Produção industrial cresce 0,1%: não é nada, não é nada…

Dados da produção industrial mostram que setor continua trajetória de estagnação, com alta 0 no ano

57
Indústria (Foto: ABr/arquivo)
Indústria (foto ABr)

Na passagem de setembro para outubro, a produção industrial do país variou 0,1%, mantendo o comportamento de pouco dinamismo observado nos últimos meses, ainda mais explicitado pelos acumulados no ano e nos últimos 12 meses, ambos apresentando variação nula (0,0%).

Frente a outubro de 2022, o setor industrial assinalou avanço de 1,2% Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo IBGE.

Também observou-se, na comparação mensal, um perfil disseminado de taxas negativas entre as grandes categorias econômicas, com 3 dos 4 grandes segmentos em queda na produção.

“Entre as atividades industriais, produtos alimentícios, com o avanço de 1,6%, exerce o principal impacto positivo e acumula saldo de 3,0% desde julho último. Por outro lado, os ramos de derivados do petróleo e biocombustíveis e indústrias extrativas exercem as principais influências negativas na média do setor industrial, com os dois setores voltando a recuar, após avançarem no mês anterior”, analisa o gerente da pesquisa, André Macedo.

Espaço Publicitáriocnseg

Ele destaca ainda que, mesmo com o ligeiro saldo positivo verificado nos três últimos meses, o setor industrial ainda se encontra 1,6% abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020, e 18,1% abaixo do ponto mais elevado da série histórica, alcançado em maio de 2011.

Produção industrial mostra que emprego ajuda setor

O Mitsubishi UFJ Financial Group (MUFG) analisa que os bens não duráveis podem continuar a sofrer menos impacto, “já que a demanda doméstica tem algum apoio graças à resiliência do mercado de trabalho, conforme demonstrado pelos dados do mercado de trabalho divulgados ontem [30], com a população empregada e a massa salarial real (poder de compra da população) atingindo o nível mais alto desde 2012”.

“Por outro lado, os bens duráveis e de capital ainda podem sofrer com a política monetária restritiva e com a seletividade do crédito, devido da alta inadimplência e do alto endividamento das famílias/empresas. Além disso, o ambiente externo desafiador com a desaceleração econômica global em meio à alta taxa de juros nas economias avançadas e menor crescimento chinês continuarão a afetar as exportações”, explica o MUFG.

“Nesse cenário, mantemos nossa opinião de que o setor industrial pode continuar apresentando um desempenho mais fraco em comparação com os setores de serviços e agrícola’, conclui a instituição financeira.

Das 25 atividades investigadas na pesquisa, 14 apresentaram crescimento na produção. Além de produtos alimentícios, que avançou 1,6% e foi a principal influência positiva, outras contribuições positivas relevantes sobre o total da indústria vieram de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (3,7%) e de máquinas e equipamentos (2,4%), entre outros.

Por outro lado, entre as 11 atividades em queda, coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,4%) e indústrias extrativas (-1,1%) exerceram os principais impactos em outubro de 2023, com a primeira interrompendo três meses consecutivos de crescimento na produção, e a segunda eliminando parte do avanço de 5,9% assinalado no mês anterior.

Única taxa positiva

Entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com setembro, bens intermediários (0,9%) foi a única taxa positiva em outubro, após também avançar no mês anterior (0,6%), quando interrompeu quatro meses consecutivos de recuo na produção, período em que acumulou perda de 1,2%.

Por outro lado, o setor produtor de bens de consumo duráveis (-2,4%) teve a queda mais intensa nesse mês e marcou o segundo mês seguido de recuo na produção, acumulando nesse período redução de 6,7%.

Os segmentos de bens de capital (-1,1%) e de bens de consumo semi e não duráveis (-0,3%) também mostraram resultados negativos em outubro de 2023, com ambos apontando a segunda taxa negativa consecutiva e acumulando nesse período perdas de 3,2% e 2,1%, respectivamente.

Na comparação com outubro de 2022, houve resultados positivos em duas das quatro grandes categorias econômicas, 12 dos 25 ramos, 36 dos 80 grupos e 46,5% dos 789 produtos pesquisados. Entre as atividades, as principais influências positivas no total da indústria foram registradas por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (10,8%) e produtos alimentícios (4,3%).

“Esse resultado marcou o terceiro mês seguido de crescimento na produção, após recuar 1,2% em julho último, quando interrompeu dois meses consecutivos de resultados positivos nesse tipo de comparação. Contudo, no índice desse mês, permanece a característica de perfil disseminado de taxas negativas, alcançando 13 dos 25 ramos industriais pesquisados. Dessa forma, observa-se pelo 14º mês seguido um número maior de atividades no campo negativo para esse tipo de comparação”, destaca André.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui