Problema doméstico

“Só existe apagão aéreo nos vôos domésticos. Está claro que o problema está na malha doméstica. Com a quebra da Varig, o Brasil perdeu os grandes peritos da aviação brasileira”, afirmou o advogado e economista Paulo Rabello, responsável por plano de recuperação da Varig, em depoimento na CPI da Varig, na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj). Para Rabello, o apagão aéreo começou a ser deflagrado após a quebra da empresa e pode ser resumido à falta de gestão. “Os profissionais da Varig eram altamente preparados para controlar as situações de caos”, lembrou. Paulo Rabello elaborou o Plano de Reestruturação Ampla (PRA), em meados de 2002, quando foi procurado por funcionários da Varig, preocupados com a crise financeira vivida pela empresa naquela época.

Muito além do petróleo
Contrariando o senso comum, a Venezuela tem reduzido de forma contínua o peso relativo do petróleo sobre sua economia, canalizando os dólares arrecadados com as exportações desse produto para incrementar o desenvolvimento de outros setores. Enquanto no segundo trimestre de 1999 o PIB não-petroleiro equivalia a 70,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, em 2005 avançou para 76,0%. No mesmo período, a participação do PIB petroleiro no total foi reduzida de 20,1% para 14,9%.
Segundo o Banco Central da Venezuela (BCV), no quarto trimestre de 2005 a economia daquele país cresceu 10,2%, em relação ao mesmo período do ano anterior, acumulando a nona elevação consecutiva desde o último trimestre de 2003. Em 2005, o PIB do país cresceu 9,3%.
Repetindo a performance dos oito trimestres anteriores, o crescimento país foi puxado por atividades não relacionadas ao petróleo: construção civil (28,3%), comércio (19,9%), transporte (10,6%) e indústria manufatureira (8,5%). Já o setor petroleiro avançou apenas 2,7% no mesmo período.

Desemprego cai
O crescimento tem repercutido na redução do desemprego, que, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) – congênere venezuelano do IBGE –  fechou 2005 abaixo de dois dígitos: 8,9%, dois pontos percentuais inferior a dezembro 2004. Essa redução equivaleu a geração de 266 mil vagas líquidas. Em 2005, a inflação fechou em 14,4%, contra 19,2%, em 2004. A taxa de juros real (descontada a inflação) ficou perto de zero: 14,8%.

Calote
Participantes desligados de fundos de previdência privada têm direito à correção dos valores recebidos, devido ao impacto dos planos econômicos Verão, Collor I e Collor II, semelhante ao que ocorre com as cadernetas de poupança. De acordo com a advogada da área de Direito Civil Karina Penna Neves, do escritório Innocenti Advogados Associados, essas diferenças existem em razão dos expurgos inflacionários não considerados pelas entidades financeiras e que refletem a real desvalorização da moeda no período. Têm direito antigos integrantes de planos de previdência privada que retiraram suas reservas da poupança por meio de resgate ou transferência para outro fundo), durante os planos econômicos (de 1989 a 1991).

Caixa
Nesta terça, a Comissão dos Concursados de Furnas se reúne no Clube de Engenharia, no Centro do Rio, para finalizarem um documento de manifesto, anexado a um abaixo-assinado, que será enviado ao Ministério de Minas e Energia, contra a contratação de terceirizados para vagas de concursados. Valéria Darce, da comissão, lembra que o ex-deputado Roberto Jefferson, no livro Nervos de Aço, denuncia que os contratos de terceirização em Furnas rendiam um caixa dois de R$ 3 milhões por mês.

Familiar
A PricewaterhouseCoopers incluirá o Brasil, pela primeira vez, em sua pesquisa global realizada com proprietários de empresas familiares, que irá ouvir 1,4 mil empresários e executivos de 25 países. Os desafios societários, planejamento da sucessão familiar e resolução de conflitos serão alguns dos temas a serem abordados.

Reciclada
O Pró Criança Cardíaca lança nesta terça uma linha de canetas produzidas com material reciclado. O evento vai ocorrer às 18h, no 2º piso do Shopping da Gávea, Zona Sul do Rio.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSabor dos ventos
Próximo artigoLuxo do lixo

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.