Pão de Açúcar

Esta coluna recebeu a seguinte carta da In Press – Assessoria de Comunicação do Grupo Pão de Açúcar:
“Com relação à nota publicada na coluna FATOS E COMENTÁRIOS do dia 7 último, o Grupo Pão de Açúcar gostaria de prestar os seguintes esclarecimentos:
O helicóptero Augusta 109E Power pertence à empresa Paic, holding controladora do Grupo Pão de Açúcar, de propriedade da família Diniz. Trata-se de uma empresa de capital fechado, da qual o piloto Ronaldo Ribeiro era funcionário. É infundada, portanto, a suposição do jornal de que os gastos com o helicóptero seriam do Grupo Pão de Açúcar.”
Só para esclarecer
Paic, a holding, detém 60,39% das ações ordinárias e 16,17% das preferenciais da Companhia Brasileira de Distribuição (nome oficial da Pão de Açúcar companhia aberta). Paic é uma sigla: de Pão de Açúcar S/A Indústria e Comércio.
Crise de identidade
Para o esclarecimento ser mais eficaz, a carta deveria ser dirigida ao próprio Grupo Pão de Açúcar. Pouco após o acidente, nota oficial divulgada e assinada pelo grupo, em 1º de agosto, fala entre, outras coisas, em “nossos pilotos” e “a empresa adota como política”, além de descrever as características da aeronave Augusta 109E Power.
Frota
Um professor da Faculdade de Ciências Contábeis da UFRJ e auditor de empresas ouvido por esta coluna esclarece que todo gasto não relacionado à atividade de uma companhia deve, em tese, ser lançado como despesa indedutível, sendo somada na hora de cálculo do lucro real – e do imposto a pagar. Além disso, no caso de benefício oferecido a diretor estatutário, deve ser recolhido o percentual do INSS relativo à parte da empresa e o Imposto de Renda na fonte referente ao salário indireto.
Esta coluna não questiona o caso específico da Pão de Açúcar S/A Indústria e Comércio – que provavelmente está seguindo as obrigações tributárias – mas sim as relações das empresas com todos os jatinhos e helicópteros que cruzam os ares nos finais de semana em direção a Maresias, Búzios, Angra dos Reis, Petrópolis etc. etc. Com a palavra – ainda – a Receita Federal.

Ética
Com a língua afiada como de costume, o senador Roberto Requião (PMDB-PR), em entrevista a Boris Casoy na Rede Record, no último domingo, demoliu o projeto de ética no Congresso que o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), presidente da Câmara, quer implementar. Para o senador, se Aécio quer mesmo dar uma contribuição à moralidade na política deveria incentivar os tucanos a assinar o pedido de instauração da CPI da Corrupção. “O resto é só trabalho de marqueteiro”, frisou Requião.
Pronto
Na entrevista a Boris Casoy, o senador Roberto Requião deixou transparecer que se afasta da candidatura à Presidência da República do governador de Minas Gerais, Itamar Franco. Suas principais críticas foram dirigidas aos assessores de Itamar, como Henrique Hargreaves, a quem acusou de se aproximar da Turma do Caitutu – composta pelos membros do PMDB que estão sempre próximos do governo, seja ele qual for; entre os quais estão Michel Temer, Jader Barbalho e Geddel Vieira.
Ao mesmo tempo em que se desilude com Itamar, Requião não poupa elogios a Lula, a quem parabeniza por ter aprendido mais sobre economia e política sem ter esquecido de viajar pelo interior do Brasil. Para o senador paranaense, Lula está pronto para assumir a Presidência.

Crise em debate
O decano da UFRJ, professor Carlos Lessa, também presidente do Conselho Editorial do MM, participa, amanhã, às 19h, na II Semana de Economia da Faculdade. Moraes Junior, do debate “Considerações sobre a crise brasileira”. Na ocasião, Lessa também fará a apresentação sobre seu livro “O Rio de todos os Brasis”. O evento se estende até quinta-feira, com um debate sobre “O sistema bancário brasileiro no planos econômicos”.

Epitáfio
Ainda do senador Requião, ao comentar a possível candidatura do ministro da Saúde, José Serra, à Presidência da República: “Ele é do partido do presidente e com isso seu funeral já está encomendado.”

Artigo anteriorApressadinho
Próximo artigoMóvel
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.