Recuperação de Estados Nacionais exige combate à evasão fiscal

Entre empresas que fogem dos impostos, algumas estão na linha de frente para ‘ajudar’ no combate a Covid.

A crise disparada pelo coronavírus traz urgência para o debate sobre evasão fiscal. Gabriel Zucman, economista da Universidade da Califórnia em Berkeley, disse ao International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ) que uma das lições claras é: “Os paraísos fiscais estão no centro da crise financeira e orçamentária”. O ICIJ está à frente de denúncias sobre burlas no pagamento de impostos, como Panama Papers e Swiss Leaks.

A cada ano, calcula Rasmus Corlin Christensen, pesquisador do Centro Internacional para Impostos e Desenvolvimento, 40% dos lucros das multinacionais são transferidos para paraísos fiscais, e 8% da riqueza pessoal é guardada no exterior.

Um exemplo vem da Itália, que tem o maior número de mortes relacionadas a Covid-19 (os EUA devem ultrapassá-la nos próximos dias, talvez horas). A Itália tem uma taxa de evasão de 30% e, em 2016, perdeu US$ 118,5 bilhões em sonegação e subnotificação de impostos, de acordo com as últimas estimativas do governo, relata o ICIJ.

O aumento dramático no desemprego, combinado com o vasto ônus adicional sobre os sistemas de saúde, devem ser a chave para mudar o sistema que beneficia grandes multinacionais e super-ricos. Mais de US$ 800 bilhões em receitas fiscais são perdidos anualmente. Investigações anteriores do ICIJ incluem empresas de tecnologia como Facebook, Uber, Amazon, Apple (que, ressalta o ICIJ, afirmou estar produzindo equipamentos de proteção para profissionais médicos), empresas de tecnologia médica como a Medtronic, que produz ventiladores, e Johnson & Johnson, que está trabalhando em uma vacina em parceria com uma agência estadual dos EUA.

Gariel Zucman ressalta a lição que podemos tirar da atual crise econômica: “Recuperar nossos serviços públicos começa com o combate mais agressivo à elisão e evasão fiscais.” Os países em desenvolvimento têm anuais estimados em cerca de US$ 200 bilhões, um valor aproximadamente equivalente ao que as Nações Unidas preveem que perderão devido à pandemia de coronavírus.

A OCDE tem um plano para tributar as empresas digitais e realocar parte de seus lucros para os países onde eles têm clientes. Seria criada também uma taxa mínima para as multinacionais, dificultando a movimentação de lucros e o corte de suas contas fiscais. O resultado é estimado em mais US$ 100 bilhões em receita por ano.

 

Ao volante

Taxistas e motoristas de aplicativos são duas categorias bem afetadas pelas restrições para tentar retardar o avanço do coronavírus. Os profissionais do táxi já enfrentam ao menos uns quatro anos de perda de clientes e chegam à crise sem reservas. Como as prefeituras têm o cadastro de todos, inclusive auxiliares, não seria problema levar ajuda financeira até eles. Uma medida que o governo poderia adotar seria uma moratória de seis meses nos pagamentos dos financiamentos dos carros.

Motoristas de aplicativos também são cadastrados e podem ser facilmente localizados. A maioria está neste ramo por não conseguir emprego, então é fácil supor que estão no sufoco. Como hoje em dia os carros são alugados, uma alternativa seria suspender o pagamento do aluguel até o final do ano.

A medida não agradaria as locadoras, que hoje conseguem mais lucro ao comprar carros com benefício fiscal e vender pelo preço de mercado, alugando aos motoristas de aplicativos no intervalo. Talvez o governo relute, pois afetaria gente como Salim Mattar, dono da Localiza e secretário de Desestatização do Ministério da Economia.

Seria o caso então de chamar Uber, 99 e outras para assumir a despesa. Afinal, ser sócio só no lucro é muito fácil.

 

Desigualdade

Nos Estados Unidos, a morte de negros é proporcionalmente maior do que as dos demais. Não se trata de questão genética, mas de vulnerabilidade social. Alguém acredita que será diferente no Brasil?

 

Rápidas

O “Café das mulheres” online desta sexta, às 10h, terá a participação da produtora cultural Carolina Herszenhut, que falará sobre negócios virtuais *** A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) fará programas ao vivo, às quintas-feiras, para análises e conversas com um ou dois pesquisadores. O público poderá interagir no Canal da Abrasco.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso