‘Quem decide se povo vai viver em democracia ou ditadura são as FFAA’

“Quem decide se um povo vai viver numa democracia ou numa ditadura são as suas Forças Armadas”, afirmou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada, na manhã desta segunda-feira. Também disse que o Brasil “ainda” tem liberdade, mas que “tudo pode mudar” se a população não reconhecer o valor dos militares.

“Não tem ditadura onde as Forças Armadas não apoiam. No Brasil, temos liberdade ainda. Se nós não reconhecermos o valor desses homens e mulheres que estão lá, tudo pode mudar”, declarou o presidente.

“O pessoal parece que não enxerga o que o povo passa, pra onde querem levar o Brasil, para o socialismo. Por que sucatearam as Forças Armadas ao longo de 20 anos? Porque nós, militares, somos o último obstáculo para o socialismo”, ressaltou, e fez referência a possível eleição de Fernando Haddad (PT), seu adversário no segundo turno nas eleições de 2018.

Durante a conversa, Bolsonaro comentou a doação de oxigênio da Venezuela para Manaus, que vive uma crise com o avanço da Covid-19. “Agora se fala que a Venezuela tá fornecendo oxigênio para Manaus. A White Martins é uma empresa multinacional que está lá também. Se o Maduro quiser fornecer oxigênio para nós, vamos receber, sem problema nenhum. Agora, ele poderia dar o auxílio emergencial para o seu povo também, né?”, afirmou o mandatário.

Suas críticas foram mais longe: “O salário mínimo lá não compra nem 1 kg de arroz. Não tem mais cachorro lá, por que será? Uma peste? Comeram os cachorros todos, comeram os gatos todos. E vem uns idiotas, eu vejo aí, elogiando. ‘Ah, olha o Maduro, coração grande ele tem’. Realmente, um cara daquele tamanho, né, 200 kg, 2 metros de altura, o coração dele deve ser muito grande, nada além disso”.

 

Com informações da Metrópoles e Istoé Dinheiro

Leia mais:

Bolsonaro é acusado de tentar suborno

Amazônia em crise coloca o mundo em alerta

Artigos Relacionados

PIB fechou 2020 com queda de 4,1%, a maior em 24 anos

Apesar de o PIB ter crescido 3,2% no quarto trimestre, serviços, como os restaurantes, foram os mais afetados pela pandemia (Foto: Tomaz Silva/ABr)

Cabo eleitoral do pai pode apurar falsidade ideológica do filho?

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) continua na linha de frente das notícias pouco convincentes. A promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho - que fez...

Dólar rumo aos R$ 6 engole isenção sobre diesel e gás

Mercado eleva pressão após alta de imposto para bancos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...