Quem manda

Como diz o economista João Paulo de Almeida Magalhães, somente banqueiros e rentistas são contra à queda dos juros. Essa síntese da divisão nacional opõe uma casta restrita ao restante da nação e transforma a decisão do Banco Central de manter a taxa básica de juros engessados em 26,5% ao ano em decisão política da maior gravidade. Ao afrontar a opinião de empresários, trabalhadores, congressistas e até do vice-presidente da República, a nomenclatura do BC deixou o presidente Lula na incômoda posição de Rainha da Inglaterra que tantos constrangimentos provocou a seu antecessor FH. Por que se um candidato eleito presidente que prometeu gerar 10 milhões de empregos, distribuir renda, promover crescimento e reduzir as injustiças sociais, não manda na política monetária, afinal o que ele faz no Palácio do Planalto? Dá ordens aos contínuos?

E agora José?
A Confederação Nacional dos Bancários (CNB-CUT)  promove, amanhã, no Sindicato dos Bancários de São Paulo, debate sobre a Previdência Social, com a presença do deputado federal José Pimentel (PT-CE), relator da Comissão Especial que analisa a proposta do governo na Câmara dos Deputados. Bancário licenciado do Banco do Brasil no Ceará, Pimentel foi um dos principais colaboradores na elaboração, em 1992, do projeto da CNB/CUT para a reforma do artigo 192 da Constituição, que trata do sistema financeiro. Agora no poder, terá a oportunidade de colocar em prática suas propostas. Ou não?

Precaução
A pneumonia asiática (Sars, na sigla em inglês) felizmente ainda não aportou no Brasil, mas já conseguiu dobrar a procura pela desinfecção de ambientes, segundo uma empresa especializada, responsável pelo Sterilizer, sistema de desinfecção que elimina e dificulta a proliferação de bactérias e vírus. A procura pelo serviço já havia aumentado após o ataque terrorista de 11 de setembro, com multinacionais preocupadas com ataques com antraz. A empresa promete proteção – também para residências – por até seis meses.

Nuclear
O conselheiro do Clube de Engenharia Paulo Metri, habitual colaborador da página de Opinião do MONITOR MERCANTIL, foi nomeado diretor de Finanças e Administrativo das Indústrias Nucleares do Brasil S/A, empresa ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. A posse da nova diretoria será amanhã, às 15h, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Internacional
O banco Santander-Banespa vai destinar quase US$ 100 mil por ano no patrocínio das atividades das cátedras que a Unicamp passará a ter na Universidade de Buenos Aires (UBA) e em universidades de excelência da Espanha. O programa também prevê o funcionamento de cátedras da UBA e das universidades espanholas na instituição de Campinas, que tenta expandir o programa para Portugal e Itália, com apoio de empresas desse dois países.

“Back”
Os juros altos fizeram as contas CC-5, principal instrumento dos especuladores, terem saldo positivo em maio (US$ 23 milhões), até agora. É o dinheiro de brasileiros voltando para os ganhos fáceis no mercado financeiro. Seria mais barato para o país dar uma anistia.

Quarta-feira 13
Os escribas que se contorceram com a presença de políticos nos debates sobre juros não estranharam a presença no Brasil da vice-diretora gerente do FMI, Anne Krueger, dando palpites sobre o assunto. Coincidentemente, às vésperas da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central que manteve as taxas na estratosfera.

Decepção tardia
O ministro do Trabalho, Jacques Wagner, até 19h50 desconhecia a decisão do Copom. Informado, na Escola Superior de Guerra, por um repórter do MM, disse que esperava pelo menos o viés de baixa. Reconheceu que, a ser mantida a atual taxa de juros, o superávit primário será incapaz de manter a relação dívida pública/PIB.

Nero
Os radicais do BC tentam colocar fogo no Brasil.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPorta aberta
Próximo artigoDebate interditado

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...