Realidade à distância

‘O Brazil não conhece o Brasil / O Brasil nunca foi ao Brazil’.

Professor, engenheiro naval aposentado da Petrobras, Isaias Mazetti dá aula para pessoas das comunidades da Ilha do Governador (bairro, quase cidade, do Rio de Janeiro). E se revolta com as propostas para esta hora de escolas fechadas, fora da realidade: “Sei a situação em que vivem, participo das inúmeras ações sociais para ajuda emergencial. Sei o que passam, aí aparece um poeta falando em EAD para o nível fundamental! De qual classe social ele está falando? Das que podem pagar, as classes média e rica brasileira, que têm família estruturada, internet e infraestrutura funcionando ou a dos nossos alunos que vivem apertados, sem ar-condicionado, apenas com um celular pré-pago, com pouco volume de internet, quando têm?”

A dúvida é se quem faz as propostas desconhece a realidade da população ou faz por puro marketing. Ou ambos. O fato é que, como comentado anteriormente, as medidas adotadas de combate ao coronavírus ou para contornar as limitações impostas pelo confinamento são direcionadas às classes A e B. As classes C, D e E seguem trabalhando nos mercados, postos, motos e outros serviços que não podem parar. Onde o álcool gel é apenas uma lembrança, de pouca utilidade na prática. O Brasil parece se surpreender com a própria pobreza, tão cultivada, especialmente adubada nos últimos cinco anos.

 

Queda

A produção industrial dos Estados Unidos recuou 5,4% em março, registrando a queda mais expressiva desde fevereiro de 1946. A fila do seguro-desemprego engrossou em mais 5,25 milhões na semana passada, levando o total a 22 milhões. Os dados indicam que a recuperação da economia norte-americana será bem lenta.

 

Não votou

Por que o ministro Luís Roberto Barroso alegou motivos de foro íntimo para não votar na sessão desta quarta-feira do Supremo que deu um sossega-leão no presidente Bolsonaro?

 

Covid em Libras

Uma equipe do Programa de Pós-graduação em Tecnologia em Saúde (PPGTS) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) desenvolveu o projeto “Unidos pela Saúde”. O objetivo é levar informações sobre a Covid-19 de maneira acessível à sociedade e aos surdos.

Foi criado site com vídeos com acessibilidade, gravados em um estúdio improvisado dentro da casa de uma das alunas do projeto, que não será temporário. Continuará oferecendo informação sobre todos os assuntos relativos a saúde.

 

Lei da selva – 1

O setor de saúde dos EUA – privado, por óbvio – começa a demitir ou colocar de licença médicos e enfermeiras em plena pandemia. O motivo é que, sem sair de casa, os “clientes” estão adiando consultas, cirurgias plásticas e outros procedimentos médicos.

 

Lei da selva – 2

Com dificuldades na produção e entrega, alguns produtos de consumo estão tendo fortes aumentos no Reino Unido. Nessa hora, o mercado funciona, invocando a lei da oferta e da procura. Ou lei do enfarte e da loucura, como dizia o jornalista Joelmir Beting, falecido em 2012.

 

Nova direção

Será que Nelson Teich, o novo ministro da Saúde, vai ter peito para colocar os leitos particulares na fila de regulação, sob comando do Ministério, como fez a Espanha? Mandetta nem pensou em mexer nisso.

 

Rápidas

Nesta sexta, às 15h, Steven Levitsky, professor de Harvard e autor de Como as democracias morrem, participa de um webseminário da FGV EPPG pela plataforma Zoom. O evento terá duração de uma hora e será em inglês. Inscrições aqui *** Os sites dos bancos não estão aguentando a sobrecarga de acessos devido às medidas de isolamento e estão muio lentos *** O 2º vice-presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Sydney Sanches, receberá dois convidados para uma conversa no Instagram, nesta sexta-feira, às 12h, sobre o tema “A pandemia avança sobre a economia criativa no mundo”, no perfil @iabnacional. Participam os advogados Ricardo Castanheira, conselheiro na Representação Permanente de Portugal junto à União Europeia, e Ygor Valério, da Motion Picture Association para a América Latina *** Faleceu nesta quarta-feira José Temporão, dono do restaurante Mosteiro na rua São Bento, onde o PIB do Rio de Janeiro almoçava diariamente. As suas empadinhas de entrada eram maravilhosas. Seu filho José Gomes Temporão foi ministro da Saúde no Governo Lula.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...