Produção industrial cai 7,8% em outubro

Já em relação com setembro, a indústria caiu 0,6%.

Em outubro de 2021, a produção industrial nacional caiu 7,8% na comparação com mesmo período de 2020, na série sem ajuste sazonal, intensificando as reduções de setembro (-4%) e agosto (-0,6%). Já em relação com setembro, a indústria caiu 0,6%, na série com ajuste sazonal, quinto resultado negativo consecutivo, acumulando nesse período perda de 3,7%. No ano, a indústria acumula altas de 5,7%, no ano e, igualmente, de 5,7%, em doze meses. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal foram divulgados nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a pesquisa, na comparação com outubro de 2020, a queda aconteceu em três das quatro grandes categorias econômicas, 19 dos 26 ramos, 56 dos 79 grupos e 60,7% dos 805 produtos pesquisados. Outubro de 2021 (20 dias) teve um dia útil a menos do que igual mês do ano anterior (21).

De acordo com o estudo, entre as atividades, as principais influências negativas na indústria vieram de produtos alimentícios (-17,1%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-14,5%). Vale destacar também as contribuições negativas de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-23,4%), indústrias extrativas (-4,7%), produtos de metal (-12,5%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-16,7%), bebidas (-9,2%), couro, artigos para viagem e calçados (-19%), produtos de borracha e de material plástico (-9,5%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-16,0%), produtos têxteis (-18,7%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-12,6%), móveis (-23,2%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-22,8%) e de produtos de minerais não-metálicos (-4,7%).

Entretanto, de acordo com a pesquisa, ainda frente a outubro de 2020, entre as sete atividades em alta, outros produtos químicos (4,2%) e máquinas e equipamentos (4,1%) exerceram as maiores influências sobre a indústria. Outros impactos positivos importantes foram os de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1,4%) e de metalurgia (2,9%).

Entre as grandes categorias econômicas, frente a outubro de 2020, bens de consumo duráveis (-27,8%) assinalou, em outubro de 2021, a queda mais acentuada entre as grandes categorias econômicas. Os setores de bens de consumo semi e não-duráveis (-10,3%) e de bens intermediários (-6,3%) também mostraram resultados negativos nesse mês. A única taxa positiva entre as grandes categorias econômicas foi a de bens de capital (8,4%).

O setor de bens de consumo duráveis recuou 27,8% em outubro de 2021 frente a igual período do ano anterior, intensificando, dessa forma, as quedas de setembro (-23,2%), agosto (-17,9%) e julho (-9,7%) últimos, quando interrompeu quatro meses de taxas positivas consecutivas nesse tipo de comparação. Nesse mês, o setor foi pressionado pela redução na fabricação de automóveis (-32,5%) e de eletrodomésticos da “linha marrom” (-38,5%) e da “linha branca” (-31,7%). Vale citar também os recuos registrados pelos grupamentos de outros eletrodomésticos (-13,1%) e de móveis (-22,8%). Entretanto, o principal impacto positivo veio da maior produção de motocicletas (18,4%).

Segundo a pesquisa, a produção de bens de consumo semi e não-duráveis apontou redução de 10,3% no índice mensal de outubro de 2021, após também recuar em setembro (-5,6%), agosto (-1,2%) e julho (-1,9%), quando interrompeu quatro meses de taxas positivas consecutivas nesse tipo de comparação. O desempenho negativo nesse mês foi explicado, principalmente, pela redução observada nos grupamentos de semiduráveis (-21,5%) e de alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (-7,9%). Vale citar também os resultados negativos assinalados pelos grupamentos de não-duráveis (-8,3%) e de carburantes (-5,9%).

O setor de bens de intermediários mostrou queda de 6,3% em outubro de 2021, intensificando, dessa forma, as reduções de setembro (-3,5%) e de agosto (-1,9%). O resultado desse mês foi explicado, principalmente, pelos recuos nos produtos associados às atividades de produtos alimentícios (-26,6%), de veículos automotores, reboques e carrocerias (-20,3%), de indústrias extrativas (-4,7%), de produtos de metal (-11,4%), de produtos de borracha e de material plástico (-7,7%), de produtos têxteis (-18,4%), de produtos de minerais não-metálicos (-4,8%) e de máquinas e equipamentos (-1,5%). As pressões positivas foram registradas por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (4,3%), outros produtos químicos (4,2%), metalurgia (2,9%) e celulose, papel e produtos de papel (2,6%).

A pesquisa também cita os resultados negativos assinalados pelos grupamentos de insumos típicos para construção civil (-9,7%), que intensificou a magnitude de perda registrada no mês anterior (-4,3%), quando interrompeu quatorze meses de taxas positivas consecutivas nesse tipo de comparação; e de embalagens (-12,4%), que apontou o quinto recuo seguido na produção e o mais intenso dessa sequência.

O setor de bens de capital avançou 8,4% em outubro de 2021 frente a igual período do ano anterior, décima quarta taxa positiva consecutiva nesse tipo de comparação. Na formação do índice desse mês, o segmento foi influenciado pela expansão observada na maior parte dos grupamentos, com destaque para bens de capital para equipamentos de transporte (9,4%).

As demais taxas positivas foram as de bens de capital para construção (30,9%), agrícolas (13,7%), para energia elétrica (7,8%) e de uso misto (1,7%). Por outro lado, o único impacto negativo foi assinalado pelo subsetor de bens de capital para fins industriais (-4,8%).

Outubro-setembro

Segundo a pesquisa, a queda de 0,6% da indústria em outubro, frente ao mês anterior, alcançou três das quatro das grandes categorias econômicas e 19 dos 26 ramos pesquisados.

Entre as atividades, as influências negativas mais importantes vieram de indústrias extrativas (-8,6%) e produtos alimentícios (-4,2%), com a primeira voltando a cair após avançar 2,2% no mês anterior, quando interrompeu três resultados negativos consecutivos e que acumularam perda de 2,5%; e a segunda intensificando a redução de 3,2% em setembro.

Outras contribuições negativas vieram de máquinas e equipamentos (-4,9%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-5,6%), de produtos têxteis (-7,7%), de metalurgia (-1,9%), de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-21,6%), de produtos de madeira (-6,6%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-4,1%), de produtos de metal (-1,9%), de veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,8%) e de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-2,4%).

Entretanto, entre as sete atividades com crescimento na produção, a de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (3,7%) exerceu o principal impacto em outubro de 2021, intensificando o avanço de setembro (1%). Segundo a pesquisa, destacam-se os resultados positivos de outros produtos químicos (2,1%) e de produtos de borracha e de material plástico (1,8%).

Entre as grandes categorias econômicas, ainda em relação a setembro, bens de consumo duráveis, ao recuar 1,9%, teve a taxa negativa mais acentuada em outubro de 2021, décima queda seguida e acumulando nesse período perda de 28,3%. Os segmentos de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,2%) e de bens intermediários (-0,9%) também tiveram resultados negativos, com bens de consumo semi e não-duráveis intensificando a redução registrada em setembro (-0,2%), quando interrompeu dois meses consecutivos de crescimento na produção; e bens intermediários recuando 5,1% em oito meses consecutivos de queda.

No entanto, o setor de bens de capital (2%) apontou a única taxa positiva em outubro de 2021, eliminando parte da perda de 2,3% acumulada nos meses de agosto e setembro últimos.

Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral da indústria mostrou variação negativa de 0,7% no trimestre encerrado em outubro de 2021 frente ao nível do mês anterior e manteve a trajetória descendente iniciada em janeiro de 2021.

Entre as grandes categorias econômicas, ainda em relação ao movimento deste índice na margem, bens de consumo duráveis (-2,1%) assinalou a taxa negativa mais acentuada em outubro de 2021, permanecendo, dessa forma, com a trajetória descendente iniciada em dezembro de 2020. Os segmentos de bens intermediários (-0,6%), de bens de consumo semi e não-duráveis (-0,3%) e de bens de capital (-0,1%) também mostraram resultados negativos nesse mês. Bens intermediários marcou o oitavo mês consecutivo de queda e acumulou nesse período redução de 4,5%; bens de consumo semi e não-duráveis reverteu a variação positiva de 0,2% assinalada em setembro último; e bens de capital interrompeu a trajetória predominantemente ascendente iniciada em maio de 2021.

Categorias com alta

O índice acumulado no ano, frente a igual período do ano anterior, chegou 5,7%, com resultados positivos em quatro das quatro grandes categorias econômicas, 20 dos 26 ramos, 57 dos 79 grupos e 66,0% dos 805 produtos pesquisados.

Entre as atividades, veículos automotores, reboques e carrocerias (28,2%), máquinas e equipamentos (29,8%) e metalurgia (20,7%) exerceram as maiores influências positivas na formação da média da indústria.

Outros ramos com taxas positivas foram produtos de minerais não-metálicos (17,6%), outros produtos químicos (7%), produtos de metal (10%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (19,5%), produtos de borracha e de material plástico (8,9%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (9,2%), produtos têxteis (15,4%), produtos de madeira (14,3%), couro, artigos para viagem e calçados (11,3%), produtos diversos (15,6%), outros equipamentos de transporte (19,1%) e celulose, papel e produtos de papel (3,5%).

Porém, entre as seis atividades em queda, as principais influências foram de produtos alimentícios (-8,8%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,4%).

Entre as grandes categorias econômicas, bens de capital (34,1%) e bens de consumo duráveis (7,1%) mostraram mais dinamismo no ano. Os segmentos de bens intermediários (4,6%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (0,9%) também cresceram no ano, embora abaixo da média da indústria (5,7%).

Leia também:

Indústrias têm cenário menos negativo no 4º trimestre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vacina errada em mais de 57 mil crianças e adolescentes

Em meio à campanha de vacinação contra a Covid-19, 57,14 mil crianças e adolescentes em todo o país foram imunizados com doses para adultos...

Pandemia aumenta acesso da população a serviços bancários

Os bancos digitais aumentaram o acesso da população brasileira a produtos financeiros, com destaque para a parcela de baixa renda. Atualmente 19% dos brasileiros...

Com alta dos juros, dívida bruta deve ficar próxima de 85% do PIB

Inflação exibe cenário de disseminação dos reajustes de preços.

Últimas Notícias

Caixa registra recorde em crédito imobiliário

A Caixa Econômica Federal realizou mais de R$ 140 bilhões contratados ao longo de 2021, maior valor da história do banco, com crescimento de...

Vendas do Grupo Patrimar crescem 193,7 no 4T21

O Grupo Patrimar - construtora e incorporadora mineira que atua na baixa, média e alta renda em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e...

Vacina errada em mais de 57 mil crianças e adolescentes

Em meio à campanha de vacinação contra a Covid-19, 57,14 mil crianças e adolescentes em todo o país foram imunizados com doses para adultos...

Pandemia aumenta acesso da população a serviços bancários

Os bancos digitais aumentaram o acesso da população brasileira a produtos financeiros, com destaque para a parcela de baixa renda. Atualmente 19% dos brasileiros...

Moby fecha 2021 com crescimento de 26%

Apesar da pandemia, da crise econômica e da redução na fabricação de veículos, a Moby corretora de seguros conseguiu fechar o ano de 2021...