Recessão encolhe economia mundial em US$ 28 trilhões

Países emergentes e em desenvolvimento perdem mais que desenvolvidos.

Após a recuperação da economia prevista para 2021, o crescimento mundial deverá desacelerar gradualmente até o patamar aproximado de 3,5% no médio prazo, estima o Fundo Monetário Internacional. A perda acumulada no produto em relação à trajetória projetada antes da pandemia deverá aumentar de US$ 11 trilhões em 2020-21 para US$ 28 trilhões em 2020-25. “Isso constituirá um grave retrocesso na melhoria dos padrões médios de vida em todos os grupos de países”, afirma a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath.

O prejuízo não será igual para todos. Até fim de 2021, a perda de produto em relação ao projetado antes da pandemia para as economias de mercados emergentes e em desenvolvimento, excluindo a China, será de 8,1%, muito maior que a perda esperada de 4,7% nas economias avançadas.

Além de desigual regionalmente, o efeito também não é sentido igualmente pelas diferentes classes sociais. Os bilionários aumentaram suas fortunas para um recorde de US$ 10,2 trilhões, superando o pico anterior, de US$ 8,9 trilhões, alcançado no final de 2017. Relatório do banco suíço UBS divulgado semana passada revelou que a riqueza aumentou 27,5% no auge da crise de abril a julho, turbinada pela alta dos mercados de ações.

 

FMI melhora projeção para a economia mundial

 

Embora instituir novas medidas do lado da receita possa ser difícil, os governos devem considerar aumentar impostos progressivos sobre indivíduos mais afluentes e aqueles relativamente menos afetados pela crise (incluindo aumento de alíquotas de impostos para faixas de renda mais altas, propriedades de luxo, ganhos de capital e fortunas), bem como mudanças na tributação corporativa para garantir que empresas paguem impostos proporcionais”, sugere o FMI.

Uma vacina eficaz contra a Covid pode reduzir as perdas. “Na nossa estimativa, se as soluções médicas puderem ser disponibilizadas com mais rapidez e de forma mais generalizada em relação a nosso cenário de referência, poderia haver um aumento acumulado de quase US$ 9 trilhões na renda mundial até o fim de 2025, elevando a renda em todos os países e reduzindo as disparidades”, opina Gita Gopinath.

Artigos Relacionados

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

ONU: mais de 8,5 mil crianças foram usadas como soldados em 2020

Maioria das violações em 2020 foi cometida na Somália, República Democrática do Congo, no Afeganistão, na Síria e no Iêmen.

Brasil tenta abrir mercado de suco de maçã aos Emirados

País árabe envia documento ao Ministério da Agricultura com especificações para abertura de mercado, que está em tratativas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

CVM lança novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento

A partir de 5 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá disponibilizar o novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento (SGF)....

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

BID lança guia para ajudar na emissão de títulos sustentáveis

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou um guia para auxiliar e fomentar a emissão de títulos temáticos. O lançamento acontece por meio do...

Vivant lança lata comemorativa ao Dia Internacional do Orgulho LGBT

A lata estampa as cores do arco-íris e traduz o posicionamento da empresa sobre o respeito à diversidade.