32.4 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Quantas pessoas morreram de Covid-19 no Brasil devido à falta de coordenação no manejo da pandemia e ao negacionismo? Ou, perguntando de uma forma mais popular, quantos mortos pode-se colocar na conta de Jair Bolsonaro?

Não é uma questão fácil de responder; talvez nem tenha resposta. Mas pode-se, ao menos, comparar o resultado dessas políticas no Brasil e o que ocorreu nos demais países. A conta é estarrecedora.

Em 29 de dezembro, América Latina e Caribe ultrapassaram 500 mil mortes por Covid. Mais exatamente, 500.634. A população na região somava 653.962.000. No Brasil, eram 192.716 mortos e 212.559.000 de habitantes.

Para fazer a conta, retiramos da população e dos óbitos na América Latina e Caribe os números relativos ao Brasil. Chega-se assim a uma média de 697,6 mortos por milhão. Nas terras governadas por Bolsonaro, o índice é de 955,7 mortos por milhão. Se o Brasil tivesse sofrido a mesma média da região, teria registrado 148.281 mortes – ou 44.435 vidas salvas.

O resultado é bem mais desfavorável se comparado ao mundo, já que países populosos como China e Indonésia tiveram – ou registraram oficialmente – proporcionalmente poucos casos e mortes. Em 11 de janeiro, 17h20, nosso país registrava 203.140 mortes. O resto do planeta, 1.733.474. O índice de óbitos mundial era de 227,5 por milhão. Se o Brasil tivesse alcançado este índice, teria poupado 154.783 vidas.

Seria injusto debitar os óbitos somente na conta do Governo Federal. Governos e prefeituras agiram mais ou menos rapidamente, com mais ou menos competência. Às vésperas das eleições, prefeitos recusaram endurecer as medidas restritivas, apesar de já estar claro que o número de casos estava com aumento forte.

Mas, ao incentivar medicamentos ineficazes, menosprezar a doença e mudar 2 vezes o ministro da Saúde em plena pandemia, acabando por escolher um general sem experiência na área, Bolsonaro fica com a maior parte da responsabilidade. O número de mortos é 1,5 vezes (no caso da comparação com a região na qual o Brasil se encontra) a 5 vezes (mundo) os 30 mil que, em 1999, o então deputado Jair Bolsonaro defendeu que deveriam morrer no país.

 

Expansão no exterior

A Ambipar, de gestão ambiental, adquiriu mais uma empresa especializada em atendimento emergencial nos Estados Unidos: a Custom Environmental Services (CES). O objetivo é continuar com o plano de expansão e ampliar a atuação da empresa em âmbito mundial.

 

História no lixo

Criado por D. João VI, o Banco do Brasil faz parte da nossa História, mas para o representante de Chicago, que fez uma desgraça com o Chile, Paulo Guedes, o BB é uma p… e, por isso, deverá ser privatizado.

 

Credibilidade

A semana ainda vai pela metade, e Bolsonaro e Guedes já conseguiram gerar 10 mil novos desempregados: 5 mil na Ford e 5 mil no Banco do Brasil.

 

Sob nova administração

O Conselho Regional de Administração do Rio (CRA-RJ) está com nova diretoria executiva eleita para o biênio 2021-2022. A instituição terá como presidente o administrador Leocir Dal Pai.

Leia mais:

Mundo produziu riqueza suficiente para todos

Trump tinha razão, e essa foi sua derrota

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

Vinhos varietais de almas franco-alemãs

Sete são as cepas permitidas para levar o nome da AOC Alsace

Criatividade na pandemia portuguesa

Passeio apenas com as coleiras, sem os cachorros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.