35.9 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Proteste: Homeoffice alavanca falhas de serviços de internet

Com o aumento do home office, aliado a aulas online, maior uso de sistemas de streaming e reuniões virtuais, a demanda por serviços de internet aumentou muito. No entanto, nem sempre os consumidores conseguem usar o serviço adequadamente. Falhas ou falta de conexão, instabilidade do sinal e velocidade são alguns dos problemas apontados.

Queixas como cobrança indevida ou serviço não cumprido também são frequentes. O Serviço de Defesa do Consumidor da Proteste teve um aumento de 20% dos casos atendidos sobre serviços de internet, durante a pandemia, ou seja, de março até setembro de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019. Os principais motivos de reclamação são: falha na prestação de serviço (36,2%), descumprimento de oferta (21,1%), fatura injustificada (9,1%), interrupção no fornecimento do serviço (7,3%), direito de arrependimento (4,3%), entre outros.

De acordo com dados da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), publicados no jornal Valor Econômico, de janeiro a julho foram registradas 183.807 reclamações relacionadas à banda larga, um acréscimo de 11,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

No início da pandemia, muitos consumidores adquiriram pacotes de internet com maior velocidade. O benefício, no entanto, pode não ser visível, caso o sinal seja compartilhado com muitas pessoas na mesma residência ou em situações em que o consumidor opta por um local no qual o sinal de wi-fi seja fraco. “Com o aumento de tráfego gerado pelo isolamento social, as respostas aos servidores ficaram mais demoradas, pois temos uma menor velocidade média e um aumento no tempo de resposta”, explica Daniel Alves de Barros, especialista da Proteste. “Uma boa alternativa para melhorar a conexão é achar a melhor posição da casa para instalar o roteador. Além disso, é possível usar um repetidor de sinal ou mesmo optar por roteador com maior alcance”, orienta.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) , em agosto, a internet ficou 8,51% mais cara que em julho. No mesmo intervalo do ano passado, para comparar, o aumento foi de 0,11%. Com a alta, a banda larga tornou-se um dos motivos da inflação, contribuindo com 0,05 ponto percentual para o aumento mensal de 0,24% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA).

Artigos Relacionados

Brasil está entre os 30 países que pagam mais caro pela internet

Brasil passou da 58ª para 74ª colocação.

Teles: abaixo do pico de 2014, investimento só será superado em 2025

Conectividade também se expandiu, com 17 milhões de novos acessos 4G e mais de um novo município conectado por dia, em 12 meses.

Sencinet e Versa Networks oferecem SD-WAN seguro para a AL

Integrador de telecomunicações assina acordo com líder do “Quadrante Mágico Gartner” para infraestrutura WAN Edge.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Atividade econômica está 1,9% abaixo do nível de fevereiro

Mas produção industrial e as vendas no varejo ampliado estão 2,6% e 5,2% acima dos níveis do mês.

SEG NOTÍCIAS – Caixa assume gestão dos recursos e pagamentos do Dpvat

Não há nenhuma mudança nas regras de indenização; presidente da Caixa, Pedro Guimarães, deu detalhes.

Início da vacinação no Brasil deixará mercados atentos

Discurso de Christine Lagarde, do BCE evidencia a preocupação dos formuladores de política econômica da região.

Positivismo com o início da vacinação no Brasil

Conflito de Dória com Bolsonaro aumentou ontem após o início da vacinação ter sido em São Paulo.

IBC-Br de novembro mostrou avanço de 0,59%

Com a leitura de hoje, o índice dessazonalizado permanece ainda -1,86% abaixo do nível registrado em fevereiro de 2020.