Quase R$ 6 tri

     
          A União despendeu, de 1988 a 2009, R$ 5,7 trilhões no serviço das dívidas interna e externa, em valor atualizado, por juros, encargos e amortizações, não contadas a rolagem. O cálculo foi feito, com base em dados oficiais, pelo doutor em Economia Adriano Benayon. Ele destaca “a assustadora velocidade de crescimento desse serviço”. A elevação foi de 15% de 2007 para 2008 (R$ 280 bilhões) e de 35% de 2008 para 2009 (R$ 380 bilhões), em preços correntes.

Avalanche
Uma em cada três empresas não sabe como gerenciar os crescentes volumes de dados nas suas aplicações corporativas. É o que mostra estudo da Informatica Corporation realizado com usuários de um software de banco de dados. O problema do aumento do volume de dados é agravado por regras e políticas que exigem que tais informações permaneçam acessíveis por longos períodos. Pelo levantamento, 60% mantêm os dados por sete anos ou mais.

Resultado
Filme postado no Youtube, noves fora a vinculação entre a privatização argentina e o que seria um possível Governo José Serra, traz números impressionantes sobre o desastre neoliberal de Menen. De 36 mil km de estradas de ferro, restaram 8 mil km; 80 mil, dos 95 mil postos de trabalho no setor ferroviário, foram eliminados. Dez anos após a privatização, o Estado paga mais subsídio que antes e deve ao Bird US$ 700 milhões. O vídeo está em www.youtube.com/watch?v=mHKWoE8qyu0&feature=player_embedded

Unanimidade
Silvio Carvalho, superintendente da empresa Carvalhão, foi eleito por unanimidade presidente do Conselho Empresarial da Representação Regional da Firjan na Baixada Fluminense, Área II.

Descentralizar
O governador Sérgio Cabral inaugura nesta terça-feira, em Macaé, a 12ª delegacia regional da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja). As delegacias estão sendo implantadas com o objetivo de agilizar o atendimento a empreendedores e contadores dessas localidades. A Delegacia de Macaé funcionará no prédio da Associação Comercial e Industrial da cidade (Av. Rui Barbosa, 270/ 4º andar – Centro).

Coisa rara
Fiel ao princípio de que notícia é a narrativa de fatos extraordinários, esta coluna divide com seus leitores experiência, no mínimo, incomum, vivida nesta segunda-feira à tarde. Em viagem ao Centro do Rio, de metrô, deu-se o excepcional: o serviço funcionou! Não houve paradas foras das estações nem retirada de passageiros do carro para esperarem longos minutos por outra composição. Além disso, na ida, o ar-condicionado funcionou. Claro que, se tratando do padrão oferecida pela concessionária do Metrô Rio, nem tudo é perfeito; na volta, o ambiente no vagão era de sauna, embora as viagens tenham sido realizadas fora do horário de rush,

Fio solto
Sem muito alarde, Astrogildo Quental deixou, dia 30 passado, a Diretoria Financeira da Eletrobras. Ao contrário de Flávio Decat, que deixou a diretoria da estatal no mesmo dia, a saída de Astrogildo não era esperada. A alegação oficial é que o ex-diretor Financeiro, indicado por Sarney e muito amigo da família do presidente do Senado, irá para o setor privado. Mas ele prefere não revelar para qual empresa irá. Comparando novamente, todos sabiam que Decat vai, passado o período de quarentena, para a Celpa, do grupo Rede. Armando Casado, braço direito de Astrogildo, ocupa o cargo.

Seletivos
Quando será que o Brasil verá um ambientalista protestando contra a construção de termelétricas? Ao mesmo tempo em que buscam retardar, sob as mais diversas alegações, o funcionamento de novas hidrelétricas, esse tipo de ativista parece não se sensibilizar com a imensa poluição provocada pelas termelétricas.
     
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOs culpados
Próximo artigoO exemplo de Dakota

Artigos Relacionados

Guedes esperava muito da educação

Setor educacional prometeu, mas ainda não cumpriu.

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

Últimas Notícias

Câmara rejeita ‘PL antiterrorismo’

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira a urgência para votar o Projeto de Lei (1595/19) que cria uma polícia política que permite ao...

Programa AceleraD’Or de Mentoria entra em fase decisiva

Em fase decisiva para a escolha das 10 empresas participantes do projeto, o Programa AceleraD’Or de Mentoria, patrocinado pela D’Or Consultoria, teve repercussão positiva...

Aconseg-RJ mostra um 2022 promissor para as assessorias

Em reportagem especial da edição, os executivos confirmam a rápida resposta do setor e sua adequação aos tempos de desafios que foram superados com...

Inovação em Seguros concederá NFTs a vencedores

Uma das novidades do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros, promovido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), será a concessão...

Anbima projeta taxa de juros em 11,75% em 2022

A taxa de juros deve voltar a dois dígitos no início do próximo ano e chegar em 11,75% no mês de maio, de acordo...