Rainha da Inglatera

A decisão do Banco Central de, em meio à mais grave crise mundial desde 1929, manter o Brasil como detentor dos juros reais mais elevados do mundo, além de amplificar os efeitos da crise aqui, lança fortes incertezas sobre a direção a ser tomada pelo país nos próximos meses. Enquanto o presidente Lula, eleito pelos brasileiros, defende o aumento dos gastos públicos e a queda dos juros, o presidente do BC, Henrique Meirelles, comporta-se como se fosse o presidente de fato, caminhando em direção oposta.
Na prática, isso significa o impeachment branco do presidente Lula, sem sequer submeter suas pretensão ao Congresso Nacional. Diante do atropelo a suas decisões, Lula tem duas opções: ou renuncia formalmente para que o país providencie um presidente eleito para enfrentar a crise com respaldo popular ou reassume o comando das ações, de fato e direito.

Presente
O governador paulista José Serra foi estrela solitária no encerramento do seminário “Crise: Rumos e Verdades”, em Curitiba, Paraná. Além de Serra, apenas o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique, atendeu à convocação feita pelo anfitrião Roberto Requião. O governador paranaense, após ressaltar divergências e convergências com as idéias defendidas por seu colega paulista, disse que não podia deixar de destacar a firmeza demonstrada por Serra ao comparecer a um evento cuja platéia não lhe era favorável. O governador paulista e postulante tucano à Presidência da República em 2010 não se fez de rogado e fez um discurso em que colocou como problema central do Brasil hoje a elevada taxa de juros.

Ausente
O governador mineiro Aécio Neves não foi a Curitiba

Partido dos Rentistas
Por que, em vez de usar as reservas para tentar destravar o crédito, o Governo Lula não faz o mais simples: baixa o juros? Com a remuneração dos títulos públicos – em sua grande maioria apropriados por operações de tesouraria do sistema financeiro – em queda, os bancos, com dinheiro queimando na mão, teriam maior predisposição para retomar os empréstimos.

Fora de controle
Obviamente, no cartelizado sistema financeiro tupiniquim, é indispensável que a medida seja seguida pela baixa expressiva nas taxas cobradas pelos bancos públicos, como já determinado e reiterado pelo presidente Lula várias vezes desde o agravamento da crise internacional. Ou será que o mandato do presidente não se estende aos bancos, mesmo quando são públicos?

Na pressão
O presidente do Ipea, Márcio Pochmann, disse que o governo só está atendendo aos pleitos do setor financeiro e das montadoras porque são setores que sabem fazer pressão.

Quem paga
Talvez para expiar a culpa após séculos de matança e exploração de indígenas, instituições européias, com o apoio da Diocese de Wurzburg, da Alemanha, patrocinaram a publicação do livro Outros 500. Construindo uma nova história, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Para os autores, a questão indígena é “supranacional”, já que a política brasileira é “etnocida, genocida e suicida”. Hoje , cerca de 700 mil índios aculturados moram em cidades, informa a revista Banco de Idéias, do Instituto Liberal.

Coisa de autor
A Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ promove, nos próximos 15, 16 e 17 de dezembro, o Fórum Livre de Direito Autoral – O Domínio do Comum, em parceria com o Ministério da Cultura (MinC) e com a Rede Universidade Nômade. O objetivo do fórum é ampliar as discussões sobre os impasses da legislação de propriedade intelectual, buscando compatibilizar a proteção legal dos direitos com o acesso à cultura, num cenário de mudanças sociais e tecnológicas que subverte as relações tradicionais com o direito autoral. As inscrições pode ser feitas pelo endereço http://forumdireitoautoral.pontaodaeco.org/.
Entre os participantes, o italiano Antonio Negri e o estadunidense Michael Hardt, autores de Império e Multidão, o ministro da Justiça, Tarso Genro, o secretário de Políticas Públicas do Minc, Célio Turino; e o coordenador-geral do Direito Autoral do Minc, Marcos Alves de Souza.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuem deve pagar
Próximo artigoPechincha

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.