Privatização dos Correios será ruim para o país

Segundo associação, dos sistemas cuja universalização é prevista na Constituição, o serviço postal é o único que atende plenamente à exigência.

O Projeto de Lei 521/21, de autoria do Executivo, relativo à privatização dos Correios, é nocivo para o Brasil, analisa Álvaro Gradim, presidente da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo (Afpesp). “Não somos contrários à privatização de empresas cuja atividade e vocação tenham caráter mercadológico e de natureza particular, mas não se trata disso, pois o serviço postal é eminentemente público e direito de toda a sociedade, não sendo passível de operação por empresa privada”, explica.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, afirmou que a votação deve entrar em pauta esta semana, no fim do recesso de julho, e vai movimentar a Casa. De acordo com o parlamentar, as reformas políticas, tributárias e administrativas são as prioridades para o semestre e prevê a votação do pacote até novembro.

Manifestando preocupação pelo fato de a votação tramitar em regime de urgência, o presidente da Afpesp pondera que a Constituição obriga a União a ter serviço postal e correio aéreo nacional. Mesmo que se mantenham essas duas atividades minimamente, como parece que ocorrerá, a verdade é que o PL estabelece a privatização total dos Correios.

Tal possibilidade foi concretizada, lembra Gradim, pelo Decreto 10.674/2021, de autoria do presidente Jair Bolsonaro, que incluiu a empresa no Programa Nacional de Desestatização (Lei 9.491/1997). “Entretanto, além da aprovação do Projeto de Lei na Câmara dos Deputados e do Senado, é preciso considerar que o Supremo Tribunal Federal (STF) questionou a constitucionalidade do decreto, referendando parecer da Procuradoria Geral da República”, frisa. Assim, seria necessária uma Proposta de Emenda Constitucional para legitimar a medida.

Acentuando não haver razão para privatizar os Correios, que apresentaram lucro superior a R$ 1 bilhão em 2020, o presidente da Afpesp argumenta que, no contexto do imenso território nacional, o serviço postal público é essencial para garantir o acesso de todos os brasileiros, independentemente de renda. Isso é ainda mais relevante se for considerada a grande desigualdade socioeconômica prevalente no país.

“Não é sem razão que a Constituição de 1988 contém dispositivo garantidor do acesso postal a todos os brasileiros, inclusive como forma de assegurar as prerrogativas da cidadania”, afirma Gradim, lembrando um aspecto fundamental: “Dentre os direitos basilares de nossa população de acesso universal previstos na Carta, que incluem a saúde, educação, saneamento básico e serviço postal, este último é o único concretamente atendido, pois os demais ainda são bastante precários. Agora, há o risco de se extirpar mais uma responsabilidade e dever do Estado perante os cidadãos”.

O PL 591/21 gera um marco regulatório para o setor, atualmente em regime de monopólio, e determina regras gerais para o Sistema Nacional de Serviços Postais (SNSP), além de direitos e deveres dos consumidores e normas genéricas para empresas privadas que entrarem no mercado postal.

De acordo com os dados do Instituto Ideia, 45% dos brasileiros são a favor da privatização dos Correios e 35% são contrários. Por outro lado, uma pesquisa feita em fevereiro deste ano pelo Instituto Paraná Pesquisa, revelou que 50,3% disseram ser contra a venda da empres e 43,1%, favoráveis à venda.

Para Alexandre Aroeira Salles, doutor em Direito e sócio fundador da banca Aroeira Salles Advogados, a privatização dos Correios do jeito que o governo Federal pretende será um grande desafio – “é uma situação nova, diferente do que foi feito na Eletrobrás, e no modelo proposto para ex-subsidiárias como a BR, por exemplo. O projeto entrega o monopólio estatal para o monopólio privado, é algo questionável porque teremos uma empresa privada com o monopólio de serviço postal. O que o Governo Federal alega é que a proposta vai fortalecer a Agência Reguladora de Comunicações, que atualmente não existe. Isso dará aos Correios, quando privatizados, a possibilidade de prestar outros serviços como os de delivery de entrega de mercadoria, como já é feito pela Amazon e Mercado Livre”, ressalta Alexandre.

O advogado explica, ainda, que “no aspecto jurídico regulatório será um grande desafio para a agência ter que estabilizar o único monopólio de serviço postal nacional”.

Leia também:

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Governo do RS vende estatal de gás por apenas R$ 927,7 milhões

Não houve concorrência. A oferta vencedora, da empresa Compass Gás e Energia, foi igual ao valor de referência.

Últimas Notícias

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...