Programa Startout Brasil é indicado ao Prêmio da ONU

A premiação reconhece iniciativas mundiais que utilizam as TICs para o desenvolvimento sustentável.

Negócios Internacionais / 20:09 - 21 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O programa Startout Brasil concorre à 8ª edição do Prêmio da Cúpula da Sociedade da Informação (WSIS Prizes 2020) das Nações Unidas. A premiação reconhece iniciativas mundiais que utilizam as TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) para o desenvolvimento sustentável. Os vencedores serão escolhidos em votação online aberta ao público por meio do link https://bit.ly/2FD8lVz até o dia 24 de janeiro. A cerimônia de premiação será realizada durante o Fórum WSIS 2020 que ocorre entre os dias 6 e 9 de abril, em Genebra (Suíça).

Foram selecionados projetos em 18 categorias relacionadas à Agenda 2030 para o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). A iniciativa brasileira é um dos 20 projetos internacionais indicados na categoria (AL C1) – o papel dos governos e de todas as partes interessadas na promoção das TICs para o desenvolvimento.

De acordo com a analista de inovação do Sebrae, Natália Bertussi, a seleção do Startout Brasil para o prêmio demonstra um reconhecimento mundial do programa como política pública. Para ela, o grande diferencial da iniciativa é unir diversas instituições com o objetivo comum em prol da inovação, por meio do desenvolvimento das startups. O programa é correalizado pelo Sebrae, Apex-Brasil, Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Economia e Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). “Cada instituição desenvolve o seu papel, que no caso do Sebrae é preparar o empreendedor para o mercado internacional, com consultorias que ajudando-o a entender como o seu negócio se alinha ao país de destino e à internacionalização”, explicou a analista.

Lançado em 2017, o programa dá apoio à expansão de startups brasileiras para levar seus negócios aos principais centros de inovação no exterior por meio de missões internacionais. Entre os principais benefícios do programa está a oportunidade de gerar negócios para as startups no mercado internacional, favorecendo indiretamente a economia brasileira com a geração de emprego e renda no país.

Durante as imersões, as startups têm acesso, gratuitamente, à consultoria e mentoria especializada, treinamento de pitch, atividades voltadas para prospecção de clientes e investidores, entre outras. Além disso, recebem suporte e orientação para os próximos passos ao retornarem ao Brasil.

Até o momento, já foram selecionadas 145 startups para imersões em Buenos Aires, Paris, Berlim, Miami, Lisboa, Toronto, Boston e Xangai. Neste ano, o programa contará com três missões: Nova York (EUA), Bogotá (Colômbia) e Barcelona (Espanha). As inscrições para o ciclo NY estão abertas até o dia 20 de janeiro. Para participar é importante que as empresas tenham 100% da equipe dedicada ao negócio e estejam faturando, preferencialmente acima dos 500 mil, ou tenham recebido algum tipo de investimento.

Mais informações: https://www.startoutbrasil.com.br/

 

Brasil exporta 40,6 milhões de sacas de café em 2019

Relatório do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), em 2019, registra que o Brasil exportou 40,6 milhões de sacas de café, considerando a soma de café verde, solúvel e torrado & moído. O dado representa um recorde histórico das exportações do produto, assim como um aumento de 13,9% em relação ao volume total exportado em 2018. A receita cambial com as exportações de café 2019 alcançou US$ 5,1 bilhões, enquanto que o preço médio da saca foi de US$ 125,49.

"A performance das exportações de café brasileiro em 2019 apresentou um resultado dentro daquilo que nós prevíamos para o ano, com o recorde histórico de 40,6 milhões de sacas embarcadas para o mundo. Os resultados ao longo de 2019 foram, sem dúvidas, muito positivos e refletem a excelência e eficiência do agronegócio café do Brasil em atender à demanda global pelo produto. É importante observarmos também que, entre os maiores consumidores de café brasileiro, quase todos apresentaram um aumento substancial nas importações, o que foi de suma relevância para o desempenho das exportações ao longo do ano de 2019”, declara Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

Com relação às variedades embarcadas, no total do ano de 2019, o país exportou 36,6 milhões de sacas de café verde (32,6 milhões de sacas de arábica e 3,9 milhões de canéfora), o que representa um aumento de 14,8% em relação a 2018. Vale destacar que a exportação do café canéfora apresentou crescimento de 59,5%, se comparado ao ano anterior, enquanto que o arábica registrou aumento de 11% no período. Já os cafés industrializados apresentaram alta de 7%, com a exportação de 4 milhões de sacas, sendo 3,98 milhões de café solúvel e 24,4 mil de torrado & moído. Neste caso, o café solúvel teve crescimento de 6,9%, enquanto que o torrado & moído, 27,2%.

