24.5 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Queda na venda de manufaturados

É preocupante o resultado das exportações brasileiras de produtos industriais. Tanto é que a participação de bens manufaturados no total das vendas externas do país caiu de 80% no primeiro semestre de 2005 para 59% no mesmo período de 2011, segundo estudo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). Enquanto isso, parcela de produtos agrícolas e da indústria extrativa nos embarques aumentou de 20% para 41%. De acordo com o Iedi, nenhum segmento industrial foi poupado da redução em suas exportações, mas a queda maior ocorreu nos setores de alta intensidade tecnológica (de 7% para 3,5%) e média-alta (de 25% para 17%) e bem menos em baixa (de 29% para 23%) e média-baixa tecnologia (de 18% para 15%).

Superávit de US$ 15,717 bilhões
De janeiro até a terceira semana de julho, o superávit da balança comercial chega a US$ 15,717 bilhões (média diária de US$ 116,4 milhões). O resultado é 70,4% maior que o verificado no mesmo período do ano passado (média diária de US$ 68,3 milhões). Nos 135 dias úteis de 2011, a corrente de comércio somou US$ 245,489 bilhões (média diária de US$ 1,818 bilhão), com aumento de 30% sobre a média do mesmo período do ano passado (US$ 1,399 bilhão).
No acumulado do ano, as exportações alcançaram US$ 130,603 bilhões (média diária de US$ 967,4 milhões), resultado 31,8% acima do verificado no mesmo período de 2010, que teve média diária de US$ 733,8 milhões. O resultado anual acumulado das importações também está 27,9% maior em relação ao ano passado (média diária de US$ 665,5 milhões). No ano, as importações chegam a US$ 114,886 bilhões (média diária de US$ 851 milhões).

Negócios com a China
Como negociar com o mercado chinês. Este é o objetivo do seminário que será realizado no auditório do Sebrae/RJ, no Centro do Rio de Janeiro, no dia 26 de julho. Na ocasião, um representante do consulado da China no Brasil analisará o cenário econômico atual chinês. Serão apresentados, ainda, as feiras internacionais de produtos no país e o programa da missão empresarial à Canton Fair, considerada a maior feira multissetorial da China.
No ano passado, houve a participação de 23 empresários do Estado do Rio de Janeiro e três de São Paulo à Canton Fair. Foram gerados US$ 400 mil em negócios somente durante a feira. A iniciativa teve como objetivo promover o intercâmbio comercial entre empresas da China e do Brasil. O seminário é uma realização do Sebrae/RJ, em parceria com Fecomércio, Facerj e Consulado da China no Brasil. Informações e inscrições pelo 0800 570-0800.

Exportações do agronegócio
A balança comercial do agronegócio brasileiro registrou superávit de US$ 34,7 bilhões de janeiro a junho de 2011. O valor representa um crescimento de 20,5% no saldo de negócios externos do setor em relação ao mesmo período de 2010, quando o total foi de US$ 28,8 bilhões. As exportações totalizaram US$ 43,1 bilhões, o que representa elevação de 23,4% em relação ao mesmo período de 2010. As importações apresentaram variação positiva de 36,8%, no mesmo período, totalizando US$ 8,3 bilhões.

Vendas para os países árabes
As exportações brasileiras para o mundo árabe renderam US$ 6,41 bilhões no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 33% sobre o mesmo período de 2010, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira. Os números não incluem a Líbia, país em conflito civil. As principais mercadorias exportadas foram as carnes, açúcar, minérios, cereais, óleos vegetais, bens de capital, aeronaves, sementes e grãos oleaginosos e produtos de ferro e aço. Houve avanço nas vendas de todos esses itens, com destaque para o minério de ferro, trigo e óleo de soja.

Crescem importações de calçados
No primeiro semestre de 2011, as importações de calçados cresceram 50% em valores, totalizando US$ 217,3 milhões pagos pelos produtos importados de janeiro a junho deste ano, em comparação com igual período do ano anterior. O valor é resultado da compra de 19,2 milhões de pares. Este crescimento é puxado, principalmente, por países que não têm tradição como fornecedores ao Brasil. É o caso da Indonésia – cujo crescimento foi de 125% em relação ao primeiro semestre de 2010, o que corresponde à aquisição de 2,8 milhões de pares. Este ano, o Brasil pagou pelos calçados oriundos desta região US$ 47,6 milhões.

Antonio Pietrobelli
editor@exportnews.com.br

Artigos Relacionados

Indústria pede R$ 1,6 bi para Proex Equalização

A cada US$ 1 alocado no programa, são gerados US$ 25,7 em exportações de alto valor agregado

Eliminada exigência de licença para importação de 210 produtos

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex/ME) eliminou a exigência de licenças automáticas de importação para 88 produtos e...

China garante o superávit da balança comercial do Brasil

A China foi a principal fonte de contribuição para o superávit da balança comercial do Brasil, com importações de US$ 4,5 bilhões...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.