28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Queda

A participação do Brasil no comércio mundial caiu de forma acentuada, especialmente na década passada. As exportações brasileiras chegaram a representar 2,37% das vendas do Mundo em 1950; em 1968 atingiram a participação mais baixa nas últimas cinco décadas (0,83%). Na década de 80 registraram recuperação, com taxas acima de 1%, abortada pelos anos neoliberais, quando voltaram a ficar abaixo de 0,9%. No ano passado, a participação das vendas brasileiras nas exportações do Mundo ficou em 0,88%.
As importações atingiram seu pico igualmente na década de 50: em 1952 representavam 2,33% das compras mundiais. Com a política de substituição de importações, a relação caiu para abaixo de 1% e atingiu seu nível mínimo (0,60%). A desastrada abertura collorida levou as compras brasileiras novamente para mais de 1% das importações do Mundo. A desvalorização do real em 1999 contribuiu para baixar a relação para 0,88%; ano passado subiu novamente, para 0,94%.

Líder
Imaginem os leitores desta coluna se um órgão do governo – digamos, o Ministério da Saúde – decidisse fazer uma licitação para compra de milhares de lanches para serem distribuídos aos pacientes nos hospitais. Imaginem que uma comissão técnica chegasse à conclusão de que o lanche ideal seria pão de forma com presunto; e, após ouvir os representantes da Saúde nos estados, optasse por fixar, na licitação, que o presunto teria de ser da marca Sadia. Imaginem ainda que a escolha da marca foi feita por um singelo critério: é campeã de consumo e portanto seria a mais aceita pelos doentes. Um absurdo?
Agora, substitua o Ministério da Saúde pelo da Educação, acrescente a Anatel e troque o objeto da licitação – em vez de lanches, micromputadores; no lugar da Sadia (que só entrou na história porque é líder de mercado) coloque a Microsoft. Pois é, a licitação fictícia existia, só que em outra área. Os responsáveis pela concorrência tentavam se cercar de pseudo-argumentos e jargões técnicos para esconder uma licitação dirigida que, em outros setores, seria um escândalo puro e simples.

ABC
A participação do Grande ABC no Valor Adicionado do Estado de São Paulo em 1994 era de 13,89% e caiu para 9,35%, no final de 2000, ou seja, tombou 32,69%, segundo a revista Livre Mercado, que circula há 11 anos na região. A publicação, com base em dados estatísticos e análises históricas, tem afirmado que o Grande ABC sofreu sério processo de desindustrialização nas duas últimas décadas, inclusive desde o lançamento do Plano Real. Um dos dados baseia-se nas pesquisas da Target, empresa especializada em medir potencialidades de consumo de todas as localidades brasileiras: entre 1991 e 2001, o Grande ABC perdeu R$ 2,5 bilhões de Potencial de Consumo, o que equivale a toda a riqueza acumulada pelo Município de Santo André.

Promessas…
E pensar que a segurança era um dos cinco dedos do outdoor manual de FH em sua primeira campanha para a presidência.

2001
Um combate mais que tecnológico será travado no próximo dia 13 entre robôs criados por alunos da Unicamp, USP, ITA e Efei. Na Guerra dos Robôs, as máquinas combaterão umas às outras até a destruição ou a inutilização da carcaça e dos sistemas computacionais. O último dos 12 rounds só terminará com um robô de pé. Por trás da guerra, o desenvolvimento da tecnologia de robótica e mecatrônica. O ringue será montado no Teatro de Arena da Unicamp e a luta começa às 16h30m.

Custo tucano
O mercado ainda não calculou o impacto sobre o déficit público da ação do governo para evitar a vitória do grupo de Itamar Franco na convenção do PMDB.

Primeira classe
Enquanto o salário do andar de baixo desaba ladeira abaixo, os rendimentos da turma de cima vai às alturas. Nos últimos 12 meses, o salário dos executivos brasileiros subiu quase três vezes mais que a inflação do período. Segundo pesquisa do grupo Catho, os diretores de empresas tiveram reajuste de 34,8% entre maio de 2000 e maio de 2001. Com isso, seu salário médio saltou de R$ 11.148 para R$ 15.026 no período. No mesmo intervalo, os salários dos gerentes subiram 17,35%, com o salário médio indo de R$ 5.974 para R$ 7.010. Os supervisores foram contemplados com aumento de 10,51%, vendo seu salário médio subir de R$ 3.987 para R$ 4.406. Já os analistas e engenheiros tiveram reajustes salariais médios de 9,45%, o que elevou o salário médio de R$ 1.992 para R$ 2,2 mil.

Artigo anteriorEvaporou
Próximo artigoPearl Harbor
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.