Pão de pobre

Alguém dúvida que, se a taxa básica de juros (Selic) voltar a subir aos cornos da lua, a regra que confisca os ganhos da caderneta de poupança quando a Selic cai abaixo de 8,5% ao ano, será alterada para impedir que a turma do andar de baixo pegue carona na farra dos afortunados do Bolsa Juros?

O novo confisco
Faz bem a presidente Dilma em enfrentar os bancos e seus porta-vozes na mídia que resistem a baixar os juros tupiniquins para níveis civilizados. A presidente deve ter certeza que, nesta cruzada, terá o apoio de, no mínimo, 95% da sociedade brasileira e uma oposição conservadora constrangida em defender o indefensável.
No entanto, faz mal a presidente Dilma ao vincular a queda dos juros ao confisco dos rendimentos da caderneta de poupança. Confisco, sim! Independentemente de que como a presidente e seus marqueteiros venham a dourar a pílula, a redução do ganho da poupança é um confisco que atinge a mais popular e tradicional das aplicações brasileiras.
Nenhuma das alegações mobilizadas para justificar a medida se mantêm de pé. A afirmação de que a preservação do rendimento anual de 6% mais TR (hoje quase residual) causaria “uma fuga dos especuladores para a poupança” é risível e crível apenas para os que ignoram o portfólio desse tipo de investidor, que prefere liquidez e ganhos elevados a qualquer restrição à livre movimentação dos seus robustos, e de origem nem sempre explicável, recursos. Haja, vista, que, em sua grande maioria, não tiveram um só centavo confiscado pelo Plano Collor, hedgeados que estavam em ativos reais, como dólar, ouro e até gado.
Outra alegação, de que haveria um desequilíbrio entre o suposto aumento dos depósitos na poupança e os 65% que obrigatoriamente os bancos têm de aplicar deste ativo no setor imobiliário, não resiste aos números. Em 25 de abril, segundo dados do Banco Central, os depósitos na caderneta somavam R$ 431,228 bilhões. Já de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), no primeiro trimestre, o financiamento da casa própria com recursos da poupança somaram R$ 17,6 bilhões, alta de 9,6% em comparação com o mesmo período do ano passado. Se anualizado, esse total chegaria a R$ 70,4 bilhões, ou 16% do estoque atual da caderneta, uma diferença de 49 pontos a menos do que o legalmente exigido, mesmo sem a mesma correção dos depósitos!
Por enfim, o argumento de que, ao se tornar um investimento mais atraente, a poupança provocaria uma desidratação dos fundos DI e de renda fixa, dificultando a rolagem da dívida pública, demonstra mais uma preocupação com os interesses dos bancos que administram, com taxas extorsivas esses fundos. Aplicação com 150 anos de existência e 98 milhões de contas, a poupança deve seu sucesso à simplicidade e a manutenção de regras estáveis, somente alteradas, em mais uma coincidência significativa, no governo de triste memória de Collor. Só então, a forma de cálculo, que garantia correção monetária mais juros de 6% ao anos, foram alteradas. Foi a partir daí que os fundos ganharam mercado em detrimento da poupança. Ou seja, foi uma ação de governo, sendo Collor presidente, que garantiu mercado a um ativo bancário. Espera-se que a presidente Dilma não entre para a história como a chefe de Executivo que, por ação de governo, venha a garantir reserva de mercado para um produto da banca, em detrimento do mais popular investimento brasileiro.
Em vez disso, Dilma poderia entrar para a história, como a presidente que estendeu ao conjunto dos poupadores, via uma caderneta especial, num massivo programa do Tesouro Direto, a possibilidade de aplicar em títulos públicos, a custos mais baratos e com remunerações crescentes conforme o período de depósito. Com isso, não só baratearia e tornaria menos turbulenta a rolagem da dívida pública, como daria acesso ao “povão” a alguns nacos da Bolsa Juros, que, apenas ano passado, provocou uma sangria de R$ 200 bilhões aos cofres públicos. É tudo uma questão de escolha, presidente.

Hotel hospital
Com inauguração prevista para a próxima segunda-feira, o Barra Day Hospital promete atendimento “classe A” para médicos e pacientes. Entre os serviços incluídos, a unidade oferecerá acesso gratuito à internet e Smart TV, TV a cabo, cardápio individualizado e cozinha contemporânea para acompanhante, além de serviço de transporte em carros executivos para pacientes. Para os médicos que realizarem cirurgias no local, o hospital terá sala de estar especial com acesso à internet, estacionamento gratuito e equipamento para teleconferências e transmissão de cirurgias em tempo real.  

Abre o olho, Dilma!
Geralmente com dificuldade de decodificar as questões macroeconômicas, o “povão” – uma das expressões prediletas do professor Carlos Lessa – já tomou conhecimento, e não gostou, do confisco da poupança perpetrado pela presidente Dilma. Basta frequentar as filas de aposentados do INSS para ver ouvir comentários indignados com a medida.

Artigo anteriorSaúde&doença
Próximo artigoSem isonomia
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...