Quebrada ou não, economia exibe fissuras estruturais

Há verdades no discurso do presidente de que o ‘Brasil está quebrado, chefe’.

Como já esperado, no seu primeiro dia de trabalho do ano o presidente da República, Jair Bolsonaro, estreou os holofotes com uma fala tosca: “O Brasil está quebrado, chefe”. Aí lá vem o ministro da Economia, Paulo Guedes, colocar panos quentes na questão, e os debates na mídia sobre o quão certa ou quão errada está a frase.

Neste sentido, uma coisa é certa: podemos não estar quebrados, mas a economia brasileira é um esqueleto repleto de fissuras e algumas se ampliaram. E, diante de um governo incapaz de liderar e longe de ter credibilidade, fica difícil acreditar que o quadro se modificará até 2022. Na verdade, a postura parece ser um prelúdio do discurso das eleições que veremos daqui para frente. A culpa ainda recairá sobre o PT? Talvez essa não seja mais a desculpa adequada, pois a “mídia socialista” assumirá o papel de bode expiatório.

No primeiro ano de Bolsonaro, eleito como o salvador da pátria, comemorou-se o tímido crescimento do PIB de 1,1% em 2019, algo que o Governo Temer já vinha entregando com melhor qualidade. Como sempre acontece quando se frustram as expectativas, o discurso se voltou ao futuro na linha de que hoje não está bom, mas as perspectivas… Enquanto 2020 prometia para Bolsonaro entregar resultados, o mundo se apavorava com a pandemia que acabou por atingir, em cheio, a economia brasileira. Balela, a culpa foi da mídia golpista.

A expectativa dos economistas ouvidos pelo boletim Focus do dia 8/1 é de um tombo de 4,41% no PIB brasileiro em 2020 e de um crescimento de 3,5% neste ano. A segunda perna do V deve ser mais curtinha que a primeira, na melhor das hipóteses. Até porque, a cada início de ano, tudo é mais otimista. O cenário poderia ser menos ruim se não fosse a inépcia do governo em lidar com a pandemia. Afinal, até a nossa corrida para vacinação está atrasada, o que já começa a prejudicar o desempenho da economia em 2020.

Além derrubar a economia que já vinha com a saúde fraca, a pandemia aprofundou as mazelas sociais que impedem o Brasil de dar voos maiores que os de galinha. A desigualdade é uma das grandes fissuras do esqueleto que se tornaram mais visíveis no último ano. O Brasil é o oitavo país mais desigual do planeta, segundo relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), divulgado em dezembro.

O programa de auxílio emergencial até ajudou a amenizar o problema, mas se mostrou insuficiente, e agora com o seu fim haverá uma forte queda na renda, e pessoas retornarão a ser invisíveis, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Dados de um estudo publicado pela consultoria Tendências demonstram que o rendimento dos moradores da região Norte subiu 13,1%, e da Nordeste, 8,3% em 2020. Para 2021, a expectativa é de queda de 8,5% para a renda do Norte e 8% do Nordeste.

O fim do auxílio está relacionado à tentativa de acabar com outro problema estrutural: o déficit do governo. Há tempos as contas não fecham, mais especificamente, desde 2013. De lá para cá, os resultados negativos se aprofundaram e, segundo os últimos dados do Banco Central, o setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 18,1 bilhões em novembro de 2020. Se for considerado somente o governo central, o resultado ficou negativo em R$ 20,4 bilhões, o maior déficit para o mês desde 2016. No acumulado do ano até novembro, o déficit primário soma R$ 651,113 bilhões, o equivalente a 9,58% do PIB, e a projeção do Tesouro para 2020 é de um rombo de R$ 844,2 bilhões ou 11,7% do PIB.

Vale a pena lembrar que, antes da posse, Guedes afirmava que era possível zerar o déficit do governo já no primeiro ano de mandato. Entre o possível, o impossível e o factível, as contas do governo vão piorando ano após ano e já se fala em superávit apenas para 2026 ou 2027.

Restam somente dois anos para que Bolsonaro mostre para que veio. Até o momento, sobraram discursos inflamados, incentivo ao ódio e uma gestão ineficaz, seja na pasta da economia, na saúde ou na educação. O Brasil tem graves problemas econômicos, mas está longe de quebrar como aconteceu ao final dos anos 80 e início dos 90. O risco é de que um governo quebrado também leve a economia à bancarrota.

Por Ana Borges – diretora da Compliance Comunicação.

Leia mais:

Guedes duvida do FMI, eu de Guedes

Afrouxamento monetário sem inflação é um bom sinal?

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Fim dos lixões, gestão adequada e a crise climática

Apenas 3% dos municípios do Ceará e 8% da Paraíba são atendidos por aterros sanitários.

Embaixador José Jobim homenageado

Diplomata foi assassinado pela ditadura após revelar superfaturamento em Itaipu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...