Reciclagem automotiva

Os anúncios de investimentos feitos no Brasil nos últimos meses – desde março, oito montadoras falam em colocar R$ 15...

Os anúncios de investimentos feitos no Brasil nos últimos meses – desde março, oito montadoras falam em colocar R$ 15 bilhões até 2022 – são uma prova da confiança no Brasil, a partir de uma política econômica ortodoxa e responsável. Só que não. Na realidade, este tipo de anúncio é recorrente na indústria automobilística e é utilizado pelo governante do dia para mostrar que “agora vai!”. Foi assim nos últimos anos, inclusive em 2016, em pleno processo de impeachment contra a presidente Dilma.

Em 2013, a Honda anunciou R$ 1 bilhão para a fábrica no interior de São Paulo; a Mercedes – a mesma que divulgou que investirá R$ 2,4 bilhões de 2018 a 2022 – garantiu também R$ 1 bilhão, em 2014 e 2015, para fábricas de caminhões e ônibus em São Bernardo e Juiz de Fora, valor que se somava aos R$ 500 milhões para fábrica de automóveis de luxo em SP. Ao todo, as principais fabricantes de caminhões e ônibus (Mercedes, MAN, Iveco, Scania, Ford e Volvo) falaram em planos de investir aproximadamente R$ 5 bilhões até 2016. No final do ano, um jornal contabilizava que a região Sudeste, responsável por 70% da produção nacional de veículos, num período de seis anos (2010 a 2016), teria mais de R$ 30 bilhões em investimentos das montadoras de veículos, a maior parte em novas fábricas ou na ampliação de instalações atuais.

Os anúncios continuaram nos anos seguintes. A GM divulgou R$ 6,5 bilhões até 2018, valor repetido na contabilidade de 2017; em uma década, a montadora norte-americana fez um investimento médio de R$ 1 bilhão por ano no Brasil. A Fiat falou em R$ 15 bilhões no período 2013–2016. De 2012 a 2018, a indústria automobilística contabilizava investimentos programados que, somados, atingiriam R$ 75,8 bilhões. No final de 2015, a Mercedes já falava em R$ 1,7 bilhão para caminhões e ônibus e R$ 500 milhões para automóveis; somados, são R$ 2,2 bilhões, número próximo do anunciado segunda-feira. Já em 2016, a Renault anunciou R$ 740 milhões, quantia repetida este ano, assim como o R$ 1 bilhão da Toyota e outro tanto da MAN.

 

Eldorado

Qual o motivo para as montadoras seguirem investindo (ou pelo menos anunciando) no Brasil, após a forte queda nas vendas e na produção em 2015 e 2016? O discurso oficial é de confiança no país, apesar dos percalços políticos e econômicos atuais.

Raphael Galante, da consultoria automotiva Oikonomia, esboçou, ainda em 2013, um quadro que justifica tanta confiança. Ele analisou a lucratividade média da Ford em 30 trimestres. Chegou aos seguintes números: na América do Norte, o maior mercado, US$ 450 por automóvel vendido; na Europa, prejuízo de US$ 3,22; na Ásia, perda de US$ 5 por carro.

Na América do Sul (70% das vendas no Brasil), a lucratividade foi de US$ 1.664,73 – índice 471% maior que a média da marca e 271% acima da média na América do Norte.

Como exemplo, se a Hyundai alcançou a mesma lucratividade na fábrica inaugurada em outubro de 2012 em Piracicaba (SP), recuperou os US$ 600 milhões investidos em janeiro de 2015, apenas 27 meses depois.

 

Perdas externas

Os cálculos do consultor ajudam a explicar por que os automóveis são tão caros no Brasil – não, não são apenas os elevados impostos. Algumas práticas adotadas pelas montadoras ajudam a inflar os preços e a levar lucros para as matrizes de forma disfarçada. Importações de peças e componentes a preços muito acima dos praticados em seus países; transferência de máquinas e moldes obsoletos por valores inflacionados; pagamento de royalties e direitos de patentes.

Uma fórmula que se repete desde que a indústria automobilística estrangeira foi estimulada a se instalar aqui, ainda com JK.

 

Montanha-russa

Em abril, o FMI projetou crescimento do PIB brasileiro de 0,2% neste ano; a previsão foi revisada para 0,7% nesta terça-feira, ou 3,5 vezes mais.

 

Rápidas

No dia 18, a advogada Daniela Colla, do escritório Di Blasi, Parente & Associados, fará palestra sobre Music Business no evento Fórum Profissão Entretenimento, no Teatro Escola Sesc, em Jacarepaguá (RJ). Inscrições: http://iatec.com.br/forum/programacao-inscricoes/ *** Palhaços, malabaristas e apresentações circenses estarão no Dia das Crianças no Américas Shopping (RJ), a partir das 14h *** A exposição de fotografias Rio, Minha Paixão será aberta ao público dia 24 e ficará até 16 de novembro em Laranjeiras (RJ), de segunda a sexta, das 10h às 16h. As visitas devem ser agendadas pelo e-mail [email protected]

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIniciativa também nos EUA
Próximo artigoFalta combustível?

Artigos Relacionados

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Brasil: 3% da população, 6% dos desempregados do mundo

Pode colocar na conta de Bolsonaro–Guedes.

Últimas Notícias

Mães: tentativas de fraudes caíram 4% de 2021 para 2022

Apesar da queda no volume, valor de fraudes evitadas foi 9,3% superior no período; já sexta-feira, 13 teve aumento de 120% no último ano.

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.