Quatro em 10 consumidores estão confiantes na economia do estado

Estudo realizado em outubro mostra, ainda, aumento da confiança no emprego.

O mais recente levantamento realizado pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec-RJ), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), com consumidores do Estado do Rio mostra que os fluminenses estão mais confiantes com a manutenção do emprego e menos endividados. Com esse cenário, o Índice de Situação Presente alcançou o maior valor registrado desde o início da pesquisa (76,7%). Além disso, a confiança na economia fluminense aumentou em torno de 8 pontos percentuais, saltando de 32,1% para 40,1%.  Dessa forma, o Índice de Situação Futura também apresentou crescimento em relação ao mês anterior, no valor de 1,8 ponto percentual.

O índice geral, portanto, foi puxado por esses dois resultados e teve aumento de 2,6 pontos percentuais em relação a outubro. A melhora dos índices pode ser atribuída a um reflexo do avanço da vacinação na retomada econômica e está em sincronia com o resultado recorde obtido na pesquisa Visão do Empresário.

Na pesquisa, houve redução do número de consumidores com medo de perder o emprego: de 63,6% para 60,7%. O percentual dos que não têm medo de ficar desempregados subiu de 36,3% para 39,3%. Em relação aos próximos três meses, houve diminuição da desconfiança no emprego: de 59,7% para 56,8%. Em conjunto, o número de fluminenses confiantes passou de 40,4% para 43,2%.

Em relação à retomada econômica brasileira, houve aumento da confiança dos cidadãos: de 34,1% para 42,6%. Para 40,9%, a economia vai piorar e 16,5% acreditam na estabilização.

Questionados sobre a expectativa da retomada econômica no estado, o índice dos pessimistas apresentou leve queda: de 45,7% para 42,6%. Já o número de pessoas confiantes aumentou de 32,1% para 40,1%.

O número de fluminenses que afirmaram ter sofrido diminuição da renda familiar caiu levemente, de 57,8% (setembro) para 55,8% (outubro). Houve um pequeno aumento de pessoas que afirmaram ter aumentado a renda: de 9% para 9,9%.

Para o próximo trimestre, houve aumento do pessimismo em relação ao mês anterior: a porcentagem de fluminenses que acreditam em algum tipo de redução da renda familiar no próximo trimestre passou de 28,3% para 31,6%. Já o número de pessoas que acreditam no aumento da renda se manteve estável: de 25,2% para 24,8%.

O percentual de consumidores não endividados subiu 32,6% para 34,7%. O total de fluminenses que se declararam endividados ou muito endividados apresentou nova redução, indo de 44,9% em setembro para 42% em outubro. O percentual dos que se dizem pouco endividados apresentou leve aumento, indo de 22,5% no mês anterior para 23,3% na sondagem do mês corrente.

A inadimplência registrada é a menor desde o início do levantamento, assim como na Visão do Empresário, chegando a 44,8%.  Além disso, o índice de fluminenses pouco inadimplentes caiu de 17,9% para 15,5%. Já o número de cidadãos sem restrições teve nova alta: de 52,5% para 55,2%. Entre os que se declararam inadimplentes, o cartão de crédito segue na liderança (68,3%), seguido pelas contas de luz, gás, água, internet e telefone (41,6%), crédito pessoal (30,3%), pelo cheque especial (26,2%), além de escolas, cursos e faculdades (19,9%) e IPVA (19%).

Perguntados sobre os gastos com bens duráveis, no próximo trimestre, 29,3% dos consumidores afirmaram que devem aumentar esse tipo de consumo, aumento de 2 pontos percentuais em relação a setembro (27%). Outros 31,2% responderam que vão diminuir esses gastos, no mês anterior foram 34,3%, diminuição de 3,1 pontos percentuais. Já 39,5% responderam que irão manter esses gastos, enquanto na sondagem passada foram 38,6%.

A pesquisa contou com a participação de 484 consumidores do estado do Rio de Janeiro e teve como objetivo entender quais as expectativas dos fluminenses com relação a retomada da economia do estado do Rio e brasileira, além da percepção sobre o desemprego e renda familiar, entre outros indicadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Modelo do Santos Dumont favorece aeroportos de outros estados

Concessionária de Guarulhos pode pedir revisão de seu contrato se edital mudar.

Com alta dos juros, dívida bruta deve ficar próxima de 85% do PIB

Inflação exibe cenário de disseminação dos reajustes de preços.

Falta de doses suspende calendário de vacinação infantil

Nesta semana continua repescagem para crianças de 11 anos; estado suspende visitas a pacientes para evitar contágio por Ômicron.

Últimas Notícias

Caixa registra recorde em crédito imobiliário

A Caixa Econômica Federal realizou mais de R$ 140 bilhões contratados ao longo de 2021, maior valor da história do banco, com crescimento de...

Vendas do Grupo Patrimar crescem 193,7 no 4T21

O Grupo Patrimar - construtora e incorporadora mineira que atua na baixa, média e alta renda em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e...

Vacina errada em mais de 57 mil crianças e adolescentes

Em meio à campanha de vacinação contra a Covid-19, 57,14 mil crianças e adolescentes em todo o país foram imunizados com doses para adultos...

Pandemia aumenta acesso da população a serviços bancários

Os bancos digitais aumentaram o acesso da população brasileira a produtos financeiros, com destaque para a parcela de baixa renda. Atualmente 19% dos brasileiros...

Moby fecha 2021 com crescimento de 26%

Apesar da pandemia, da crise econômica e da redução na fabricação de veículos, a Moby corretora de seguros conseguiu fechar o ano de 2021...