30.5 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Quem paga a conta

O presidente Michel Temer repetirá o expediente usado com os deputados e receberá senadores para um jantar, nesta quarta, com objetivo de garantir a aprovação do projeto que condena o Brasil a regredir social e economicamente nos próximos 20 anos. Não passou pela cabeça do peemedebista a preocupação com a contradição de defender austeridade e cortes nos gastos enquanto promove sucessivos rega-bofes com os parlamentares. Os resultados da aprovação do projeto compensam – e muito – o desgaste na imagem de responsabilidade fiscal.

Afinal, a PEC do Teto congela os gastos por duas décadas, mas deixa de fora o pagamento de juros, responsáveis por comer 45% do Orçamento da União. Utilizando a imbecil comparação com a situação de uma família endividada que gasta mais do que ganha, seria como cortar o plano de saúde e a escola particular dos filhos, mas continuar sentando o dedo no cartão de crédito.

Renovável e limpa

O Lloyd’s Register divulgou na Rio Oil and Gas, que ocorre no Rio de Janeiro, pesquisa sobre o setor de petróleo. Das 200 empresas ouvidas, 37% acreditam que os esforços para obtenção de novas tecnologias vão aumentar; 41% esperam que suas taxas médias de recuperação de campos existentes vão crescer nos próximos dois anos; 63% incluem o custo do desenvolvimento como um dos desafios para adoção de novas tecnologias, enquanto 35% apontam também incerteza sobre o retorno, e 30% reclamam da incerteza dos preços de óleo e gás.

Investimentos em tecnologias e energias limpas estão na mira dos entrevistados. “Novas medidas introduzidas recentemente no país vão contribuir para o crescimento em opções de energias alternativas e infraestruturas”, disse Alasdair Buchanan, diretor de Energia do Lloyd’s Register. “Serão essas medidas que direcionarão os investimentos em futuros projetos de energia com metas sociais e ambientais.”

Te perdoo por te bater

A selvageria perpetrada pelos torcedores corintianos no Maracanã neste domingo talvez não seja tão grave quanto a nota da diretoria do clube que inocenta seus torcedores e praticamente culpa a polícia pela agressão. O Corinthians só toca na selvageria quando fala em “40 torcedores que supostamente se envolveram em briga com policiais”, como se as imagens não bastassem.

É o mesmo clube que liderou uma campanha – com apoio de boa parte da mídia paulista, Band à frente – para liberar os 12 “pobres torcedores” presos na Bolívia, acusados de provocarem a morte de um jovem boliviano, em 2013. De volta ao Brasil, um já foi pego em briga antes de uma partida, outro foi baleado após trocar tiros com a polícia na Bahia, um terceiro, detido por suspeita de invadir o clube, um quarto foi vítima de chacina na quadra da quadrilha, digo, torcida organizada, e três foram reconhecidos entre membros que brigaram com torcedores do Vasco em Brasília.

Potência decadente

Nos últimos anos, os EUA, de forma a garantirem a manutenção da sua hegemonia nos oceanos, têm sucessivamente instigado a instabilidade no Mar do Sul da China, acusa artigo publicado no Diário do Povo, jornal do PC chinês. Uma das metas é alimentar a discórdia entre as Filipinas e a China.

No final da semana passada, o contratorpedeiro da marinha norte-americana USS Decatur entrou, sem autorização, no território chinês em torno das ilhas Xisha. A provocação coincidiu com a visita que Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, fazia à China. “A determinação em causar distúrbios”, sentencia o artigo, “apenas contribuirá para que a influência deste país (EUA) regrida de forma mais célere”.

Para todos

O mensalão do DEM, em Brasília, caminha para o mesmo destino do tucano, em Minas: a prescrição.

Rápidas

O próximo Encontro Secovi PQE, dia 28, abordará o tema “Perspectivas econômicas: como alavancar vendas e investimentos no mercado imobiliário”. Informações pelo telefone (11) 5591-1306 *** O Mercado Livre anuncia a contratação de Renato Pereira como diretor de Expansão da KPL, unidade de negócio da empresa que oferece sistemas de gestão (ERP) *** O “Cadastro da Petrobras pelo novo Plano de Negócios 2017–2022” é tema de curso no Ibef-Rio no próximo dia 9, com o instrutor Fernando Potsch. Mais informações: (21) 2217-5555 *** O professor da Universidade de Ullinois Fábio Lima conduzirá palestra sobre “Impacto dos principais distúrbios metabólicos e estratégias para maximizar a produção e saúde na fase de transição”, dia 9 de novembro, às 15h, durante o VI Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite, que ocorrerá de 8 a 10 de novembro no Centro de Eventos Plínio Arlindo de Nês, em Chapecó (SC). Detalhes: www.nucleovet.com.br *** A FGV/Ibre realiza dia 31 próximo o seminário Perspectivas 2017: Economia e Política em Momento de Mudança, no Rio de Janeiro. Inscrições: www.fgv.br/eventos *** A advogada Ana Tereza Basilio mediará nesta quinta-feira o seminário “Ação de Improbidade Administrativa e Mediação” no Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), no Rio.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.