 

Inscrições para feiras internacionais de alimentos e bebidas

A Apex-Brasil em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) divulga a programação de feiras do Mapa para o primeiro semestre de 2020.

As feiras serão realizadas na África do Sul, Canadá, Coréia do Sul, Marrocos, México, Cingapura e Tailândia e oferecerão oportunidade para empresas brasileiras do setor de alimentos e bebidas apresentarem seus produtos a compradores estrangeiros de diferentes partes do mundo.

Confiram os links abaixo para os principais eventos com inscrições abertas:

EXPO ANTAD & Alimentaria 2020 (Guadalajara, México – 31/3 a 2/4): www.agricultura.gov.br/expoantad2020 (Inscrições: até 31/1)

Food and Hotel Asia 2020 (Singapura – 31/3 a 3/4): www.agricultura.gov.br/fha2020 (Inscrições: até 31/1)

SIAM 2020 (Meknes, Marrocos – 14/4 a 19/4): www.agricultura.gov.br/siam2020 (Inscrições: até 31/1)

SIAL Canadá (Montreal, Canadá – 15/4 a 17/4): www.agricultura.gov.br/sialcanada2020 (Inscrições: até 31/1)

Seoul Food and Hotel 2020 (Seul, Coreia do Sul – 19/5 a 22/5): www.agricultura.gov.br/seoulfood2020 (Inscrições: até 15/2)

SAITEX 2020 (Joanesburgo, África do Sul – 21/6 a 23/6): www.agricultura.gov.br/thaifex2020 (Inscrições até: 22/3)

THAIFEX – Anuga Asia (Bangkok, Tailândia – 26/5 a 30/5): www.agricultura.gov.br/saitex2020 (Inscrições: até 15/2)

 

Missão empresarial promove negócios entre Brasil e Índia

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em parceria com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), está organizando uma missão empresarial à Índia nos dias 27 e 28/01, por ocasião da visita do presidente da República Jair Bolsonaro a Nova Delhi.

A delegação é composta por cerca de 70 representantes de empresas brasileiras e de associações setoriais. Estarão presentes setores como alimentos e bebidas, biocombustíveis, biotecnologia e móveis, com destaque também para os segmentos de defesa, farmacêuticos, calçados e couro, casa e construção, metais e pedras preciosas, minerais, químicos, cereais, máquinas e equipamentos e serviços de TI.

A agenda da Missão inclui o seminário India-Brazil Business Forum, realizado em parceria com o governo indiano, a Confederação da Indústria Indiana (CII), Câmaras Associadas de Comércio e Indústria da Índia (Assocham) e Federação das Câmaras de Comércio e Indústria da Índia (Ficci). O evento será realizado na segunda-feira (27/01), com a presença de autoridades dos dois países, empresários e investidores brasileiros e indianos. O programa prevê ainda visitas técnicas e eventos de networking entre empresários brasileiros e estrangeiros no dia 28.

 

BNDES firma parceria com agência dinamarquesa

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, assinou memorando de entendimento com o vice-presidente da Agência de Crédito à Exportação da Dinamarca (EKF), Jan Vassard, com o objetivo de promover a cooperação entre as duas instituições. O acordo tem vigência de dois anos e poderá ser renovado por igual período.

A EKF é controlada pelo governo dinamarquês. A agência tem como principais clientes pequenas e médias empresas, embora esteja ampliando sua participação em projetos de infraestrutura em outros países, em especial no segmento de energia eólica. A EKF apoia as exportações e a internacionalização de empresas dinamarquesas, mediante a concessão de crédito e garantias, de modo a viabilizar a atividade exportadora e cobrir riscos políticos e comerciais, de acordo com informação do BNDES.

Em 2018, a EKF ajudou a Dinamarca a gerar mais de US$ 5 bilhões em receita, respondendo pela criação e manutenção de 14,6 mil empregos. A parceria firmada nesta quarta-feira pretende estreitar as relações econômicas, financeiras, industriais e comerciais entre Brasil e Dinamarca.
O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, destacou que é fundamental para o Brasil hoje dispor de diferentes parceiros internacionais. “Colaboração é a palavra-chave”, disse Montezano. Segundo ele, um dos ativos que o banco pretende compartilhar com a EKF é o conhecimento acumulado pela instituição de fomento brasileira em 67 anos de existência. Ele salientou que o sucesso do BNDES “não será mais medido pelo desembolso, mas pela quantidade de negócios atraídos para o Brasil”.

 

Contato com o colunista: pietrobelliantonio0@gmail.com

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor