Receita mofada

A revisão para baixo na previsão de crescimento do PIB este ano – de 6,9% para 4,5% – não é o maior dos problemas do governo mexicano. Apesar do presidente daquele país, Vicente Fox, insistir em que o México continua com sólidos fundamentos econômicos, analistas internacionais começam a levantar dúvidas. O boletim Business Latin America, publicado pelo The Economist Intelligence Unit, lembra que se forem incluídos os chamados débitos de contingência – despesas governamentais em setores de óleo e eletricidade e a ajuda financeira de 1995, quando o país “quebrou” – o déficit em conta corrente sobe para algo perto de 5%, limite psicológico adotado pelo mercado. Para compensar a queda na atividade econômica e manter inalteradas as previsões de déficit primário e inflação (0,65% do PIB e 6,5% no ano, respectivamente) o neoliberal Fox adotou medida ortodoxa: corte de US$ 365 milhões nos gastos públicos. Eleito prometendo criar o “Novo México”, após sete décadas de governo pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), Fox, com apenas cinco meses no poder, já deixa nos eleitores a sensação de terem sido enganados.

Curto circuito
Da série para o presidente FH não ser surpreendido de novo. Os empregados das estatais do setor elétrico marcaram para o próximo dia 1º greve de 24 horas. A paralisação é de advertência e a categoria pode optar por greve mais prolongada caso suas propostas não sejam atendidas. Embora os eletricitários tenham entregado em abril a pauta de reivindicações à Eletrobrás e coligadas, até hoje continuam sem resposta.

Arte amazônica
O Djambbo Café inaugura, amanhã, às 20h, a exposição de Adalmir Chíxaro, cujas fotos retratam o universo dos trabalhadores braçais da Amazônia. Localizado na Rua Vinicíus de Moraes 121, em Ipanema, o Djambbo é pilotado pelo cantora lírica Ieda Alvares, ex-integrante do grupo Garganta Profunda, e pela arquiteta Nazareth Queiroz.

Chuva
O tucanato precisa encontrar um culpado melhor que São Pedro para justificar a falta de energia elétrica. Se as chuvas reduzidas diminuíram as reservas do Sudeste e Centro-Oeste, a abundância no Sul deixou aquela região com sobra de energia elétrica. Faltam linhas de transmissão para trazer a eletricidade até os principais consumidores. Ganha um doce quem adivinhar qual governo não investiu em transmissão nos últimos seis anos…

Abaixo do custo
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) julga hoje processo administrativo aberto em 97 contra a Merck S/A Indústrias Químicas e MB Bioquímica Ltda., por prática de venda abaixo do custo no mercado nacional de tubos de coleta de sangue. A denúncia partiu da Labnew Indústria e Comércio Ltda., de Campinas, empresa de capital 100% nacional, que desde 1992 luta contra práticas desleais de comércio de produtos hospitalares, inicialmente contra a Becton Dickinson (BD), líder mundial do setor médico hospitalar – que movimenta US$ 5 bilhões no mundo. A BD fez acordo com compromisso de cessação e, segundo a Labnew, saiu de cena e abriu espaço para o segundo maior produtor mundial, a Terumo Medical Corporation, aliada ao grupo farmacêutico Merck.

Registro
O pedido de impeachment apresentado pelos juristas Celso Antonio Bandeira de Mello, Dalmo Dallari, Fábio Konder Comparato, Goffredo Telles Junior e Paulo Bonavides contra o presidente FH por crime de responsabilidade foi o 15º pedido nesse sentido oferecido contra FH em quase seis anos e meio de governo. Embora a maioria governista tenha se encarregado de engavetá-los todos, para a história fica o registro de que a obra de devastação tucana não se deu sem despertar resistências.

Sem trunfos
O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) disse ontem que não tem a lista em papel com os votos secretos dos senadores, mas que guardou as informações na memória. Ele tenta manter o suspense sobre o conteúdo e disse que divulgará os votos apenas “no momento apropriado”. Apesar de negar que tenha feito a insinuação de que o presidente Fernando Henrique Cardoso teve acesso à lista, ACM voltou a fazer referência ao assunto deixando uma dúvida no ar. “Como é que eu posso saber se ele leu a lista? Mas eu acho que ele leu a lista sim.” A sensação no Congresso é que, na hora H, ACM está sem “garrafas vazias para vender” – ou, se as tem, não encontrou ânimo para fazê-lo agora.

Artigo anteriorFuturo interditado
Próximo artigoFragilidade
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.