Procura por brinquedos eróticos registra crescimento na pandemia

495

Segundo levantamento feito pelo portal MercadoErotico.Org, de março a maio de 2020, o número de brinquedos eróticos vendidos no Brasil cresceu 50%. A procura foi tanta que alguns modelos estão em falta.

O mercado já vinha aquecido. Em 2019, segundo essa mesma pesquisa, o faturamento do setor erótico no Brasil ficou próximo dos R$ 2 bilhões, isso, não incluindo os negócios com filmes pornográficos.

Estudo da INTT Cosméticos, empresa do mercado erótico e sensual, mostra que a marca teve um aumento de 40% na procura por vibradores e masturbadores entre março e julho.

"Hoje as pessoas estão mais esclarecidas, não ficam com receio de entrar em uma loja de produtos eróticos pois sabem que é possível encontrar uma variedade de produtos sofisticados, então o mercado passou a ser levado a sério", explica Stephanie Seitz, diretora da INTT Cosméticos.

Espaço Publicitáriocnseg

Em março de 2015, a Hibou Monitoramento de Mercado fez uma pesquisa sobre fantasias sexuais e mundo erótico que envolve a mulher, principalmente as brasileiras. Na ocasião, a sócia da Hibou, Ana Luiza Castro, explicou que após a estreia do filme "50 Tons de Cinza" a empresa quis entender porque o interesse das mulheres havia aumentado sobre o mundo erótico. O levantamento foi realizado com 2 mil todo o país na segunda metade daquele mês.

"A pesquisa nos surpreendeu positivamente por mostrar que a mulher está cada vez mais 'liberta', por vir de uma sociedade machista". A pesquisa mostrou que 87% (livros, brinquedos, fantasias e produtos vendidos em sex shops) das mulheres consomem produtos eróticos.

Segundo ela, mulheres abaixo de 35 anos se sentem mais à vontade para falar de suas fantasias sexuais porque já vem de uma sociedade mais liberal e que todas gostaram de poder falar sobre o assunto.

Ainda segundo o estudo, 80% conversam sobre assuntos picantes e fetiches com os parceiros e amigas; 52% afirmaram que se uma fantasia sexual fosse frustrada elas seriam capazes de trair o parceiro; 33% gostariam de fazer mais sexo.

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui