Receita

Enquanto procura combater a mercantilização da profissão, o Conselho Federal de Medicina parece ter esquecido as simbióticas relações entre os grandes laboratórios e alguns (muitos) médicos. Distribuição de amostras grátis, patrocínio de congressos e até mesmo de viagens são muito mais preocupantes que colocar ou não o telefone nas redes sociais.

A culpa é dos usineiros!
A queda  de 5% no lucro da Petrobras em 2011, para “apenas” R$ 33,3 bilhões, tornou-se o mote da nova cruzada contra a empresa. A acusação da vez é que, embora auto-suficiente em petróleo, a companhia teve seu lucro reduzido, afetando os ganhos dos acionistas, por ampliar a importação de óleo, para compensar o aumento da demanda.
Para esses críticos, a Petrobras deveria era aumentar o preço da gasolina, derrubando o consumo interno e facilitando a vida dos concorrentes estrangeiros, que, de há muito, clamam que, embora produzido no Brasil, o petróleo aqui passe a seguir as cotações externas. Algo como, por exemplo, os vinhos franceses adotarem os preços extorsivos praticados pelos restaurantes de Rio e São Paulo.
Noves fora o fato de que cabe a cada investidor decidir se inclui ou não em seu portfólio ações da principal empresa do país, a importação não se deve a qualquer espécie de incapacidade da Petrobras, mas à ausência de regulação sobre o etanol, majoritariamente em mãos privadas.
Com a disparada da cotação do açúcar nos mercados futuros, os usineiros optaram por priorizar a produção de açúcar em detrimento do álcool anidro, encarecendo o uso deste como combustível. Os proprietários de carros flex trocaram, então, o álcool pela gasolina, pressionando fortemente a demanda do segundo.
Devido à elevação do consumo de gasolina, a produção de álcool hidratado – misturado à gasolina – tornou-se insuficiente para dar conta do forte aumento da procura dos motoristas. O governo viu-se obrigado a reduzir a presença do hidratado na gasolina de 25% para 20%, ampliando ainda mais a pressão sobre o fornecimento de gasolina pelas refinarias da Petrobras, empurrada a comprar no exterior o excedente necessário para abastecer a frota nacional.
Em outras palavras, a Petrobras paga por uma conta que não lhe pertence, mas aos historicamente privilegiados usineiros, que, desde o bilionário Proálcool, são fortemente devedores do Estado e da sociedade brasileiros. A presença de estrangeiros, que já detêm 25% da produção do etanol do país, agravou os movimentos especulativos com o etanol, devido a suas conexões globais e à ausência de compromissos com o Brasil, diferentemente do que ocorre com a Petrobras.

Piraí
O novo centro empresarial que a Prefeitura de Piraí (RJ) construirá próximo a Arrozal, o Business Park, já garantiu a presença do grupo InBrands, dono de algumas das principais marcas de moda do Brasil e que vai abrir 400 vagas. Esta semana foi a vez de empresários portugueses, de diversos setores, visitarem o município. Há grandes possibilidades de acertarem a instalação de unidades lá, gerando mil empregos. Piraí ganhou destaque com a gestão de Luiz Fernando Pezão, atual vice-governador do Rio de Janeiro.

Doutor celular
O mercado de serviços de saúde através de dispositivos móveis deve atingir uma receita de US$ 23 bilhões até 2017, prevê a GSMA. Com a penetração cada vez maior de smartphones e outros dispositivos conectados, além da proliferação de redes de banda larga e serviços móveis no mundo inteiro, a tecnologia terá, no futuro, uma função significativamente mais importante, tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento.

Enfim, o legado
Com a saída de Ricardo Teixeira da presidência da CBF, aproveitando a batida dos tamborins do Carnaval para reduzir o impacto da notícia, enfim, os brasileiros podem enxergar algum legado a ser deixado pela Copa 2014. No entanto, com os prováveis nomes dos substitutos, sendo o principal o notório Andrés Sanchez, ex-presidente do Corithians, a tendência é trocar seis por meia dúzia.

Qual é a Graça?
Uma pequena (e irrelevante) questão semântica cerca a nova presidente da Petrobras. Quando citada pelo nome completo, é Maria das Graças Silva Foster – mais frequentemente com a omissão do Silva. No entanto, quando é retirado o Maria das, vira Graça Foster.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Riauí”
Próximo artigoPouco além da galinha

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...