Que economia, estúpido?

Eleições passam ao largo dos privilégios para os super-ricos.

Os eleitores da Califórnia aprovaram, com quase 60% dos votos, proposta que desobriga as empresas de transporte por aplicativo – tipo Uber e Lyft – de contratar seus motoristas. A vitória da economia de bicos (gig economy) foi pavimentada por US$ 200 milhões gastos em lobby pelos apps, ameaças de interrupção dos serviços e redução do número de empregados. Muitos motoristas aderiram à proposta, tanto por acreditar na suposta “liberdade” de dirigir quando quiserem, quanto pelo medo de perder seu trabalho. Usuários escolheram seus interesses pessoais, ignorando os ganhos coletivos.

O caso é um exemplo de como o debate real sobre a economia esteve ausente da campanha eleitoral norte-americana. Apesar das pesquisas indicarem que 35% dos eleitores tiveram a economia como principal fator para decisão sobre o voto – 20% optaram pela questão racial e 17%, a Covid – as eleições tocaram superficialmente nas questões que afetam o trabalhador, que viu mais uma década de perda de rendimentos frente ao capital.

Biden ou Trump, como sempre acontece no viciado e injusto sistema eleitoral norte-americano, não têm diferenças visíveis a olho nu. Não falo das atitudes midiáticas, mas do essencial, que é a manutenção da transferência de renda para um pequeno segmento em detrimento da sociedade.

 

Sem mocinho

A torcida no Brasil pró-Biden (antibolsonaristas) ou a favor de Trump (os fiéis a Bolsonaro) não deixa de parecer que alguns estão torcendo pelo tráfico para impedir a expansão da milícia…

 

Lava Jato perde outra

A CVM concluiu nesta quarta o julgamento de processos apurando se houve irregularidades em trabalhos de auditoria em demonstrações financeiras da Petrobras. Tal qual no julgamento do dia anterior, em que os dirigentes (diretores e integrantes dos conselhos de Administração e Fiscal) foram quase todos absolvidos, exceção para os réus confessos Renato Duque e Paulo Roberto Costa, o resultado foi um revés à Lava Jato.

As empresas de auditoria e os auditores foram absolvidos de quase todas as acusações. Houve apenas uma condenação, à KPMG (multa de R$ 300 mil) e um de seus sócios (R$ 150 mil) por detalhes burocráticos no desenvolvimento dos trabalhos.

O que se tem, portanto, é que os dirigentes e auditores da Petrobras não tinham como ter conhecimento do que se passava nas diretorias que negociavam propina. Igualmente, a não realização das baixas contábeis (“impairments”) não foi condenada.

Como a coluna anterior mostrou, havia uma perigosa tendência de politizar o julgamento, algo que acabou descartado. Para os lavajatistas, sobram menos argumentos para bombardear a Petrobras.

Por seu lado, a estatal sai fortalecida nos embates judiciais com acionistas que pedem indenizações por perdas causadas pelo desvio de recursos. Diferentemente dos investidores estrangeiros, com os quais a Petrobras firmou milionário acordo de indenização, os brasileiros devem sair perdendo.

 

Raio X da consultoria

O Laboratório da Consultoria escuta os consultores brasileiros para a pesquisa anual do perfil das empresas de consultoria no Brasil, referente a 2020, com o objetivo de realizar levantamento detalhado do mercado, que tem crescido nos últimos anos e que mantém perspectivas otimistas para o futuro. O formulário deve ser preenchido online e ficará disponível aqui até 10 de dezembro de 2020.

 

Doloso

Rodrigo Constantino foi demitido da Jovem Pan após comentário sobre o estupro de Mariana Ferrer. Segue, por enquanto, na Record do bispo Macedo, a quem já criticou pela “cena patética” e “populismo abjeto” (em caixa alta!) da unção de Bolsonaro. Ele se converteu? Era encosto?

 

Rápidas

A Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) recebe a candidata à prefeitura da cidade do Rio de Janeiro Clarissa Garotinho nesta sexta, às 18h. Benedita da Silva é a convidada da próxima segunda (9), às 19h *** Nesta sexta-feira, será inaugurado OBOM Atacadão, primeiro atacarejo de Guaratiba, zona oeste do Rio *** Neste fim de semana, Camila Vargas, do Espaço Fina Flor, ministrará o curso de “Bronzeamento Natural para iniciantes”. Mais informações: (21) 96426-9710 *** A nova Diretoria da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bangu será presidida por Márcio Benedito da Silva e integrada por Álvaro Alves de Oliveira Júnior, Monique Rangel Pinto Antunes Simões, Silvia Nathalia Rodrigues Cunha, Sérvulo Mendonça Pinheiro e Rafael Rodrigues Moreira da Silva.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Dívida de países pobres vai a US$ 860 bi e bate recorde em 2020

Estudo do Banco Mundial revela que alguns países chegaram a notar um aumento de 20% na dívida externa; em Angola e Moçambique, dívida aumentou...

Fome aumenta no mundo no Dia da Alimentação

No Dia Mundial da Alimentação, secretário-geral ressalta apelo à ação global para garantir segurança alimentar; mensagem sobre a data realça que cerca de 40%...

Rio Indústria apoia lei que facilita criação de novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...

Servidor pode ter recomposição de 23% do salário

“Essa medida representa um impacto de receita anual estimado em R$ 6 bilhões", diz Luiz Paulo.

Leilão de Excedentes da Cessão Onerosa terá sucesso?

Após a realização da 17ª Rodada de Licitações de Blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural no último dia 7, considerado...