Proteste: Homeoffice alavanca falhas de serviços de internet

Falhas de conexão, lentidão ou mesmo falta de sinal estão entre as principais reclamações.

Com o aumento do home office, aliado a aulas online, maior uso de sistemas de streaming e reuniões virtuais, a demanda por serviços de internet aumentou muito. No entanto, nem sempre os consumidores conseguem usar o serviço adequadamente. Falhas ou falta de conexão, instabilidade do sinal e velocidade são alguns dos problemas apontados.

Queixas como cobrança indevida ou serviço não cumprido também são frequentes. O Serviço de Defesa do Consumidor da Proteste teve um aumento de 20% dos casos atendidos sobre serviços de internet, durante a pandemia, ou seja, de março até setembro de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019. Os principais motivos de reclamação são: falha na prestação de serviço (36,2%), descumprimento de oferta (21,1%), fatura injustificada (9,1%), interrupção no fornecimento do serviço (7,3%), direito de arrependimento (4,3%), entre outros.

De acordo com dados da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), publicados no jornal Valor Econômico, de janeiro a julho foram registradas 183.807 reclamações relacionadas à banda larga, um acréscimo de 11,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

No início da pandemia, muitos consumidores adquiriram pacotes de internet com maior velocidade. O benefício, no entanto, pode não ser visível, caso o sinal seja compartilhado com muitas pessoas na mesma residência ou em situações em que o consumidor opta por um local no qual o sinal de wi-fi seja fraco. “Com o aumento de tráfego gerado pelo isolamento social, as respostas aos servidores ficaram mais demoradas, pois temos uma menor velocidade média e um aumento no tempo de resposta”, explica Daniel Alves de Barros, especialista da Proteste. “Uma boa alternativa para melhorar a conexão é achar a melhor posição da casa para instalar o roteador. Além disso, é possível usar um repetidor de sinal ou mesmo optar por roteador com maior alcance”, orienta.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) , em agosto, a internet ficou 8,51% mais cara que em julho. No mesmo intervalo do ano passado, para comparar, o aumento foi de 0,11%. Com a alta, a banda larga tornou-se um dos motivos da inflação, contribuindo com 0,05 ponto percentual para o aumento mensal de 0,24% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasil é o terceiro país que mais usa redes sociais no mundo

Brasileiro fica 3h42m por dia conectado em algum aplicativo; Sudeste é a região que mais utiliza.

Leilão do 5G pode atrasar chegada da tecnologia em 95% dos municípios

Segundo consórcio de provedores regionais, o documento privilegia operadoras de grande porte.

Site público expõe milhões de dados pessoais, CNPJs e placas

Vazamento pode ter partido de empresas de telecomunicações.

Últimas Notícias

Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

Limite de R$ 1 mil para saques entre 20 h e 6h deve dividir opiniões

Crescimento de golpes obriga BC a adotar medidas restritivas Na tentativa de evitar fraudes, o Banco Central adotou esta semana duas medidas restritivas: limite de...

Brasileiros começam a descobrir a Mesa proprietária

No Brasil o conceito ainda é desconhecido para a maioria das pessoas, mas é possível ganhar dinheiro trabalhando como trader no mercado financeiro e...