Qual a letra da crise: V, U, L…?

Economistas debatem qual a profundidade da atual crise econômica e qual será a velocidade em que o mundo sairá dela. Há os que acreditam no gráfico em V (forte queda, seguida de rápida recuperação). Há os que apostam no U (forte queda, seguida de um tempo no fundo do poço, para posterior saída em igual velocidade). Há os que preveem uma crise em forma de L (forte queda, seguida de um bom tempo de estagnação).

Pois Nouriel Roubini, economista norte-americano, professor na Stern School of Business da Universidade de Nova York, o cenário se apresenta como um I: uma linha vertical em que os mercados financeiros e a economia real estão em forte queda.

Roubini – que ganhou o apelido pejorativo de “doutor catástrofe”, quando falava da quebra dos mercados, e reconhecimento após 2008, pois estava certo – lembra que, na Grande Depressão e na Crise de 2008, as bolsas de valores caíram 50% ou mais, os mercados de crédito congelaram, as grandes falências se seguiram, as taxas de desemprego subiram acima de 10%, e o PIB se contraiu a uma taxa anualizada de 10% ou mais. Mas tudo isso levou cerca de três anos para acontecer. Na crise atual, tudo ocorreu em três semanas.

Uma crise ainda pior que a de 1929, porém, não é uma certeza. O professor lista três pontos que são fundamentais:

Controlar a crise de saúde

Forte atuação dos governos e bancos centrais, com medidas “fora da caixa”: juros zero ou negativos, dinheiro e crédito fartos

Estímulos fiscais, inclusive “jogando dinheiro de helicóptero”, levando os déficits fiscais de 2%-3% para 10% ou mais (com a ressalva de que o déficit deve ser monetizado, ou seja, dinheiro na praça; se virarem dívida pública, os juros vão subir, e a recuperação será estancada)

Roubini elege também um trio de riscos:

Pandemias não contidas

Arsenais de política econômica insuficientes

Cisnes brancos geopolíticos (oposto aos “cisnes negros”, eventos imprevisíveis, os “brancos” são o resultado previsível de vulnerabilidades econômicas e financeiras acumuladas e erros de política)

O trio seria suficiente para levar a economia global a uma depressão persistente e a um colapso descontrolado do mercado financeiro. “Após o crash de 2008, uma resposta forte (embora atrasada) afastou a economia global do abismo. Podemos não ter tanta sorte dessa vez”, finaliza Roubini.

 

Socialismo de mercado

Com desvios de materiais médicos em troca de pagamentos 3 a 4 vezes maiores que os acordados, a China está ajudando os EUA a dar uma aula de capitalismo selvagem.

 

Turismo

O professor Bayard Boiteux lançou em sua página no Facebook a versão digital de seu novo livro: Opiniões e pensamentos de um sonhador. A obra traz artigos publicados nos últimos seis 6 anos em vários veículos que podem servir como subsídios para políticas públicas e privadas de turismo e uma série de pensamentos que podem nos ajudar a refletir sobre sentimentos como amor, amizade, felicidade, melhor idade, entre outros.

Boiteux diz que é a primeira vez que mistura num livro razão e emoção. A publicação pode ser adquirida na página da CRV Editora. Trata-se do 36º livro de Bayard, e os valores das vendas serão destinados a entidades sociais. O lançamento do livro impresso – se a quarentena do coronavírus deixar – deve acontecer no segundo semestre.

 

Gripezinha

O presidente disse que a pandemia não seria tão ruim porque estamos acostumados a doenças, porque é quente, porque nossa população é jovem. No Equador. Onde corpos estão sendo largados ou queimados nas ruas por falta de capacidade de enterrar.

 

Rápidas

Idealizado por Ediana Avelar, coordenadora de Publicidade da UVA, Campus Tijuca, profissionais e estudantes da área da comunicação terão acesso, até o final de junho, a lives dentro do projeto Media Lab Talks, produzido pelo professor Carlos Eduardo Ribeiro e apoiado pelo Laboratório de Promoção, Eventos e Live Marketing, coordenado pela professora Ana Cristina Rosado. É só acessar o canal no YouTube *** Um grupo de mais de 70 autores participa da manifestação antifascista Ato poético – Poemas pela democracia, livro lançado pela editora Oficina Raquel.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.