Raízen conclui IPO e entra na listagem nível 2 da B3

A Raízen (ticker RAIZ4), empresa de energia, concluiu nesta quinta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A empresa, criada a partir de joint venture entre Cosan e Shell, atua na produção e comercialização de energias renováveis, açúcar e distribuição de combustíveis.

A Raízen precificou sua oferta inicial de ações a R$ 7,40 por papel na terça-feira, que movimentou R$ 6,9 bilhões, no maior IPO do ano no Brasil. A empresa inaugurou no ano passado a sua planta de biogás. O empreendimento, localizado em Guariba, em São Paulo, é uma das maiores plantas de biogás do mundo, com 21 MW de capacidade instalada.

“Temos muito orgulho de receber o time da Raízen para comemorarmos juntos um dos maiores IPOs da história da bolsa e a maior oferta em volume financeiro do aempresano. Essa é, sem dúvida, uma mensagem importante para todo o mercado: os instrumentos de captação de recursos via bolsa têm sido uma grande alternativa para financiar o crescimento das empresas e do Brasil”, comentou Finkelsztain durante a cerimônia.

“Não foi fácil chegar até aqui, nós temos uma trajetória vencedora, mas também com muitos desafios. Temos uma responsabilidade enorme, nosso papel na sociedade é muito grande, temos um negócio sustentável, do campo ao consumidor final, somos protagonistas do mercado de transição energética e vamos redefinir o futuro da energia”, disse Mussa, no discurso que antecedeu o toque de campainha.

A oferta foi realizada nos termos da ICVM 400, no segmento de listagem Nível 2 da B3, e teve coordenação dos bancos BTG Pactual (coordenador líder), Citi, Bank of America, Credit Suisse, Bradesco BBI, JP Morgan, Santander, XP Investimentos, HSBC, Safra e Scotiabank (Coordenadores da Oferta).

A cerimônia de toque de campainha foi realizada no prédio da B3, no centro de São Paulo, e contou com a presença de Gilson Finkelsztain, CEO da B3, e Ricardo Dell Aquila Mussa, CEO da Raízen, além de executivos da empresa e de suas acionistas Shell e Cosan.

Os recursos provenientes da oferta serão destinados em sua maioria à expansão de renováveis com a construção de novas plantas de Etanol de Segunda Geração e Biogás, além de investimentos em eficiência e produtividade nos parques de bioenergia, e em infraestrutura de armazenagem e logística para suportar o crescimento de volume comercializado de renováveis e açúcar.

Leia também:

B3 passa a aceitar listagem de Fiagro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,35%

Previsão é que taxa Selic suba para 8,25% ao ano até o fim de 2021.

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...

Últimas Notícias

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.

Sauditas liberam exportação de carne de unidades de Minas

De acordo com o Ministério da Agricultura, autoridades do país suspenderam o bloqueio de cinco plantas de carne bovina mineira.

Comerciários do Rio têm aumento

Já em São Paulo, emprego no comércio registra a maior alta mensal desde novembro de 2020.