Reabertura do Parque Nacional da Abolição, no Engenho Massangana

290
Montagem da exposição Jeff Alan (foto de Thaísa Gabriela Bezerra, divulgação)
Montagem da exposição Jeff Alan (foto de Thaísa Gabriela Bezerra, divulgação)

Após dois meses fechado para reparos estruturais, o Parque Nacional da Abolição, localizado no Engenho Massangana, no Cabo de Santo Agostinho, volta a receber o público nesta sexta-feira (19), quando se completam 173 anos do nascimento de Joaquim Nabuco. O equipamento cultural vinculado ao Museu do Homem do Nordeste foi incorporado ao estatuto da Fundação Joaquim Nabuco. Reabrirá a partir das 10h, com cerimônia de lançamento de livro e inauguração de duas exposições.

Como explica o diretor de Memória, Educação, Cultura e Arte da Fundaj, Mario Helio, a incorporação do Engenho Massangana ao estatuto e, posteriormente, ao regimento interno da Fundação ratifica o vínculo do espaço com a instituição, responsável pela ocupação e uso do local desde o tombamento. A medida visa reforçar o caráter museológico do Parque Nacional.

Mario Helio fará o lançamento da versão digital do livro Camões e os Lusíadas, ensaio publicado por Joaquim Nabuco em 1872 e reeditado neste ano pela Editora Massangana, da Fundaj.

A primeira exposição, trazendo no título a palavra de origem africana que originou o nome do Engenho e do rio que passa por ele, Masanganu: memórias negras promove um diálogo entre documentos históricos relacionados à vida dos escravizados da propriedade onde Nabuco cresceu e obras artísticas de importantes vozes pretas do país. A mostra exibirá, nas três salas da casa-grande do Engenho, material oriundo do acervo da Fundaj e do Museu da Abolição, com curadoria de Victor Carvalho e Henrique de Vasconcelos Cruz, além de trabalhos produzidos por artistas como Zózimo Bulbul, principal referência do cinema negro brasileiro; Marcelo D’Salete, um dos maiores nomes da literatura em quadrinhos do país; e Gê Viana, artista plástica maranhense que produz peças com colagens e arquivos sob uma perspectiva decolonial.

Espaço Publicitáriocnseg

A segunda exposição faz referência à expressão usada para descrever algo sem efetividade, cunhada no século 19 como sátira à promulgação da Lei Feijó, que proibia o tráfico de escravos, mas nunca saiu do papel. A mostra Jeff Alan: pra deixar de ser ‘pra inglês ver’ busca explicitar a relação entre memória e reconhecimento da população negra. Para levantar a questão, serão exibidas 12 obras do artista visual pernambucano Jeff Alan, que retratam importantes nomes do abolicionismo e da cultura afro-brasileira, como André Rebouças, Luís Gama, José do Patrocínio, Machado de Assis e Carolina de Jesus.

O Engenho Massangana fica na Rodovia PE-60, s/n, Cabo de Santo Agostinho. Entrada gratuita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui