28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Queda anunciada

A propósito da deterioração da infra-estrutura do país – uma das vítimas de maior visibilidade da política fiscal recessiva – esta coluna volta a repetir advertência, publicada aqui em 15 de novembro do ano passado, quando uma ponte também caiu no Rio São João, em Casimiro de Abreu (RJ). Na época, executivos que fazem o percurso diário para Macaé, um dos principais pólos petrolíferos do país, contabilizaram 54 pontes e estradas vicinais prestes a desabar no Norte do Rio de Janeiro. A queda de outra ponte sobre o mesmo rio um ano depois não foi surpresa para esses executivos. No fim de 2005, eles advertiam para o fato de a BR-107, que leva ao município, ter 80% das pontes que a atravessam ameaçadas de cair.

Pára-raio
Figura honrada e de fácil trato, o ministro da Defesa, Waldir Pires, está prestes a ser despressurizado do cargo. Seus críticos atribuem a queda de Pires ao autismo que demonstra sobre a gravidade da crise que se abate sobre o tráfego aéreo do país. Embora seja inaceitável  o comandante da pasta declarar com espantosa placidez não ter sido informado por seus subordinados do sucateamento da área, o afastamento de Pires não pode encobrir que a principal responsabilidade pela deterioração de setor tão estratégico para o país está na equipe econômica e no presidente da República. Pires, a exemplo de outros ministros de Lula, como José Dirceu, vai pagar o pato por se submeter ao papel de gerente da crise provocada pelo brutal ajuste fiscal das contas públicas.

Aperitivo
O terceiro apagão da aviação em cerca de três meses, ainda que oriundo da política de arrocho fiscal de sucessivos governos, serve ainda para ilustrar as consequências mais permanentes a que está sujeito um país que abra mão de ter companhias nacionais cruzado o espaço aéreo nacional e internacional.  Situação, aliás, a que o Brasil se encontra sujeito desde que o Governo Lula assistiu de braços cruzados ao desmonte da Varig.

Micro e macro
O BNDES aprovou operação de crédito de R$ 2,25 milhões para a Viva Cred, braço do Viva Rio para oferecer microcrédito nas favelas do Rio de Janeiro e Macaé. É o quarto empréstimo à instituição para esse fim: em 1997, foram concedidos R$ 600 mil; em 1999, R$ 980 mil; e em 2001, R$ 3 milhões. A estimativa é de criação de 2,8 mil empregos e manutenção de 11,3 mil, através de 32 mil operações de microcrédito.
Números ambiciosos, já que, até agora, em quase dez anos, a Viva Cred realizou cerca de 20 mil operações. Além disso, significaria que, com pouco mais de R$ 800, seria gerado um emprego. A criação de um posto de trabalho na indústria automobilística custa R$ 170 mil; no setor de turismo, R$ 35 mil; num call center, não fica por menos de R$ 15 mil.

Bye, bye
Alfried Plöger, presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), deixará a presidência da entidade em abril do próximo ano. Será substituído pelo vice-presidente Antônio Castro, da Souza Cruz.

Mandioca
A pauta da Câmara dos Deputados prevê para esta quinta-feira a discussão e votação do parecer do deputado Nilson Mourão, relator do projeto de lei de autoria do deputado federal Aldo Rebelo que obriga adição de farinha de mandioca à farinha de trigo.

Carbono
Aspectos polêmicos e perspectivas do mercado de crédito de carbono darão o tom da conferência Mercado de Carbono, nesta quinta, no Golden Tower Hotel, em São Paulo. Segundo a advogada Sílvia Pinheiro, da Guedes & Pinheiro Consultoria Internacional, que participará dos debates, temas como o Protocolo de Kyoto, bem como a tributação dos créditos de carbono, serão abordados no evento.

Custo BB
O Banco do Brasil divulgou a segunda tabela de preços de serviços em menos de seis meses. A tarifa de manutenção da conta corrente, que, na tabela em vigor desde 14 de agosto, saía por R$ R$ 7,50, passou para R$ 8. Por um cheque devolvido, o cliente desembolsava R$ 15; a partir de 2 de janeiro, pagará 17% a mais (R$ 17,50). Pela devolução de um cheque, o Banco Central cobra dos correntistas apenas R$ 0,35 – tarifa que, aliás, não aumentou.

Artigo anteriorCampeão
Próximo artigoJabuticaba
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.