Recessão agravada por Temer golpeia Previdência

A despesa da Previdência se manteve praticamente constante em termos do PIB entre 2005 (6,7%) e 2014 (6,8%), oscilando entre 6,4% e 6,9%, sendo...

A despesa da Previdência se manteve praticamente constante em termos do PIB entre 2005 (6,7%) e 2014 (6,8%), oscilando entre 6,4% e 6,9%, sendo que os valores menores estavam claramente associados a um crescimento maior do PIB. Foi a partir de 2015 que houve aumento proporcional da despesa em relação ao PIB, indo para 7,3% em 2015 e alcançando 8,4% em 2017. “Esse fator é claramente conjuntural, decorrente da queda do denominador (PIB), que teve crescimento real negativo em dois anos consecutivos (2015 e 2016) e um crescimento baixo em 2017”, afirmam, em artigo, o ex-ministro da Previdência Social Carlos Gabas e a professora do Instituto de Economia da UFRJ e ex-secretária de Orçamento Federal Esther Dweck. A análise de ambos confirma o estudo feito pelo professor Dercio Munhoz, publicado nesta coluna.

Pelo lado da receita, ao contrário, entre 2003 a 2014 houve um crescimento ininterrupto (considerando a compensação pelo Tesouro da desoneração da folha) passando de 4,7% do PIB para 5,8%, e caindo desde então, prosseguem Gabas e Esther, desmontando a tese da equipe econômica do Governo Temer e de analistas do mercado financeiro sobre um suposto déficit explosivo. “A combinação desses dois resultados aponta para uma situação oposta ao que o governo propaga. Até 2014, o indicador considerado pelo governo como déficit da Previdência estava em queda. Passou de -1,7%, em 2006, para -1%, em 2014, tendo alcançado -0,8% em 2012. É somente a partir de 2015, diante do aumento do desemprego e da queda do PIB, que o resultado dispara, chegando a -2,8%”, explicam o ex-ministro e a ex-secretária.

Os dois ensinam que é preciso separar o Regime Geral do Regime Próprio Federal (RPPS) da análise sobre o suposto déficit da Previdência, pois o setor privado e o público têm lógicas distintas e passaram por mudanças diferentes ao longo do tempo. Parte das alterações recentes nos dois regimes ajudam também a entender o que está acontecendo. As duas mudanças foram feitas durante o Governo Dilma, em 2012 e 2015 respectivamente, e têm impacto negativo no curto prazo. “Em 2012, foi a verdadeira equiparação entre os dois regimes, ao criar o regime complementar para os servidores federais de todos os poderes e estabelecer o mesmo teto para todos os trabalhadores de ambos os regimes. Essa mudança, como não poderia deixar de ser, vale para todos os servidores que ingressam no serviço público federal a partir de 2013 e tem duas consequências principais. No curto prazo, tende a aumentar o descasamento entre receitas e despesas, com efeito negativo sobre o resultado, pois os novos servidores passam a contribuir apenas até o teto e a União faz o aporte nas contas dos servidores que aderiram ao regime complementar. No médio a longo prazo, a partir de 2030, passa a ter um resultado extremamente positivo, garantindo a total sustentabilidade do sistema”, finalizam.

 

Geração Uber

Os números recentes sobre trabalho corroboram as análises de Gabas/Esther e Munhoz. Houve perda de 1 milhão de contribuintes da Previdência Social nos últimos três anos, por conta do desemprego e da precarização do emprego, com aumento do número de trabalhadores por conta própria.

As mudanças na CLT também vão reduzir as contribuições para a Previdência, na contramão do discurso do Governo Temer.

 

Quem tem, tem medo

Até novembro do ano passado, o seguro D&O (Directors and Officers Liability Insurance), modalidade de responsabilidade civil que visa proteger o patrimônio de altos executivos, teve alta de 10%, para R$ 314 milhões, ante o mesmo período de 2016. O total de sinistros teve expansão de 58%, para R$ 183 milhões.

Antoine Maleh, gerente de contas da Tailor Insurance, acredita que 2018 terá uma perspectiva de aumento de 15% em volume de prêmio, em relação ao ano passado. “Temos observado que a procura de jovens empresários pelo seguro D&O tem aumentado”, diz Maleh. “Algumas empresas, inclusive, já oferecem o seguro ao funcionário. Em outros países, a prática já é bastante comum.”

 

Rápidas

A Associação Comercial de São Paulo recebe nesta segunda, às 17h, Carlos Amastha, prefeito de Palmas e presidente em exercício da Frente Nacional de Prefeitos *** O Baile Caxias Shopping será nesta segunda-feira *** E na terça, o Carioca Shopping vai realizar o Baile Viver Mais Especial de Carnaval *** Este domingo é o Dia Mundial do Câncer.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que é ruim a gente esconde
Próximo artigoE o salário, ó

Artigos Relacionados

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Últimas Notícias

Peixes de cultivo: R$ 8 bi com a venda de 841 mil toneladas em 2021

Semana do Pescado 2022 vai movimentar o país em setembro

Dívida do Rio cairá para menos da metade se corrigida pelo IPCA

Alerj vai ao STF para recompor perdas com ICMS dos combustíveis e energia.

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Desemprego cai em 22 das 27 unidades da federação

Tocantins teve maior recuo no segundo trimestre do ano.

TCU encontra brechas na segurança de informação federal

Equipamentos pessoais constituem risco de entrada para ataques.