Reconhecimento de Estado palestino por Noruega, Irlanda e Espanha entra em vigor hoje

Itamaraty condena Israel por 'sistemática violação aos Direitos Humanos' e também condenou ataques do Hamas ao território israelense

148
Bandeira da Palestina (Foto: ONU)
Bandeira da Palestina (Foto: ONU)

Na semana passada, Noruega, Espanha e Irlanda haviam anunciado que reconheceriam a Palestina como Estado a partir de hoje, juntando-se a mais de 140 países em todo o mundo, no momento em que Israel mantém, desde outubro, ofensiva militar na Faixa de Gaza.

Dublin reconhece assim a Palestina como Estado soberano e independente e decidiu estabelecer relações diplomáticas plenas entre Dublin e Ramallah, onde será nomeado um embaixador irlandês.

O premiê irlandês, Simon Harris, afirmou que se trata de uma questão de “manter viva a esperança”.

Em comunicado divulgado após um Conselho de Ministros que formalizou a decisão, primeiro-ministro irlandês apelou ao seu homólogo israelense, Benjamin Netanyahu, para “ouvir o mundo e conter a catástrofe humanitária” em Gaza.

Espaço Publicitáriocnseg

Também o reconhecimento da Palestina como Estado pela Noruega entrou em vigor nesta terça-feira, confirmou o governo de Copenhague, que considerou a data “memorável”.

“A Noruega é, há mais de 30 anos, um dos países que mais tem lutado por um Estado palestino. Hoje, quando reconhece oficialmente a Palestina como Estado, é um dia memorável na relação entre os dois países”, afirmou o governo norueguês, em comunicado do ministro dos Negócios Estrangeiros, Espen Barth Eide, citado pela agência de notícias EFE.

“É lamentável que o governo israelense não mostre sinais de compromisso de forma construtiva. A comunidade internacional deve aumentar o apoio econômico e político à Palestina e continuar a trabalhar por uma solução com dois Estados”, disse o chanceler.

O governo norueguês não organizou para esta terça-feira qualquer evento ou cerimônia pública a propósito do reconhecimento da Palestina, além do comunicado do ministro dos Negócios Estrangeiros. A oposição norueguesa (de direita) criticou a decisão do governo, por considerar que ela não ocorre no momento certo.

Na Espanha, o Conselho de Ministros do país também aprovou o reconhecimento formal da Palestina como Estado, disseram a porta-voz do governo de Madri, Pilar Alegría, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jose Manuel Albares.

“Hoje é um dia que fica gravado na história de Espanha, um dia em que o nosso país diz que perante o sofrimento não é possível a indiferença e que é possível a paz, a solidariedade, o compromisso e a confiança na humanidade”, afirmou Albares.

O ministro espanhol defendeu que a decisão tomada hoje em Madri é questão de justiça com o povo palestino, mas também “a única via para garantir a Israel a segurança que legitimamente reivindica e o único caminho viável para a paz na região”.

Também nesta terça, o governo brasileiro voltou a condenar as ações de Israel na Faixa de Gaza. O Ministério das Relações Exteriores (MRE) divulgou nota criticando a “contínua ação das Forças Armadas israelenses contra áreas de concentração da população civil de Gaza”. No comunicado, o Itamaraty também condenou a retomada de lançamento de foguetes do Hamas contra o território israelense.

“O governo brasileiro tomou conhecimento, com profunda consternação e perplexidade, das notícias sobre ataques conduzidos por Israel, um dos quais contra campo de refugiados nas imediações da cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza”, diz a nota.

Para o MRE, as ações militares de Israel nas regiões densamente povoadas de Gaza “constitui sistemática violação aos Direitos Humanos e ao Direito Humanitário Internacional, assim como flagrante desrespeito às medidas provisórias reafirmadas, há poucos dias, pela Corte Internacional de Justiça”.

Na sexta-feira (24), a CIJ exigiu que Israel suspendesse os ataques em Rafah.

A cidade de Rafah, próxima à fronteira com o Egito, se transformou no principal refúgio da população civil de Gaza desde que começou a atual fase do conflito no Oriente Médio. Estima-se que 1,5 milhão de pessoas estejam vivendo no local, a maioria em tendas improvisadas.

Israel tem ampliado os ataques contra a cidade, provocando, ao menos, dezenas de mortes e a condenação internacional.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamim Netanyahu, alegou que um desses ataques foi um “acidente terrível”.

Com informações da Agência Brasil, citando a Lusa

Leia também:

A “obsessão” das Filipinas sobre o Mar do Sul da China
Internacional
A “obsessão” das Filipinas sobre o Mar do Sul da China

As provocações das Filipinas no Mar do Sul da China estão se tornando cada vez mais agressivas. De acordo com a Guarda Costeira da China, em 17 de junho, as Filipinas enviaram um navio de abastecimento e dois barcos infláveis para invadir ilegalmente as águas adjacentes ao Recife Ren’ai Jiao nas Ilhas Nansha da China. […]

Por que investidores internacionais confiam no mercado chinês?
Internacional
Por que investidores internacionais confiam no mercado chinês?

No dia 17, as autoridades chinesas divulgaram a situação das operações econômicas de maio. Durante o mês supracitado, o valor agregado nacional do setor industrial acima do tamanho designado aumentou 5,6% em relação ao ano anterior; o índice de expectativas para a produção empresarial e atividades comerciais foi de 54,3%, e o índice de expectativas […]

Uso de tarifas pela UE para suprimir os carros elétricos chineses não sucederá
Internacional
Uso de tarifas pela UE para suprimir os carros elétricos chineses não sucederá

“Para a Europa, especialmente para a indústria automobilística alemã, esta decisão da União Europeia traz mais prejuízos do que benefícios e não favorece o aumento da competitividade do setor automotivo europeu.” A afirmação foi feita por um responsável do grupo Volkswagen ao comentar a decisão da Comissão Europeia de impor uma tarifa antidumping temporária de […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui