Rapidez súbita

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra  (MST) denuncia que, nos últimos dias, uma onda de despejos passou a rondar acampamentos do movimentos, alguns com mais de cinco anos de ocupação, inclusive áreas em negociação com o governo federal. O MST vê  nessa investida uma tentativa da campanha de José Serra de provocar um confronto entre os sem-terra e forças policiais para desgastar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva.

Continuísmo
A elevação da taxa básica de juros para 21% ao ano, um salto superior a 16%, é melhor síntese do que um virtual governo José Serra teria a oferecer ao país. Diante da escalada do dólar, em vez de medidas duras contra os especuladores e em defesa da produção e dos salários, mais recessão. Não por acaso, o presidente FH iniciou seu governo com o Brasil como oitava economia do mundo e o entrega em 11º lugar.

Fala, Serra!
Embora tenha transformado a defesa do debate no principal mote do seu início de campanha no segundo turno, José Serra se recolheu a silêncio tumular para não comentar a nova alta dos juros. Vai ver Serra só quer debater a situação do Palmeiras no Brasileiro.

Efeitos colaterais
Principal assessor econômico de Anthony Garotinho e agora eleitor de Lula, o economista Tito Ryff disse, ao comentar a elevação do depósito compulsório sobre depósitos à vista e a prazo, que nenhum país do mundo permite que os bancos especulem com recursos de terceiros. Segundo Ryff, a medida aponta para quem realmente especula com o dólar: “Antes de controlar o câmbio, o governo deve controlar os bancos”, defende. Essa ordem de prioridade, no entanto, tem como principal corolário o encarecimento do crédito e, consequentemente, o acirramento da recessão.

Ostracismo
As insistentes tentativas do presidente FH de participar do debate eleitoral são explicáveis pela irrelevância que lhe atribuem os eleitores. Segundo o Datafolha, apenas 13% votariam no candidato apoiado por FH, contra 36% que não cometeriam tal desatino. Mais revelador, no entanto, são os 45% que se declaram olimpicamente indiferentes à posição por ele tomada.

Papel e mandioca
Não é somente na panificação que os produtores de mandioca querem elevar a participação do amido.  A fécula de mandioca substitui o amido de milho, atualmente, em mais de 90% dos papéis de impressão (na colagem interna); 40% a 60% dos sacos/sacolas de papel; e em 30% das caixas onduladas. O uso de fécula de mandioca no setor papeleiro integra o 35º Congresso e Exposição Anual de Celulose e Papel, promovida pela Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), que acontece entre começou ontem e vai até quinta-feira, no International Trade Mart – Centro Têxtil, em São Paulo (SP). A possibilidade do uso do amido de mandioca no lugar do de milho ou de batata atraiu para o segmento grandes multinacionais, como a norte-americana Cargill, que entrou nesse mercado no ano passado, tornando-se associada da Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca (Abam).

Espera
As viúvas dos 11 mortos no acidente com a plataforma P-36, que afundou em março do ano passado, continuam aguardando na Justiça uma indenização da Petrobras. A compensação pedida pelos familiares depende da comprovação de culpa da empresa. A Petrobras alega que não caberia indenização porque não houve dolo (intenção) no afundamento da plataforma, que ocorreu em março do ano passado. A única indenização que as famílias receberam até agora, segundo uma das viúvas, foi auxílio-escola para pagar a mensalidade dos filhos até 24 anos.  A Petrobras argumenta que as famílias estão recebendo pensão paga pela Petros, o fundo de pensão dos empregados da Petrobras.

Para baixo
Esta coluna descobriu, em furo de reportagem, o significado da letra “P” nas plataformas de petróleo em operação na Bacia de Campos: não se trata da inicial da Petrobras, como todos pensavam, ou abreviação de “plataforma”. Trata-se de “P” de Palace-34 e Palace-36.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais humildade
Próximo artigoCeará “lulou”

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...