Quem paga o pato

Quem declara Imposto de Renda com rendimento acima de 40 salários mínimos tem 42% do total de bens informados à Receita, enquanto os hiper-ricos, aqueles que recebem acima de 160 salários mínimos, possuem 21,70% do patrimônio. Estes números refletem a desigualdade do sistema tributário brasileiro, salienta Francisco Arrighi, diretor da Fradema Consultores Tributários. A renda e o patrimônio dos contribuintes não é tributada de maneira adequada, o que aumenta consideravelmente as injustiças. “No Brasil o assalariado, ou aquele que recebe rendas diretas em sua pessoa física, paga em média 50% de impostos diretos sobre tudo que consome.”

De acordo ainda com Arrighi, mesmo que uma nova fórmula de tributação não seja desenvolvida, em um novo código nacional, uma alternativa seria copiar a metodologia de outros países, simplificando os impostos e tornando o sistema arrecadatório mais eficiente. Neste método o comerciante poderia ser o agende arrecadador, como acontece nos EUA, onde se destaca preço de produto e imposto.

É valido lembrar, destaca Arrighi, que, com a intensa reação dos setores da elite, representada pelo jargão “Não vou pagar o pato”, o país segue arrecadando uma quantia desigual de impostos, onde cerca de 60% do total se dá por meio da tributação embutida no consumo da grande população, e apenas 40% incide sobre a renda e patrimônio.

 

Vilões e heróis

O glúten é um dos vilões da moda na área de alimentos. Mas os produtos sem a proteína não podem ser considerados bons por si só. Pães sem glúten têm em geral conteúdo mais alto de lipídios e ácidos graxos saturados. As massas apresentam significativamente menos açúcar e proteínas. Os biscoitos sem glúten contêm menos proteínas e mais lipídios.

Em resumo, segundo resultados de estudo apresentados na 50ª edição do Congresso Anual da Sociedade de Gastroenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica, os itens sem glúten possuem um conteúdo significativamente mais alto de energia e uma composição nutricional diferente de seus equivalentes que contêm glúten. Assim, é preciso produzir formulações especiais para atingir o mesmo conteúdo nutricional.

 

Parceria em alta

O governo chinês tem investido em estudos da biodiversidade do país. Um deles em parceria com a brasileira Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). “Peixes cavernícolas da China: morfologia e comportamento” está sendo realizado pela professora Maria Elina Bichuette, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da UFSCar em parceria com Yahui Zhao, do Institute of Zoology da Chinese Academy of Sciences (CAS), em Pequim (China), e Daphne Soares, do New Jersey Institute of Technology (NJIT), nos Estados Unidos.

A pesquisa terá duração total de um ano. A professora brasileira ficará cerca de sete meses na China desenvolvendo trabalhos de campo e coletando amostras de peixes cavernícolas e outros grupos de animais. “Os resultados serão inéditos, pois faremos coletas em áreas ainda não investigadas quanto à biodiversidade subterrânea”, ressalta Maria Elina.

 

Rápidas

O economista Roberto Troster fará palestra no 27º Congresso da Movergs, 13 de julho, no Salão Malbec do Dall’Onder Grande Hotel. Mais informações em www.movergs.com.br/congresso *** Na próxima quinta-feira, a Faculdade de Direito do IDP São Paulo realiza seminário para tratar de colaboração premiada. Entre os participantes, o procurador da República em São Paulo Rodrigo De Grandis e o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral. Informações pelo telefone (11) 2050-0195 *** A campanha de doação de agasalhos das Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo acontece até 31 de julho. Já foram arrecadados mais de 100 mil sacos de 100l de agasalhos O Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas reúne nesta quinta, das 9h às 17h, em São Paulo, especialistas para debater “Saneamento: investimento social de alto impacto”. Inscrições: http://bit.ly/saneamento2017 *** O tributarista André Mendes Moreira, professor da UFMG e sócio do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados, fará palestra no XVI Congresso de Direito Tributário em Questão, organizado pela Fundação Escola Superior de Direito Tributário em Gramado (RS) de 30 de junho a 2 de julho *** No próximo dia 30, às 9h, a advogada e psicóloga Alexandra Ullmann, especialista em Direito de Família, e a psicóloga Renata Bento, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro e perita em Vara de Família, debatem “A escuta de crianças e famílias em litígio – o laudo e o tratamento, para que servem? Uma visão interdisciplinar. A discussão faz parte da Jornada sobre Guarda Compartilhada e Alienação Parental, organizada pela SBP-RJ de 29 de junho a 1º de julho, no Leblon (Av. Ataulfo de Paiva, 135 / 18º andar). Mais informações: www.sbprj.org.br

Artigo anteriorO exemplo da China
Próximo artigoRoubo fantasma
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.