pontos da discussão, que ele classificou como dura, foram o cronograma de obras e o valor cobrado pelo metro cúbico de água, que terá nos primeiros quatro anos o valor de R$ 1,70 e, depois, R$ 1,63.

Sobre as obras, o governador explicou que era de interesse do estado que os investimentos não ficassem para o fim da concessão, e foi possível garantir “um investimento maciço nos primeiros 12 anos”, segundo Castro.

“Outorga de R$ 10 bilhões e investimentos de R$ 30 bilhões só em uma realidade virtual”, ironiza o ex-presidente da Ceade Wagner Victer. Para chegar a esses valores, “só se a tarifa for multiplicada diversas vezes”.

Segundo Victer, o modelo sugerido tem fragilidades primárias do ponto de vista operacional, não guarda coerência com outras modelagens adotadas no país – como a própria AP5 feita pelo BNDES – não trará os investimentos divulgados na mídia pelo governador afastado Wilson Witzel e aumentará as tarifas para o consumidor final.

“Há outras formas de novos investimentos, em especial em esgoto, serem captados, como através de PPPs com transferência da gestão comercial da água em regiões como Baixada e São Gonçalo. Aliás, modelo já adotado pela prefeitura para Zona Oeste [AP5]”, frisa o ex-presidente da Cedae.

Quanto a pagamento do empréstimo bancário do Paribas, Victer enumera alternativas à privatização, como securitizacao de futuros dividendos a serem pagos pela Cedae, créditos estaduais da Lei Kandir e o crédito da Cedae junto à União da imunidade tributaria de impostos federais, já definido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Empório do Galeto investe R$ 3 milhões na expansão da rede

Galeteria abre três unidades próprias e ingresso no franchising em 2022.

Grupo Costa recebe navio movido a GNL

O Grupo Costa  recebeu, nessa quinta-feira, o navio Costa Toscana, movido a Gás Naturtal Liquefeito (GNL). O grupo já possui outros navios movidos a...

Gasto médio de tutores de animais é de R$ 25 a R$ 100 em MG

Na pandemia, 94,5% das pet shops apontaram queda nas vendas.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.