Quanto mais louca a festa, pior a ressaca

Tradicionalmente, o cálculo preço/lucro (PL) é um indicador de que uma bolsa de valores está sobrevalorizada ou subvalorizada, seguindo os modelos construídos por Robert Shiller. Atualmente, o índice P/l está na faixa de 29 e só foi maior em duas ocasiões: em 1929 e nos últimos dias antes do estouro da bolha das pontocom, no final da década de 1990. Larry Elliott, editor de Economia do jornal britânico The Guardian, levanta este tema em interessante artigo em que afirma que o mercado de ações caminha para um crash mais cedo ou mais tarde. “A questão é saber quão grande a bolha vai ficar antes de estourar, e quando isso ocorrerá.”

Muitos analistas acreditam que o indicador P/L é coisa do passado. Mas Elliott lista alguns sintomas que mostram que a festa está instalada em Wall Street e outros mercados mundo afora: qualquer notícia é motivo de alta das ações. Trump vai reduzir impostos? Bolsa em alta. O desemprego diminuiu? Sobem as ações. O Botafogo ganhou de 1×0 na Libertadores? Comprem, comprem. É a “exuberância irracional” ou o “efeito de manada” em ação. Mesmo sabendo que o risco já assassinou a prudência, se todos estão comprando, por que não continuar investindo em ações?

Segundo Elliott, Wall Street está sendo carregada pelas taxas de juros reais negativas e a perspectiva de cortes nos impostos. “Isso significa que os recordes nos mercados de ações continuarão a ser quebrados nos próximos meses.” Até o momento em que o jogo vira, os juros sobem, ou o déficit orçamentário dispara, ou o protecionismo – ou ainda uma combinação dos três. Depois do boom, vem a explosão.

Pode-se dizer que o mesmo está ocorrendo no Brasil? Sim e não. Os preços das ações por aqui caíram muito e mostram uma certa recuperação. Por outro lado, o otimismo aparente do mercado de ações não bate com a realidade da economia. Ajustes não podem ser descartados.

Me inclua fora dessa

A decisão do ex-ministro do Supremo Carlos Velloso de recusar o convite feito pelo presidente Michel Temer para ser ministro da Justiça teve como desculpas a pressão da família e os compromissos no escritório de advocacia.

Mas a recusa logo motivou perguntas do tipo “Quem quer entrar neste barco?”. Realmente, o ministério de Temer não é pródigo em grandes nomes – e mesmo os nem tão grandes assim preferem manter prudente distância.

Afinal, esta coluna alertou, ainda quando do início do Governo Temer, que, pelo andar da carruagem, perigava ele fazer reunião ministerial em Curitiba…

Leão modorrento

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) solicitou ao secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, o adiamento de vencimentos de tributos e das obrigações acessórias enquanto não for normalizado o acesso aos sistemas do órgão, especialmente o e-CAC, que tem apresentado lentidão desde o início desta semana.

O Conselho pede atenção especial à Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) e ao Simples Nacional, que vencem nesta segunda-feira. A guia para recolhimento do Simples Nacional só pode ser obtida por meio do sistema, que apresenta lentidão.

Ainda de acordo com o CFC, serviços como situação fiscal, pedidos de parcelamento, consulta de situação de pagamento de tributos, entre outros, que dependem do e-CAC, estão prejudicados.

Rápidas

A Previsul Seguradora fechou com uma nova agência de publicidade: a Bistrô, que será a responsável pela comunicação 360º da seguradora com seus diferentes públicos *** O prefeito de São Paulo, João Doria Jr., é o convidado da primeira reunião deste ano da Política Olho no Olho do Secovi-SP. Em reunião-almoço a ser realizada na próxima quarta-feira, a partir das 12 horas, Doria fala sobre suas ações à frente da prefeitura paulistana. O evento é exclusivo para associados e convidados *** Nesta segunda-feira, às 10h30, o relator da proposta de reforma da Previdência Social, deputado Arthur Maia (PPS-BA), se reúne com sindicalistas da Força Sindical, na Rua Rocha Pombo, 94, Liberdade, São Paulo *** A Riverbed Technology, fornecedora de soluções de infraestrutura, nomeou Rosano Moraes como vice-presidente de Vendas para a América Latina *** Nesta segunda ocorre o 4º Fórum de Comercialização de Energia 2017, no Hotel Tryp Paulista, em São Paulo. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (11) 3266-3591 ou pelo e-mail [email protected] *** Cerca de 400 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) permaneciam acampados, nesta sexta, na Avenida Paulista, em frente ao escritório da Presidência da República em São Paulo, próximo à esquina com Augusta. Eles protestam contra a paralisação nas contratações de casas do Minha Casa, Minha Vida, na faixa que atende as famílias com menor renda. O protesto é pacífico, mas, de vez em quando, eles fecham a Paulista, irritando motoristas na região e em outras próximas, que sofrem com o reflexo no trânsito.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFaz de conta
Próximo artigoCunha aprovaria

Artigos Relacionados

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis