Queda anunciada

A propósito da deterioração da infra-estrutura do país – uma das vítimas de maior visibilidade da política fiscal recessiva – esta coluna volta a repetir advertência, publicada aqui em 15 de novembro do ano passado, quando uma ponte também caiu no Rio São João, em Casimiro de Abreu (RJ). Na época, executivos que fazem o percurso diário para Macaé, um dos principais pólos petrolíferos do país, contabilizaram 54 pontes e estradas vicinais prestes a desabar no Norte do Rio de Janeiro. A queda de outra ponte sobre o mesmo rio um ano depois não foi surpresa para esses executivos. No fim de 2005, eles advertiam para o fato de a BR-107, que leva ao município, ter 80% das pontes que a atravessam ameaçadas de cair.

Pára-raio
Figura honrada e de fácil trato, o ministro da Defesa, Waldir Pires, está prestes a ser despressurizado do cargo. Seus críticos atribuem a queda de Pires ao autismo que demonstra sobre a gravidade da crise que se abate sobre o tráfego aéreo do país. Embora seja inaceitável  o comandante da pasta declarar com espantosa placidez não ter sido informado por seus subordinados do sucateamento da área, o afastamento de Pires não pode encobrir que a principal responsabilidade pela deterioração de setor tão estratégico para o país está na equipe econômica e no presidente da República. Pires, a exemplo de outros ministros de Lula, como José Dirceu, vai pagar o pato por se submeter ao papel de gerente da crise provocada pelo brutal ajuste fiscal das contas públicas.

Aperitivo
O terceiro apagão da aviação em cerca de três meses, ainda que oriundo da política de arrocho fiscal de sucessivos governos, serve ainda para ilustrar as consequências mais permanentes a que está sujeito um país que abra mão de ter companhias nacionais cruzado o espaço aéreo nacional e internacional.  Situação, aliás, a que o Brasil se encontra sujeito desde que o Governo Lula assistiu de braços cruzados ao desmonte da Varig.

Micro e macro
O BNDES aprovou operação de crédito de R$ 2,25 milhões para a Viva Cred, braço do Viva Rio para oferecer microcrédito nas favelas do Rio de Janeiro e Macaé. É o quarto empréstimo à instituição para esse fim: em 1997, foram concedidos R$ 600 mil; em 1999, R$ 980 mil; e em 2001, R$ 3 milhões. A estimativa é de criação de 2,8 mil empregos e manutenção de 11,3 mil, através de 32 mil operações de microcrédito.
Números ambiciosos, já que, até agora, em quase dez anos, a Viva Cred realizou cerca de 20 mil operações. Além disso, significaria que, com pouco mais de R$ 800, seria gerado um emprego. A criação de um posto de trabalho na indústria automobilística custa R$ 170 mil; no setor de turismo, R$ 35 mil; num call center, não fica por menos de R$ 15 mil.

Bye, bye
Alfried Plöger, presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), deixará a presidência da entidade em abril do próximo ano. Será substituído pelo vice-presidente Antônio Castro, da Souza Cruz.

Mandioca
A pauta da Câmara dos Deputados prevê para esta quinta-feira a discussão e votação do parecer do deputado Nilson Mourão, relator do projeto de lei de autoria do deputado federal Aldo Rebelo que obriga adição de farinha de mandioca à farinha de trigo.

Carbono
Aspectos polêmicos e perspectivas do mercado de crédito de carbono darão o tom da conferência Mercado de Carbono, nesta quinta, no Golden Tower Hotel, em São Paulo. Segundo a advogada Sílvia Pinheiro, da Guedes & Pinheiro Consultoria Internacional, que participará dos debates, temas como o Protocolo de Kyoto, bem como a tributação dos créditos de carbono, serão abordados no evento.

Custo BB
O Banco do Brasil divulgou a segunda tabela de preços de serviços em menos de seis meses. A tarifa de manutenção da conta corrente, que, na tabela em vigor desde 14 de agosto, saía por R$ R$ 7,50, passou para R$ 8. Por um cheque devolvido, o cliente desembolsava R$ 15; a partir de 2 de janeiro, pagará 17% a mais (R$ 17,50). Pela devolução de um cheque, o Banco Central cobra dos correntistas apenas R$ 0,35 – tarifa que, aliás, não aumentou.

Artigo anteriorCampeão
Próximo artigoJabuticaba
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Brasil: 3º maior em descomissionamento offshore em 10 anos

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 1584/21 que propõe regras para o desmonte e a reciclagem de embarcações e de instalações...

Eve faz parceria para acelerar soluções de mobilidade aérea urbana

A Eve Urban Air Mobility Solutions, Inc (Eve), da Embraer, e a Skyports, companhia líder no segmento de vertiportos, anunciaram nesta segunda-feira uma parceria...

UE promete tolerância zero em relação a fraude

A Comissão Europeia vai ter “tolerância zero” em relação à fraude e às “desconformidades” na utilização dos fundos europeus por parte dos 27 Estados-membros...

Primeiros REITs da China começam a ser negociados

O primeiro lote de fundos de investimento imobiliário em infraestrutura (REITs, sigla em inglês) da China começou a ser negociado nesta segunda-feira, com cinco...

Investimento estrangeiro direto recua 20 anos no Brasil

Os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED), devido a crise da Covid-19, despencaram globalmente em 35% em 2020, ao passarem de US$ 1,5 trilhão...