Recessão encolhe economia mundial em US$ 28 trilhões

Após a recuperação da economia prevista para 2021, o crescimento mundial deverá desacelerar gradualmente até o patamar aproximado de 3,5% no médio prazo, estima o Fundo Monetário Internacional. A perda acumulada no produto em relação à trajetória projetada antes da pandemia deverá aumentar de US$ 11 trilhões em 2020-21 para US$ 28 trilhões em 2020-25. “Isso constituirá um grave retrocesso na melhoria dos padrões médios de vida em todos os grupos de países”, afirma a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath.

O prejuízo não será igual para todos. Até fim de 2021, a perda de produto em relação ao projetado antes da pandemia para as economias de mercados emergentes e em desenvolvimento, excluindo a China, será de 8,1%, muito maior que a perda esperada de 4,7% nas economias avançadas.

Além de desigual regionalmente, o efeito também não é sentido igualmente pelas diferentes classes sociais. Os bilionários aumentaram suas fortunas para um recorde de US$ 10,2 trilhões, superando o pico anterior, de US$ 8,9 trilhões, alcançado no final de 2017. Relatório do banco suíço UBS divulgado semana passada revelou que a riqueza aumentou 27,5% no auge da crise de abril a julho, turbinada pela alta dos mercados de ações.

 

FMI melhora projeção para a economia mundial

 

Embora instituir novas medidas do lado da receita possa ser difícil, os governos devem considerar aumentar impostos progressivos sobre indivíduos mais afluentes e aqueles relativamente menos afetados pela crise (incluindo aumento de alíquotas de impostos para faixas de renda mais altas, propriedades de luxo, ganhos de capital e fortunas), bem como mudanças na tributação corporativa para garantir que empresas paguem impostos proporcionais”, sugere o FMI.

Uma vacina eficaz contra a Covid pode reduzir as perdas. “Na nossa estimativa, se as soluções médicas puderem ser disponibilizadas com mais rapidez e de forma mais generalizada em relação a nosso cenário de referência, poderia haver um aumento acumulado de quase US$ 9 trilhões na renda mundial até o fim de 2025, elevando a renda em todos os países e reduzindo as disparidades”, opina Gita Gopinath.

Artigos Relacionados

China se tornará o maior mercado livre de impostos do mundo

O porto de livre comércio (PLC) de Hainan, no sul da China, deverá se tornará rapidamente no maior mercado isento de impostos do mundo...

Barômetros Globais sobem pelo 3º mês seguido

Neste mês, Hemisfério Ocidental mais contribui para a alta, ao crescer 7,9 pontos, seguida da região da Ásia, Pacífico e África.

Frango: 11 plantas perdem autorização de venda a sauditas

Produção das unidades brasileiras suspensas representa até 65% do frango halal exportado pelo país à Arábia Saudita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.

Dia começando ruim nos mercados globais

Ontem, os mercados abertos na parte da tarde desaceleraram, com o Dow Jones fechando em queda de 0,10%.

Shoppings: menos sacolas e mais entretenimento e serviços

Shopping não será mais um destino de aquisição de produtos e sim uma nova forma de usufruir dos serviços.