32.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Procon multa e investiga se Gol praticou fraude

Por causa da promoção “Gol a Preço de Brahma” na qual as passagens poderiam ser adquiridas por R$ 3,90 mais taxas, apenas no dia 18 de junho, a companhia aérea foi multada em R$ 3,5 milhões pela Fundação Procon por infringir o Código de Defesa do Consumidor. A punição foi consequência das reclamações de diversos consumidores que não conseguiram comprar as passagens às 21h30, mas houve vendas realizadas às 22h30. A ação foi uma parceria com a Ambev para o oferecimento de 100 bilhetes para adquisição no horário de 21h30 às 23h30.

Acontece que após solicitar esclarecimentos da Gol, o Procon concluiu que existem “indícios de abusividade”, pois nem todas as passagens foram comercializadas para o consumidor final. Em nota, o órgão informou que “verificou-se que, das 167 passagens vendidas na promoção, 78, cerca de 47% do total, foram compradas por pessoas físicas vinculadas a operadoras de turismo que atuam no mercado como agências de viagens CVC, ViajaNet, Nascente Tour, De Mochila Pronta, O Turismo, Skyteam, Arktur, ASM Viagens, Belvitur, EsferaTur, RexturAdvance”.

Outras nove passagens foram pagas por “fatura”, modalidade utilizada apenas por agências de viagens previamente cadastradas. Vender passagens a empresas neste caso ficou configurado como um desrespeito ao artigo 39, II, do CDC. O órgão também entende que a Gol deveria ter implementado medidas que assegurassem que a promoção ficasse restrita ao consumidor final, que tem sua vulnerabilidade reconhecida pela lei. A equipe de fiscalização conduzirá uma apuração mais aprofundada para ver se a Gol não praticou fraudes.

 

Analistas do Bradesco BBI recomendam Petrobras

As ações da Petrobras caíram cerca de 6% em agosto, por causa das perspectivas de desaceleração da economia mundial. Os analistas do Bradesco BBI, no entanto, continuam otimistas com as perspectivas da empresa e mantiveram a recomendação outperform, desempenho acima da média do mercado, e elevou o preço-alvo por ativo de R$ 37,00 para R$ 38,00 para 2020 – o que corresponde a um potencial de valorização de R$ 58,60% em relação ao fechamento da última segunda-feira. No relatório consta que apesar de uma inclinação negativa na curva de preços do petróleo ter impactado o desempenho da estatal, devido à desaceleração da demanda global pela commoditie, uma série de outros fatores tendem a ofuscar esse aspecto, como a desalavancagem, o crescimento da produção e a diluição dos riscos operacionais por meio de vendas de ativos e custo de capital mais baixo.

Os técnicos do banco entendem que o cenário para a petroleira é muito melhor que o de seus pares na América Latina, e que a ação opera com desconto em relação a essas empresas, de modo que é uma boa oportunidade para os investidores comprarem os papéis. No continente, a principal concorrente da Petrobras é a colombiana Ecopetrol, cujo valor de suas ações tem historicamente maior correlação com a cotação do petróleo do que a estatal brasileira. O múltiplo valor de mercado da empresa dividido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, na sigla em inglês) da Petrobras está atualmente em 4,1 vezes contra 4,4 vezes da Ecopetrol.

 

Trocar CEO faz ação subir e descer

A cotação da ação da Saraiva chegou a subir mais de 100%, mas depois tudo se transformou em perdas, e as ordinárias caíram 15,54%, para R$ 5,49, e as preferenciais desceram 7,26%, para R$ 2,30. A loucura foi corrigida, pois a única informação sobre a empresa foi a decisão de retirar Jorge Saraiva Neto da presidência da empresa e a redução do conselho de administração de seis para cinco membros. Nada sobre o que pudesse animar os investidores.

 

Eternit se volta para energia solar

A Eternit, em recuperação judicial, lançou produtos voltados para o segmento de energia solar, em linha com sua estratégia de diversificação de portfólio, depois de pesquisas dentro e fora do país para buscar tecnologias que possam ser aplicadas em novas soluções para a construção civil.

 

Via Varejo quer R$ 1,5 bi

A Via Varejo aprovou a segunda emissão pública de notas promissórias comerciais de até R$ 1,5 bi. As notas terão vigência de até 365 dias contados da data de emissão e recursos captados serão destinados à gestão ordinária dos negócios, com o refinanciamento do passivo bancário.

Artigos Relacionados

Nelson Priori (1942–2020)

Vida profissional marcada pelo jornalismo e pela luta em defesa do mercado de capitais.

Problema na Bolsa de Tóquio; sorte é que foi no feriado

Falha em hardware paralisou distribuição de informações ao mercado.

IRB é do 8% ou do 80%

Emissão de R$ 900 milhões em debêntures alavanca ações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Biden retoma restrições a viajantes que cheguem do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.