Privilégio secular

A imprensa tupiniquim poderia aproveitar seu deslumbramento e interminável espaço dedicado a mais um casamento na anacrônica monarquia inglesa para passar a se indagar por que, no Brasil, descendentes da família imperial continuam a receber 2,5%, a título de laudêmio, por cada transação imobiliária realizada em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. O mecanismo que garante tal privilégio está inserido no Código Civil Brasileiro atendendo pelo nome de enfiteuse, significando direito real sobre coisas alheias, embora , há 122 anos, o Brasil tenha se transformado numa República. Está aí uma bandeira a ser levantada pelos movimentos críticos da carga fiscal brasileira.

Amigos do imperador
Na Constituinte, a então deputado Ana Maria Rattes (PMDB-RJ), propôs a revogação dessa aberração. O privilégio, no entanto, por ter faltado apenas um voto para que fosse extinto.

Fim da fila
A percentagem da economia mundial que corresponde à América Latina ficou praticamente estancada nas últimas cinco década: passou de 6% do PIB mundial, em 1960, para 7% atualmente, segundo o Banco Mundial (Bird). No mesmo período, a China dobrou sua participação, alcançando – sozinha – 8% da produção mundial, mais que todos os países latino-americanos juntos. E a perspectiva não é boa: a fatia latino-americana nos investimentos mundiais em pesquisa/ciência é de apenas 2,3%, contra 36% de EUA/Canadá, 31% da Europa e 28% da Ásia, segundo os indicadores da Rede Ibero-americana de Ciência e Tecnologia (Ricyt).

Preço
Em nome da transparência, os separatistas líbios apoiados pelos Estados Unidos e seus países-laranja precisam esclarecer aos seus conterrâneos se, no caso de lograrem a derrubada do presidente Muamar Kadafi, o Banco Central da Líbia vai manter a sua política de converter as reservas locais em ouro, para regular o valor do dinar, desatrelando-o das flutuações do dólar. Ou se passará a acumular divisas na combalida divisa estadunidense.

Biruta
Em meio à transferência do filé mignon dos aeroportos brasileiros para as empreiteiras bem-relacionada$ com o poder, é preciso que alguma voz no governo Dilma menos contaminada por dogmas ideológicos privatizantes lembre à presidente que um dos principais problemas do setor aéreo não é público, e, sim, privado: o duopólio Gol/TAM que controla nossos céus com o padrão de qualidade e atrasos conhecidos pelos passageiros brasileiros.

TI
Segundo pesquisa do Instituto Sem Fronteiras junto a 1.140 empresas de grande e médio porte, o Brasil investirá, este ano, cerca de R$ 59,3 bilhões em TI.. Caso isso se confirme, serão 10% mais que em 2010. A Epimed, especializada em sistemas de inteligência médica para hospitais, por exemplo, faturou R$ 2,35 milhões, em 2010, e prevê crescer 60% em 2011. Para isso, prevê investir R$ 5 milhões em tecnologia da informação (TI).

Reforma verdadeira
O líder do movimento Acordar Melhor, professor Ernani Pimentel, foi ao campus da PUC-SP debater as mudanças do acordo ortográfico com alunos dos professores Luiz Antônio Ferreira e Jarbas Vargas Nascimento, este chefe do Departamento de Língua Portuguesa. Os temas abordados foram a pouca assimilação das novas regras, a necessidade de uma simplificação ortográfica que esteja de acordo com as reais necessidades do ensino do século XXI, entre outros. Muitos estudantes se comprometeram a assinar o manifesto do movimento de Pimentel, pela Internet (www.acordarmelhor.com.br)

Shopping eletrônico
A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) acaba de lançar mais uma plataforma eletrônica para oferecer às micro e às pequenas empresas do país produtos digitais para desburocratizar e baratear a vida dos pequenos negócios. Em www.acsp.com.br/servicos_eletronicos, o empresário poderá assinar eletronicamente contratos usando certificação digital e atender ao cumprimento das exigências legais  quanto à emissão de notas fiscais eletrônicas, por exemplo.

Nas nuvens
A violação de direitos bancários e pessoais de milhões de usuários do Playstation, da Sony, serve de alerta para empresas e pessoas físicas que já embarcaram ou estão prestes a embarcar na computação em nuvem, aquela em que os dados armazenadas pelo usuário ficam armazenadas na rede.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFinalmente inovadores
Próximo artigoHipotecar o futuro

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.