Quem manda?

Diferentemente do que entendem alguns monetaristas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, não errou de tom quando cobrou, em público, do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles – “o mercado quer a queda dos juros, viu Meirelles?” – a redução para valer da Selic. Na verdade, Mantega errou foi de personagem. Deveria ter se dirigido ao chefe de Meirelles e perguntado: “Os juros vão cair, não é Lula?”

Rainhas da Inglaterra
Os conhecedores dos bastidores do poder em Brasília dizem que o ex-presidente Itamar Franco deixou de respeitar o então presidente FH depois que, após o tucano anunciar no seu programa eleitoral que a redução dos juros seria um dos principais compromissos do seu segundo mandato, o Banco Central, em seguida, elevar a taxa básica de juros (Selic). Itamar, que sempre manteve complexa relação de amor e ódio com FH, compreendeu ali que o tucano não decidia sobre os assuntos fundamentais do seu próprio governo.
Nove anos depois e apenas 48 horas após o presidente Lula anunciar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o BC reduziu a Selic em apenas 0,25, mantendo o Brasil na incômoda situação de, em tendo crescido mais apenas do que o Haiti nos últimos anos, insistir em ostentar os maiores juros reais do mundo. Poucas vezes Lula e FH estiveram tão próximos em suas impotências.

Intocáveis
Os defensores da independência do Banco Central precisam responder a uma questão da hora. Se o país discute os preços do trabalho (salários), da indústria, do comércio e dos serviços, por que não pode questionar os preços (juros) do dinheiro? Além disso, num país em que se cobra, com justa razão, transparência nas decisões de Executivo, Legislativo e Judiciário, como justificar que as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) continuem sendo verdadeiras caixas pretas, sem acesso aos votos e argumentos dos nove integrantes daquele aparelho?

Cara a tapa
Se o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, junto com seus oito capas pretas, quer se arvorar o direito de impor um teto de 3,5% ao ano ao crescimento do país, por que não retoma sua filiação ao PSDB e se candidata a presidente da República?

Soterrado
O desmonte da Estação Pinheiros do Metrô de São Paulo não atingiu apenas as sete pessoas que perderam suas vidas e suas famílias e seus amigos. Junto, soterrou o conceito de parceria público-privada (PPP), que une petistas e tucanos. Como mostrado no episódio, embora contando com recursos públicos, os beneficiários das PPPs se pretendem fora da fiscalização do Estado.

Parceiros do Sul
“O governo americano trabalha com os países membros para fortalecer laços comerciais entre a região do Mercosul e os Estados Unidos. Grupos de trabalho já foram criados nos setores agrícola, industrial, comércio eletrônico, investimento e desenvolvimento em geral. Nós avaliamos esse tipo de iniciativa comercial internacional como mutuamente benéfica, tanto para os Estados Unidos, quanto para nossos parceiros do Sul”. A declaração é da cônsul geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro, Elizabeth Martinez.
Garante ela que o “objetivo dos Estados Unidos na América (continental) é promover governos democraticamente eleitos que gerenciem nações de forma responsável, expandindo oportunidades econômicas para a população e trabalhando de forma cooperativa com seus vizinhos.”
Apesar de “democraticamente eleito”, Hugo Chávez, da Venezuela, não parece preencher, aos olhos norte-americanos, a condição de “gerenciar nações de forma responsável”.

Parabéns
Cálculos da Secretaria municipal de Turismo revelam que entre 10 mil e 20 mil pessoas passam pela Feira de Embu das Artes aos sábados, domingos e feriados ou passeiam pela cidade – que no dia 31 de janeiro completa 38 anos – de segunda a sexta-feira. A feira ocupa 36 mil m² do município e reúne mais de 600 expositores.

Presidente
O empresário Miguel Ignatios foi eleito, por unanimidade, presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB) para um mandato de três anos. Ignatios era presidente do Conselho Consultivo da entidade.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPACtóide
Próximo artigoE o salário ó….

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

#Occupy Bovespa

Um mês depois de o MST ter-se lançado na Bolsa, MTST ocupa B3, para protestar contra Bolsonaro, especulação, fome e desemprego.

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.