Produção industrial cresce em 14 dos 15 locais em junho

Índice de média móvel trimestral, ainda na série com ajuste sazonal, mostrou queda de 1,8% no segundo trimestre.

Conjuntura / 22:43 - 11 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em junho de 2020, 14 dos 15 locais pesquisados tiveram taxas positivas na comparação com maio, na série com ajuste sazonal. Os maiores avanços foram no Amazonas (65,7%) e no Ceará (39,2%). Rio Grande do Sul (12,6%), São Paulo (10,2%) e Santa Catarina (9,1%) também mostraram expansões mais intensas do que a média nacional (8,9%). Apenas Mato Grosso (-0,4) apresentou recuo. As informações são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional.

Mas o índice de média móvel trimestral, ainda na série com ajuste sazonal, mostrou queda de 1,8% no trimestre encerrado em junho de 2020 frente ao nível do mês anterior, mantendo a trajetória predominantemente descendente iniciada em outubro de 2019.

No crescimento de 8,9% da atividade industrial na passagem de maio para junho de 2020, na série com ajuste sazonal, observa-se perfil disseminado de resultados positivos alcançando 14 dos 15 locais pesquisados. O comportamento reflete a ampliação do movimento de retorno à produção (mesmo que de forma parcial) de unidades produtivas que interromperam seus processos produtivos, por conta dos efeitos causados pela pandemia da Covid-19.

O acumulado nos últimos 12 meses, ao registrar redução de 5,6% em junho de 2020, marcou o recuo mais elevado desde dezembro de 2016 (-6,4%) e permaneceu com o aumento na intensidade de perda frente aos resultados dos meses anteriores. Em 12 dos 15 locais houve taxas negativas em junho de 2020, e dez intensificaram suas quedas frente a maio. Ceará de -8,0% para -9,7%), Espírito Santo (de -18,0% para -19,6%), Amazonas (de -4,1% para -5,4%), Rio Grande do Sul (de -7,7% para -8,9%), Pará (de 1,4% para 0,4%), Santa Catarina (de -6,6% para -7,5%) e São Paulo (de -6,0% para -6,6%) mostraram as principais perdas entre maio e junho de 2020, enquanto Mato Grosso (de -4,5% para -3,2%), Goiás (de 1,4% para 2,2%) e Pernambuco (de -4,5% para -3,9%) registraram os principais ganhos o período.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor