Produção industrial decepciona e cai após 9 altas

A indústria brasileira teve uma queda de 0,7% na produção em fevereiro, na comparação com janeiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou hoje, no Rio de Janeiro, a Pesquisa Industrial Mensal (PIM).

A retração interrompeu um período de nove altas consecutivas, em que o setor teve um crescimento de 41,9%. Mesmo assim, no acumulado em 12 meses, de março de 2020 a fevereiro de 2021, a produção apresenta recuo de 4,2%.

Quando comparado com o mesmo mês de 2020, fevereiro de 2021 teve alta de 0,4% na produção industrial. A variação positiva interanual foi a sexta seguida.

O resultado negativo de fevereiro em relação a janeiro se deu nas indústrias de bens de capital (-1,5%) e de bens de consumo (-1,1%), enquanto a de bens intermediários teve alta de 0,6%. Em 12 meses, as três categorias têm retração, com destaque para os bens de consumo, que caíram 9%.

As atividades que mais influenciaram o recuo na produção em fevereiro foram veículos automotores, reboques e carrocerias (-7,2%) e indústrias extrativas (-4,7%). Para ambas, a queda interrompeu meses consecutivos de alta, que chegam a nove no caso da indústria automobilística. Ao todo, 14 atividades industriais tiveram retração na produção em fevereiro.

No sentido oposto, 12 atividades registraram expansão na produção, com destaque para produtos químicos (3,3%) e máquinas e equipamentos (2,8%).

Segundo analistas do Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc. (MUFG), a produção industrial em março também tendeu a apresentar nova contração, refletindo as novas medidas mais rígidas de isolamento social no país para conter a pandemia do coronavírus e a escassez de insumos.

“Para os próximos meses, a demanda interna será sustentada pela retomada do auxílio emergencial, sendo compensada pelas rígidas medidas de restrição em tempos de escalada da Covid-19 no Brasil. No segundo semestre do ano, há espaço para uma recuperação mais sólida pressupondo um bom ritmo de vacinação e a melhoria gradual do mercado de trabalho. Para todo o ano, esperamos crescimento de + 3,5%, o que é uma recuperação parcial após a retração de 4,5% registrada em 2020”, diz o relatório.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Vendas porta a porta tiveram aumento de 5,5% no número de revendedores

Para 69%, maior preocupação é não conseguir prover o básico

Artigos Relacionados

Passou a boiada

Aprovado texto-base do projeto sobre licenciamento ambiental.

Ataque cibernético deixa parte dos EUA sem combustível

Alta dos preços ao consumidor também preocupa.

Entidade cobra ao Facebook indenização de meio bilhão

Instituto contesta nova política de privacidade do WhatsApp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

EUA: CPI teve variação acima do esperado

Foi o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

Latino-americanos viajam aos EUA em busca de imunização

Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos EUA a fim de receber a vacina contra a Covid-19....

Comportamento é misto na Europa nesta manhã

Nesta manhã, Paris opera em queda de 0,10%.